quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Comparando Les Pauls (Gibson Les Paul Standard 1981, Gibson Les Paul Traditional 60 2011, Vintage AFD Les Paul 2012)


         Recentemente o Oscar Isaka Jr. Esteve aqui em casa e trouxe sua Les Paul Traditional 60's, uma linha exclusiva feita pela Gibson para a rede Guitar Center dos EUA. É uma Traditional, com os 9 furos de alívio de peso, corpo de duas peças de mogno, cerca de 4,4 kg. Enfim, uma Les Paul que em termos de qualidade, estaria abaixo apenas das Custom Shop. As LP Standard são mais caras mas aquele corpo com câmaras ainda não engoli (e nem vou).

Enfim, como ela estava com um captador Jim Rolph Pretender 58 no braço, a minha Les Paul 81 tem o mesmo captador e a Les Paul Vintage AFD está com um Rosar Mojo 13, que é baseado no Rolph, fiz uma comparação, usando o mesmo setup e solo para as 3.
Obs: O Júnior me lembrou que a Traditional estava com cordas 0.11, enquanto as outras duas com 0.10. Isso pode explicar os graves um pouco mais lentos (portanto mais perceptíveis e soltos) dela.

É interessante notar que o timbre Les Paul "genérico" está presente em todas, mas as diferenças estão nos detalhes.

Ainda estou timbrando o neck da AFD -  atualmente o Mojo 13 está com a bobina ativa virada pra ponte e o controle de tonalidade em bypass (desligado), por isso soa algo mais aberta que as outras. Mas é proposital - gosto muito do som meio humbucker, meio single na posição do braço de Les Paul. Detesto timbre gordo e/ou aveludado, com graves sobrando. Quero estalo, definição e clareza COM a densidade de humbucker (tô quase descrevendo o som de um PAF).

Para comparar bem, o ideal é ouvir normalmente uma vez, deixar o youtube carregar todo o vídeo e depois trocar rápido de uma para outra com a barra de posição.

Uma levada de base estilo Freddie King (sem shuffle aparente, mas pensando em shuffle). Vamos ouvir:




45 comentários:

  1. Olá Paulo, primeiramente parabéns por esse blog, fantástico. Acompanho a um bom tempo mas é minha primeira msg. Estou começando a aprender violão e logo espero entrar no mundo das guitas também.

    Sobre as LPs, meu ouvido destreinado indicou sua LP81 como a mais definida, o Tradicional menos definida e a AFD no meio termo. Vamos ver a opinião dos colegas.

    Para um iniciante, realmente são demos muito parecidas.

    Isso só evidencia o baita custoXbenefício da AFD. Pena eu preferir uma cor mais sóbria para as LPs, tipo a Chocolate Brown do JB ou mesmo uma Sunburst mas é questão de gosto.

    Talvez pela influência do violão, eu tb acho que som definido, claro e com puch é essencial, e percebi que os PAFs são referência em termos de humbuckers.

    Vou dar meus pitacos sempre que puder aqui. Abraço!

    Marçal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Marçal, a AFD é meio escandalosa mesmo. Eu até prefiro os tops lisos ou dourados para as LP :)
      Teu ouvido pode até estar destreinado, mas tá muito bom - a relação de definição é essa mesma :)

      Excluir
  2. Achei a diferença entre a 1º e segunda bem pequena, porem existe... a 1º o som mais suave, a segunda com o som com um pouco mais de ataque. Já a 3º a diferença e maior, até pelas modificações que vc fez, mas mesmo assim pode chegar a um timbre parecido com as 2 anteriores com uma timbragem diferente.

    Pelo seus posts no blog já notei que sua preferência e mais para aquele som mais aberto e cristalino, então acho que um P90 seria o ideal para a posição do braço, acredito que conseguiria um som com mais corpo que os single e com mais ardido que os HB. Mas como a instalação desses P90 requer modificações no corpo, e particularmente acho que não valeria a pena numa guitarra nova e que ainda tem muito a dar e ser explorada(Agora pareceu até frase de cafetão.. rs)A alternativa seria tentar um P90 em formato de HB, talvez seja a solução ideal.

