quarta-feira, 19 de abril de 2017

Sonic Blue: Tele de Pinho & Strato de Garopa

Paulo May


(obs: antes de fazer perguntas e ou postar comentários, leia aqui: CLIQUE)


Dica: para ver as imagens "full size", clique sobre elas com o botão direito do mouse e escolha "abrir link em nova aba/página".

          Há uns dois posts atrás eu mencionei que havia encomendado com o Kaiser dois corpos: Telecaster (invertida) de Pinho do Paraná (Araucária), madeira que eu queria testar há um bom tempo e uma Stratocaster de Garopa. A Garopa eu não conhecia, mas é uma madeira relativamente comum em quase todo litoral do Brasil, utilizada em móveis e geralmente canoas. Densidade entre o Marupá e Alder, bem leve e por sorte, mais dura do que a densidade sugere. O Pinho é um pouco mais denso (bem na faixa do alder) mas mais macio e pesado que a Garopa. Ambas são bonitas e fáceis de trabalhar e pintar.  Depois de prontas, a strato (hardtail) ficou com 3,2kg (uau!) e a tele com 3,8kg

Já sei, já sei... Eu prometi que não ia mais testar madeiras brasileiras, mas depois de experimentar o Timburi (nesse post, clique), que foi uma grata surpresa, resolvi tentar o Pinho. Enquanto conversava com o Kaiser, ele mencionou a Garopa e daí, já que a gente tava com a mão na massa mesmo, encomendei os dois... :)
Braços de maple nas duas: one piece na tele (com tensor de acesso traseiro) e maple cap na strato.

          Captadores Rosar Fullerton na strato (pra não errar - soam bem com quase todas as madeiras) e VHot-T na ponte da tele. No braço, um genérico de alnico que soou bem legal.  O Vintage Hot-T (nem preciso mais falar dele - clique aqui) é uma versão custom com alnico II na quinta e sexta cordas e alnico V nas demais - perfeito e com o ângulo invertido, melhor ainda! :)
A inversão do ângulo diminui a amplitude dos graves e o alnico II os deixa mais definidos -  e todos aqui já sabem da minha bronca com o desequilíbrio entre as cordas na telecaster clássica. Os pinos também são escalonados, num padrão que pra mim soa ideal. Normalmente o Sérgio (Rosar) não mexe nas alturas dos pinos de alnico - são todos "flat", mas de 3 anos pra cá, os meus VHot-T são customizados com o meu padrão de escalonamento, com o primeiro e quarto pinos mais altos, segundo, terceiro e quinto normais e o sexto o mais baixo de todos. 37 anos tocando tele... Não vou errar isso, né? KKK!



         Sonic Blue? Sonic Blue! Adoro essa cor e, como já falei em vários posts aqui, quando a gente faz o acabamento em casa (apartamento!), sem compressor e politriz, descobri que é bem mais prático - e até mais fácil - deixar num padrão "relic". Depois de tantos erros, já peguei a manha da relicagem natural e, cá entre nós e chutando a modéstia, já fiz relicagens melhores e mais naturais que muitas custom shop da Fender :) Na minha experiência, é 10 vezes mais fácil fazer relicagem "de trás pra frente", enquanto evolui a pintura e acabamento. Relicar um corpo novinho, com aquele PU duro e brilhante, bah... Nem tento... :)

Então meus caros, não é que eu goste de corpos relicados, é porque tenho preguiça de fazer o acabamento ultra hiper clean! KKK!



         Eu sei que tá todo mundo querendo saber da sonoridade das duas... Ainda estou ouvindo, comparando, esperando, ouvindo de novo, comparando de novo... Mas quando faço isso é porque elas já passaram no primeiro gargalo - ambas soaram muito bem. Pinho e Garopa? BEM melhores do que Cedro, Marupá, Freijó... Quanto melhor? Como se comparam com as de alder e ash? Humm... Ainda não sei, mas vou postar assim que concluir. O ouvido do Oscar faz uma falta danada numa hora dessas. Mas ainda tenho o Jean e o Faraco aqui em floripa pra ouvirem - ambos com gostos diferentes dos meus. Vamos ver... :)

         E pra quem tá curioso com as "tintas", todas à base d'água, com rolinho, e muita, muita lixa. Acabamento final com spray de verniz para madeiras da Colorgin - "camadíssimas finíssimas" - se tossir em cima, aparece a madeira! KKK!


http://kaiserguitars.com/


Esse tipo de tinta sem cheiro (a branca sobrou da reforma do apto :), que dá pra limpar com água... êta modernidade boa! :)

Nesse momento (foto acima), eu havia relicado a tele e pretendia deixar a strato clean, mas por um descuido com a lixa, perdi o azul num dos pontos... Preguiça total de pendurar novamente e fazer mais camadas de azul (além disso, lembro que, quanto mais tinta, menos timbre), esperar secar... Daí reliquei a strato também! :)



