terça-feira, 16 de novembro de 2010

"Sem Luthier" Parte 2: braços envernizados "grudentos"

Outra manobra simples, rápida e eficiente. Se tu és como eu, que por alguma razão orgânica ou química, tens as mãos que cismam em grudar nos braços envernizados, precisas de apenas 5 minutos para resolver esse problema.
Antes, uma foto dos tipos mais comuns de acabamento de braço:
1): Sem acabamento, observado principalmente em braços de maple. O maple fica extremamente liso após ser lixado com lixa de grão (aspereza da lixa: quanto maior o valor, mais fina/menos áspera) 400 ou 600 e é uma madeira de poros fechados, portanto bem resistente à umidade.
2): Envernizado, nota-se pelo brilho característico do verniz. Em teoria, é liso, mas basta uma leve umidade nas mãos para o verniz travar a pele. Incoveniente para guitarristas de pele fina ou com pregas mais frouxas na palma da mão.
3) Acetinado: imagino que venha do termo "cetim"... :) O acabamento sintético recebe menos polimento. "Gruda" bem menos.


Pois bem, a idéia é tirar o excesso de polimento do verniz, deixando-o com um aspecto mais fosco/acetinado e bem mais escorregadio. Em termos práticos, o braço fica mais "rápido".
Material: Bom-Bril (o mini é ideal - 1001 utilidades :) ) ou lixa de grão maior que 600 (1.200 seria ideal).
PS: o Ógner postou aqui que teve o mesmo efeito usando uma esponja Scotch Bright no lado áspero - mais uma possibilidade, então... :)

Procedimento: na internet existem vários vídeos mostrando - alguns usam uma fita adesiva para estabelecer os limites, mas eu faço no "olho" mesmo. Seguir os contornos do braço deixa-o com aspecto mais natural, sem a diferença abrupta entre o brilhante e o fosco:
Observe a diferença do brilho entre a base do braço e sua região posterior, já lixada com Bom-Bril. Para mim, esse procedimento deixa o braço 100% mais escorregadio.
Não use muita pressão (importante) e faça movimentos uniformes e linares. Atenção para não lixar a lateral da escala (normalmente ela não sofre muito com uma lixa fina/Bom-Bril, mas sempre é bom ter cuidado). A medida que vai lixando, forma-se um pó fino branco do verniz. Use um pano levemente umedecido para limpar, seque bem e teste seguidamente, até achar o seu ponto ideal.

Na foto, 3 braços lixados. O do meio (Cort KX Custom) foi o primeiro: ainda não tinha a manha dos limites e a separação brilho/fosco é mais abrupta.

Na dúvida, inicie esfregando bem levemente o Bom-Bril/Lixa e vá aumentando a pressão se achar necessário.
O legal é que é um processo reversível. Basta polir novamente o braço - nesse caso, eu uso cera automotiva "Grand Prix" e uma flanela macia. Moleza. :)

PS: Eu sabia que havia vídeos sobre isso mas nunca os tinha visto. Como o pessoal do fórum GP perguntou sobre eles, fui procurar e aqui estão 2 links:
Galeazzo Frudua - luthier italiano
How to Fix a Sticky Guitar Neck

39 comentários:

  1. Olá Jack,

    Excelentes posts sobre luthieria caseira. Parabéns! Valem não só para quem não tem um luthier disponível, mas tbm para quem curte a onda de "do it yourself".

    Tenho uma dúvida: Será que usando o bombril, eu consigo tirar o verniz da escala (maple ou pau-marfim), sem judiar muito dos trastes?

    ResponderExcluir
  2. Fala Vicenzo, tudo bem? :)
    Obrigado pelos comentários. Olha, para tirar todo o verniz é mais complicado e depende da quantidade de verniz aplicada.
    Até onde sei, existem 3 métodos: removedor químico de verniz, lixa (é o mais demorado) e soprador térmico. Já retirei o verniz de um braço SX com removedor - foi bem chato e ainda tive que finalizar com lixa e espátula de unha nos cantos dos trastes.
    O Bom-Bril é só para retirar o brilho/polimento do verniz...