    Eu sempre tive um olho gordo pra essas LP da Xavier do site da GFS, principalmente para essa daqui - goo.gl/0Qm8f

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Fernando! :)
      Concordo ipsis literis contigo! A Traditional tem um ataque feroz - tanto que o Junior colocou um captador de alto ganho na ponte e vai retirar o Rolph do braço. A vocação dela e bem Rock'n'Roll.

      Tenho várias guitarras com P90 e uma guitarra com os Mean 90 (formato humbucker) da GFS. Adoro os P90, mas definitivamente eles não têm a complexidade de um humbucker.
      P90 tem ataque, definição, clareza, mas falta aquela sensação de dois timbres ao mesmo tempo que um bom humbucker de baixo ganho dá. E viva o PAF! :)

      As Xaviere são estupidamente baratas. Eu também já fiquei horas matutando lá no site da GF...
      Putz! Tô indo pra lá agora dar uma espiada nas teles com binding! KKKK

      Excluir
  3. Que post legal Paulo, meu ouvido pode tar maluco cara mais achei bastante diferença entre as 3, o interessante que vc menciona q a LP81 e a tradicional tem o mesmo captador Rolph 58 e soam bem diferentes... não na parte inicial mais na parte final uma sai um com o som definido a outra parece embolar um pouco ja a com mojo 13 sai um som mais aberto, pode ser que ouvi errado cara, ouvi num lugar com barulho etc... a LP81 me chamou muito atenção ta com um som bem bonito cara.
    Eu tava esperando um post assim pra te pedir uma opnião... apesar de não ser fã de LP (gosto mesmo é de strato e tele) tenho q admitir q tem som q só LP faz... to fazendo um LP e to precisando de uma opnião de captador... vou fazer o que o jimmy page fez com a LPnº1 dele no q diz respeito a parte eletrica, cara os captador dela estava pensando em colocar um 59 e um HH777 da malagoli, que vc acha... adoro o som da LP do gary moore e da flyng V do albert king... aquele primeiro riff do albert king de born under a bad sign com SRV é de matar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Jorge, a Traditional tem graves mais fortes. Mas ela estava com cordas 0.11 e as outras com 0.10.
      Olha, o HH777 é um excelente captador, mas pra coisas de alto ganho. Tanto o Gary Moore quanto o Albert King usavam captadores clássicos (7 a 9k). Dá pra conseguir os timbres do Page com o HH777, mas ele vai soar agressivo em situações com menos saturação.
      O Seymour 59 definitivamente eu não acho um bom captador. É pra quem gosta de som de LP fechado e gordo. Se a capinha não é importante pra ti, recomendo o Rosar Mojo 13 no braço. O Rosar Heartbreaker é o 59 melhorado. Ou o Malagoli Custom 57.

      Excluir
    2. Paulo fui ver suas recomendações... show de bola é esse o timbre... valeuu... a hora q ficar pronta posto um video pra vc analisar como ficou a combinação... Paulo quando vc tiver mais tempos posta outras comparações de captadores... vai ser muito legal uns timbre de strato e tele sei que vc gosta do som dessas guita!

      Excluir
  4. Olá! Ha um tempo pediu para eu lembrar-te de fazer uma matéria sobre a real diferença de timbre entre braço parafusado e colado. Espero que a matéria saia logo. É uma grande dúvida!
    Obrigado!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazem 7 dias... :) Com certeza irei postar sobre isso, provavelmente depois de um post sobre pontes de strato...