Esqueci alguma coisa (além do resto dos parafusos no escudo da strato)?

segunda-feira, 10 de abril de 2017

... E a Roland G-707 virou uma Cabronita :)

Paulo May


(obs: antes de fazer perguntas e ou postar comentários, leia aqui: CLIQUE)

         Em 2014 fiz um post sobre a excelente guitarra Fender/Roland e o novo sistema digital da Roland. Ainda tenho as duas guitarras e cada vez gosto mais do sistema, mas esse post é um vapt-vupt pra mostrar onde foram parar os "restos mortais" da G-707. Transcrevo parte do que escrevi naquele post:
"... Eu não sou e nunca fui aquele guitarrista do tipo "solista técnico/virtuoso". Sempre gostei mais de bases e arranjos, da procura do groove perfeito entre guitarra base, bateria e baixo - e eventualmente piano. Durante a época (1983-1994) que tive banda e estúdio de gravação, onde compunha jingles e trilhas, sempre busquei maneiras de ampliar os limites dos sons de guitarra. Não foi à toa, portanto, que adquiri uma guitarra "midi", uma Roland G-707 em 1986 (ou 87). A guitarra tinha um visual futurista e uma estranha barra de carbono numa segunda junção braço/corpo para minimizar as vibrações do braço e estabilizar a captação dos sinais pelo captador hexafônico...
         O "tracking" das notas era complicado, tínhamos que tocar de forma bem diferente de uma guitarra normal, evitando bends, ruídos e slides desnecessários. Aquela barra realmente incomodava e pra completar, era um porre pra tocá-la sentado. Ela ficou largada até por volta de 2000, quando resolvi serrar a barra de estabilização e usá-la como guitarra normal (a G-707 era feita na mesma fábrica da Ibanez, com corpo de alder). Quando perguntavam que guitarras eu tinha, ficava até engraçado: "duas teles vintage, uma 1968 e outra 1974 e uma Roland G-707!!" KKK! Em 2004, joguei tudo dessa guitarra fora e só fiquei com a ponte (interessante - nunca vi outra igual) e o braço"

 A guitarra parece interessante, né? Moderna, etc., mas a real é que era MUITO chata pra tocar. Tinha que ser em pé e aquele estabilizador do braço incomodava demais - parecia que tinha um outro cara tocando contigo! :)
Quando postei no finado fórum da revista Guitar Player Brasil, que havia desmontado toda a guitarra e jogado o corpo fora, meu amigo, luthier/jornalista/músico Jaques Molina queria me matar! KKKK
Na época ele estava num batalha para restaurar uma G-707 e adorava esse modelo. Cada um na sua, né? :)

         Gosto muito da pegada desse braço - é semelhante ao da minha tele 68, com poucos ombros, tipo um "C" mais profundo, quase "soft V". Não gosto do headstock invertido e é chato também porque na hora de afinar o cérebro inverte a ordem das tarraxas :)

E a ponte... Guardei também porque era muito interessante. Algo baseada na Kahler, mas um design único e que nunca mais foi utilizado pela Roland ou Ibanez. O inconveniente é que esse tremolo, assim como o Kahler, exige uma cavidade específica no corpo.

        Daí, no final do ano passado, decidido a reunir ponte e braço novamente e aproveitando as habilidades, disposição e excelentes preços do luthier Otto Schmidt Jr. de São Paulo, encomendei um corpo de marupá, estilo Cabronita, pra colocar as partes... Tive que enviar a ponte para o Otto medir e programar na CNC o padrão da cavidade, mas ficou perfeita. Mesmo de saco cheio de pintura, fiz um acabamento meio heavy relic (afinal, ela deve corresponder a uma guitarra de 1986... :) E a guitarra ficou ótima. Ainda utilizei um botão de volume original, que estava guardado "just in case" :)


         Captador Gretsch Filtertron original, levinha, braço ultra confortável, ponte... Bem, ponte rara e exclusiva, imagino :)



         Antes que perguntem por que optei pelo marupá para o corpo, respondo: em quase todas as teles que testei, o marupá tende a soar muito bem na posição da ponte. Tenho uma Telemaster com P90 que soa mais poderosa e nervosa que a própria Gibson LP Jr. Esse captador foi usado numa Cabronita de american sugar pine e com certeza soou melhor no marupá. O timbre é muito similar ao da minha Cabronita Fender de alder (caps Fidelitron), talvez com um pentelho a mais de graves.


PS: O Otto não tem site e/ou loja. Eu o encontrei no ML, onde ele vende os corpos que produz. Gente finíssima. Para acessar os produtos dele no ML, é só clicar no logo abaixo:
Link para o Mercado Livre