    ResponderExcluir
  3. Acho que é um trampo que não vale a pena fazer sozinho então...rs. E, no meu caso, seria por puro motivo estético.

    Valeu Jack e mais uma vez, parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  4. Oi Paulo!!!
    Excelente o seu blog, estou sempre passando por aqui. Queria pedir que voce continuasse a postar matérias históricas como a da Fender Made In Japan e as da Gibson Les Paul.

    Mas eu queria te fazer uma pergunta: voce sabe se existe algum site brasileiro no estilo do site Stew Mac?

    Grande abraço!!!

    Alexandre Soares

    ResponderExcluir
  5. Oi Alex,
    Obrigado pelos comentários - e boa idéia quanto ao tema dos posts. Eu também gosto muito dessas estórias.
    Olha, na Brasil, guardadas as devidas proporções, temos a Music Tools:
    http://www.musictools.com.br/
    Ali tem um link para download em PDF das ferramentas disponíveis e custos.
    Mas a StewMac ainda é imbatível... :)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Dessa eu também já fiz e foi no Bom-Bril mesmo hehehehehehehe

    Excelente post Jack!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Curtí os "fascículos" virtuais do MSL!

    ResponderExcluir
  8. Valeu pela dica sobre o site Paulo!!!
    Grande abraço

    Alexandre Soares

    ResponderExcluir
  9. Puxa, parece que ficou muito bom!!!

    Tirei todo o verniz do corpo e braço da minha SX62 Sunburst!! Ficou muito bom o resultado, mas eu usei uma esponja tipo Scoth Bright do lado mais aspero!!!

    Vc bem podia relicar umas guitarras suas ae e, se ficar bom, hehehehe...Colocar o passo a passo ae pra gente hein!!!!
    Abço e obrigado!

    ResponderExcluir
  10. Olá Paulo, vi que você tb gosta das SX SST, pois bem eu tenho 2 delas, uma eu tenho apenas o corpo em alder natural sem pintura.
    Estou montando ela pra mim e tenho um braço importado em maple com logo fender. Acontece que este braço é uns 3mm mais "largo" que o encaixe do corpo na SX.... e ele tb é uns 2mm mais alto que o padrão. Cara isso está me dando uma dor de cabeça enorme... Tem alguma dica de como posso encaixar este braço do corpo da SX?
    Lixar o corpo não acho uma boa ideia, ja estraguei um corpo anterior tentando isso, então eu deveria lixar o braço na largura e altura? Qual a manha pra por este braço na sx? Se puder me ajudar eu agradeço demasiadamente, tenho MSN pra contato caso queria. Um abraço e parabéns pelo excelente blog!

    ResponderExcluir
  11. Andreld - vou postar lá no fórum da GP.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. paulo, fiz o teste com bombril (normal) em um violão velho que tenho aqui.
    ficou excelente! do jeito que eu queria!
    daí parti para o objetivo principal: minha Gibson Nighthawk Standard.
    bom, deu tudo errado.
    ficou bem ruim.
    tudo arranhado e bem diferente do que eu esperava. e o brilho continua lá.
    o q rola de diferente no verniz da Gibson?
    Tem como fazer nessa guitar tmbm ou não?
    dá um help!
    bons sons...
    edu