      Excluir
  5. Paulo, perdoe-me por fugir do assunto do tópico, mas estou com uma dúvida cruel. Vi seus posts antigos a respeito da condor rx 20 e da sx sst62.. Estou querendo comprar uma das duas e depois ir melhorando aos poucos. Minha dúvida é: Qual delas tem o braço mais "largo" ? Vou tentar melhorar a pergunta com um exemplo: Não curto violões com o braço mais "aguitarrado", prefiro os clássicos (braço mais largo). Agora quero passar pro mundo das guitarras e, pelo meu orçamento e pesquisa, uma dessas duas atendem o que eu busco. Então, qual braço é mais "largo" ? Ficarei muito agradecido pela resposta.
    Atenciosamente,
    Vitor Jaime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Definitivamente a SX, Vítor. O braço das duas RX 20 que tenho é mais fino que o Fender. O braço das SX SST não é tão "largo" porque existe um limite técnico em relação à guitarra stratocaster, mas é grosso, bem cheio na pegada.

      Excluir
    2. Paulo, MUITO obrigado pela resposta, e rápido ainda por cima. Fecharei negócio hoje mesmo. Parabéns pelo EXCELENTE blog. Virarei visitante assíduo. Abraço!

      Excluir
    3. Não há de que... Mas vais testar a guitarra antes de comprar, não? :)

      Excluir
    4. Paulo, na minha cidade não tem SX, já fui à todas as lojas. Minha cidade é Macapá-AP, relativamente pequena e com poucas opções de escolha, sem mencionar que os instrumentos são muito caros em relação ao sudeste do país. Pra você ter uma ideia, uma condor rx 20, aqui, está custando R$700,00. No ML eu vi a mesma guitarra por R$300 e pouco. Infelizmente não poderei testar a guitarra antes... Testei essa condor e ela me agradou, por isso vim tirar as dúvidas na internet. Gostei MUITO dos seus posts a respeito das duas guitarras. Também vi vários vídeos da SX modificada e ela me pareceu uma guitarra com muito potencial.

      Excluir
    5. Entendi.
      As SX não têm um controle de qualidade muito rigoroso, então algumas vêm muito desreguladas e com trastes mal colocados. A minha preocupação maior é com os trastes - imagino que não tenha luthier aí por perto. Quanto aos braços, das 6 ou 7 SX SST que já testei, todas tinham braços gordos - pelo menos mais que as RX20.
      Te desejo boa sorte na compra, então.

      Excluir
    6. Obrigado. Tem alguns luthiers por aqui sim, mas dá pra contar nos dedos (de uma mão) os que são confiáveis e minimamente bons. Vou pedir pro vendedor falar com alguém da loja, que toque guitarra, escolher a que estiver em melhor condição. Não tem jeito, compra pela internet você precisa confiar na pessoa. Obrigado novamente.

      Excluir
  6. Tanto a Norlin quanto essa Gibson atual de série são duas porcarias. Se ainda fosse as standards do início dos anos 90... Essas sim eram boas guitarras.

    ResponderExcluir
  7. Tem muito guitarrista de apartamento, tocadores de bar, que são muito mais marrentos que nomes consagrados. Peter Townshend, Ace Frehley a até Jimmy Page usaram guitarras da era norling, mas para alguns, elas são porcarias...

    Nunca entendi também essa história dos furos para alívio de peso. A guitarra é boa, até o momento em que batemos uma radiografia (!!) e descobrimos furos internos.

    É tipo a hype em torno das Les Pauls 59', resultado muito mais do desejo dos "colecionadores", que de qualquer outra coisa. Curioso que os dois principais nomes que tiraram a Les Paul burst do limbo (fracasso total de vendas), Mike Bloomfield e Eric Clapton, abandonaram o modelo tempos depois. Clapton diz que quase nunca toca outra coisa além de stratos, e Bloomfield tbm já havia migrado para as Stratos e outros modelos de semi acústica.