    ResponderExcluir
  13. Pô Edu, lamentável que não tenha ficado legal na na Nighthawk - logo nela! :)
    Algumas conjecturas - podes ter esfregado o Bom-Bril com muita força, provocando os arranhões. Não tenho certeza, mas o BomBril equivale a uma lixa 800 ou 1.000. Se ficou muito arranhado, terias que ter coragem e usar um lixa ainda mais áspera (800?) para apagar os arranhões e depois, ires aumentando o valor (que na verdade diminui a aspereza) para 1200 e até 1600, que é bem suave. Em algum ponto nesse processo encontrarás o feeling/toque ideal - provevelmente depois da lixa mais fina (a 1600 é difícil de achar, mas existe). Usei a lixa 1200 (e só ela) suavemente na minha LP 81 e funcionou muito bem.
    Outra opção seria levar para um luthier, que resolveria isso num piscar de olhos...:)
    Mantenha o pessoal aqui informado, ok?
    E boa sorte com a tua Nighthawk
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Obrigado pelas dicas Paulo! Seu blog está favoritado! Eu limpei,lixei,reenvernizei e lixei de novo o braço e a escala de maple da minha strato seguindo suas dicas e a tocabilidade ficou ótima, apesar de eu achar que não fiz um serviço 100% hehehe. Só senti um pouco de pena pq perdeu aquele aspecto envelhecido que dá um charme especial na guitarra.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  15. Paulo.... essa tecnica pode ser aplicada no corpo para dar aquele acabamento "faded"??

    ResponderExcluir
  16. Sim Marcelo.
    Acabei de descrever o procedimento no FGP:
    http://www.guitarplayer.com.br/forum/index.php?/topic/1350-upgrades-em-uma-strato/page__view__findpost__p__24426

    Recentemente fiz isso numa SX (descrito no "dia 2"):
    http://guitarra99.blogspot.com/2011/10/guia-para-tunar-guitarras-baratas.html

    Usei lixa de grão 600 bem umedecida. Ficou um fosco algo acetinado muito bonito.

    ResponderExcluir
  17. Cara procurei muito por isso, por toda a parte. Eu sempre quis uma guitarra com acabamento tipo Schecter Jeff Loomis fosco então esse é o segredo! Cara eu posso aplicar a mesma técnica no corpo também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. E o processo pode ser feito com Bom Bril - com cuidado e sem aplicar muita pressão.
      Prefiro usar lixas, de grão 500 pra cima. Pra recuperar um pouco do brilho, se necessário, é só lustrar com cera automotiva "Grand Prix" ou similar.
      vide post (dia 2):
      http://guitarra99.blogspot.com.br/2011/10/guia-para-tunar-guitarras-baratas.html

      Excluir
    2. Paulo, muito obrigado mesmo por dividir este conhecimento. Blog já nos meus favoritos, e obrigado pela resposta também. Abraço

      Excluir
  18. Eu fiz essa tecnica no corpo de uma LP da Epiphone e ficou parecendo aqelas guitarras vintage que perderam parte do brilho do verniz.. gostei muito do resultado...

    ResponderExcluir
  19. Paulo, estou querendo fazer isso na minha SX SST 57, braço em maple. Será que posso fazer o procedimento na "frente" do braço (do lado aonde estão as trastes ?). Me encomoda demais essa cor laranja. Obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse procedimento só diminui o excesso de brilho. Pra retirar essa cor amarelo mijo das SX SST57, só removendo todo o verniz. Fiz isso num braço de uma delas - mesmo usando removedor químico (Striptizi gel), ainda ficou um bocado de verniz ao redor dos trastes, que tive que retirar na marra, com limas e lixas. Vários trastes tiveram que ser arrumados depois por um luthier...

      Excluir
    2. Paulo, estou tirando a pintura de uma guitarra e já usei 2 removedores (Farben e Maxi Rubber) os 2 possuem desempenhos parecidos mas está muito difícil fazer o trabalho, a tinta superficial está saindo fácil, mas tem uma camada grossa transparente por baixo que é muito dura. Vi que você usa o removedor Striptizi gel, como é o desempenho dele? Claro, se você tiver parâmetros para comparar... esses estragos nos trastes foi causado pela química ou pelas ferramentas que você usou para remover? Ele derrete plásticos (binding e dot inlays)? Desculpa tantas perguntas, mas não achei nada concreto sobre as minhas dúvidas a respeito deste removedor.

      Excluir
    3. O Striptizi sempre funcionou pra mim, Borba. Às vezes eu precisei arranhar (com cuidado pra não atingir a madeira) um pouco o verniz para maior penetração.

      Sim, a maioria dos removedores pode danificar plásticos, depende do tempo de exposição.

      Excluir
  20. Cara, tenho uma Ibanez Rg com braço em maple sem acabamento como faço pra ele ficar com esse acabamento acetinado ? que que eu tenho que comprar pra passar ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Terias que envernizar e polir parcialmente, mas não vejo muito sentido nisso...

      Excluir
  21. Se eu fizer isso também na parte de cima, aonde ficam as trastes, será que também melhora ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca ouvi ninguém reclamar disso na parte de cima, mas em braços muito usados essa camada de verniz acaba sendo naturalmente desgastada.

      Excluir
  22. Tenho um Precision Americano que veio uma camada razoável de verniz sobre os trastes, depois começou a gastar e escamar, cada vez pior para tocar, quando se paga mais 5 paus por um bass desses. Resolvi tirar raspando com um estilete (depois de isolar o maple da escala), depois passei lixa 600, depois bombril e depois poli com cera de carnaúba. Trabalho danado, mas ficou legal. Saberia me dizer algo sobre verniz sobre os trastes, achei meio palha da Fender vender algo assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Via de regra a Fender sempre envernizou (no início com nitrocelulose e hoje PU) o braço e a escala de maple. A nitrocelulose é muito fraca e o desgaste com sujeira é certo, mas o PU usado hoje em dia é bem resistente e duro. Pode ter havido algum problema na manufatura ou mudanças bruscas de temperatura ou a pior opção: o maple não estava totalmente seco e encolheu depois - mas nesse caso os trastes ficariam um pouco fora também. Mas que bom que resolveste o problema. Já tirei verniz da escala sem retirar os trastes e sei que é um trabalhão danado! :)

      Excluir
  23. Olá Paulo e Oscar, estou com um abacaxi médio aqui para descascar. Precisei fazer uma troca de trastes. Ocorre que a escala é de madeira escura, estilo jacarandá/rosewood, e está extremamente seca (é um baixo Tagima ano 1991), de modo que a saída dos trastes removeu fragmentos da escala. Não deu pra lixar muito porque a escala já está meio fina. Desse modo, estou cogitando a possibilidade de passar verniz PU nela, visando minimizar o efeito estético do estrago mencionado. Mas nunca vi uma escala escura envernizada. Será que rola fazer o procedimento com o bombril para quebrar o brilho após envernizar?
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tradicionalmente a escala de rosewood não é envernizada - uma das razões é que ela pode repelir o verniz depois.. Não imagino também como o verniz possa esconder as pequenas lascas retiradas, mas...
      Eu tentaria primeiro com alguma substância que desse brilho, talvez até silicone.
      Como nunca fiz isso, não posso ajudar mais Pedro.
      Mas, boa sorte :)

      Excluir
  24. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  25. Tenho uma guitarra squier escala clara e queria invernizar a escala dela . Eu posso invernizar com os trastes ou tenho q retirar os trastes ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode isolar os trastes com fita (cortando um a um) ou envernizar por cima mesmo e depois parras um estilete pra limpar. A Fender manda tudo por cima mesmo.

      Excluir
  26. Eu tenho uma guitarra com braço em maple acetinado um amigo me disse que ele mancha de suor com o tempo e que é melhor enverniza gostaria de saber se realmente mancha e se vale apena envernizar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os braços e principalmente os de maple/claros sofrem alterações no acabamento com o uso contínuo. Acrescentar mais verniz PU vai diminuir o desgaste/coloração, mas pode mudar o timbre. Eu deixaria assim.

      Excluir
  27. Olá Paulo, olha eu envernizei meu braço em maple. Eu posso deixar ele acetinado já passando lixa 1200? Ou é preciso polir? Outra coisa, lixa seca ou com água e detergente?? Obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois do verniz secar a sequência de lixas: 400/600/1200 ou até mais é necessária. Podes parar na que achares mais legal.
      Lixas mais finas são para detalhamento da superfície e devem ser usadas molhadas, para evitar riscos. Geralmente a partir de 400/600.

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".