    ResponderExcluir
  8. comparar com a captação da ponte não seria interessante, paulo?

    acredito que as diferenças de saída dos caps poderia ficar mais evidente, mas enfim, acho um desafio acertar a captação da ponte, e divido a mesma opinião no que concerne ao timbre do braço, a respeito dele não ter muitos graves e ser mais definido.


    tenho uma fender telecaster richie kotzen e já estou indo para o quarto captador da ponte. começando pelo chopper T o considerei muito 'magro' quando comparado com o twang king (que é o captador mais lindo que já pude tocar e ouvir numa tele), e arrisquei - amadoramente - num seymour duncan hot rails, que 99% das vezes toquei splitado para que o som não ficasse abafado por demais. ainda decidido em deixar o som da ponte um pouco mais cheio e menos brilhante (swamp ash + mapple no braço = brilho), instalei o diMarzio Tone Zone T, que continha menos médios que o hot rails, porém, um pouco mais de graves e agudos. Resultado: utilizo também quase que 100% do tempo splitado, pois soa mais bonito e harmonicamente equilibrado aos meus ouvidos.

    Bom, depois de tentar dois mini humbuckers e usá-los splitados, me parece que estou mais atrás de um som de single do que um som de MB. Agora estou aguardando a chegada do quarter-pound, que possui uma relação mais 'scooped' (7-5-7) e creio que irá talvez me satisfazer a respeito das minhas insatisfações iniciais com o chopper T, que por sinal, já estou em vias de colocá-lo novamente, para reanalisar meus parâmetros timbrísticos.

    O triste é que só fui me dar conta - e claro, aprender - a respeito de saída de captadores, materiais, e influência que estes exercem no timbre, somente DEPOIS de já ter comprado e instalado o Hot Rails e agora, o Tone Zone. De fato, o tone zone se mostrou bem superior que o hot rails, mas dentre os três, creio que o som que melhor 'casou' com a guitarra AINDA É o do chopper T. O richie kotzen realmente deve ter dado trabalho ao Larry para encontrar o captador da sua guitarra. Como toco essencialmente rock, e quero que a guitarra tenha som de telecaster, acredito que o quarter pound vai me cair como uma luva - primeiro, por ser alnico V, segundo, por conta da sua saída, que pode ser 8, ou 15k, que logicamente, utilizarei em 8k, além do fato da sua relação de EQ cobrir perfeitamente os detalhes que o chopper não consideraria.

    Enfim, agora é aguardar pra testar. E falando no assunto, já que você é de floripa, Paulo, gostaria de deixar a minha telecaster richie kotzen para você tocar, testar, enfim, conhecê-la, caso ainda não tenha tido a oportunidade de tocar esse estrondoso instrumento. Se quiser, até te levo o chopper T pra você trocar pelo tone zone e deixá-la original, para então poder tocar e avaliar... o que acha?

    Seria interessante ouvir um feedback de alguém que já tem mais de 30 guitarras em sua coleção pessoal...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, li esse e os teus outros comentários. Obrigado pela participação (e ajuda ao Brum :) ).
      A Tele RK é uma guitarra fantástica e a tua história com o captador da ponte eu praticamente vivi numa sequência similar. Toquei anos com um HotRails e cheguei a testar um DiMarzio dual blade (só não me lembro qual). O Quarter Pound tenho até hoje e utilizei-o durante alguns anos (na época que tbém não sacava a parte técnica) na Tele 74 - com certeza não é um dos meus caps favoritos, mas espero que gostes dele:)

      Pois bem, nos últimos 4 ou 5 anos tenho tentado, pelo menos nas Teles, Stratos e Pauls, configurações o mais vintage e "natural" possíveis - e não vejo nenhuma possibilidade no horizonte de voltar a usar caps de alto ganho. Criei alergia a dual blades - independente do ganho - e os utilizo muito pouco.

      Depois me conte como ficou a RK com o Quarter Pound, ok?

      Excluir
    2. tenho a leve sensação de que estou indo atrás de cada vez menos saída, também, mas enfim, darei uma chance ao quarter pound, e se não der muito certo, vou atrás de algo com menos 8k.

      Já tocou em cap de tele com alnico II, paulo? se sim, o que achou?


      a conclusão é que no final das contas um cap com baixa saída acaba te dando um timbre muito mais orgânico e repleto das nuances que o instrumento em particular (modelo, madeira, ferragens) pode lhe oferecer..

      abraço e boa semana!

      Excluir
    3. Tenho o Fender CS Nocaster com alnico III. O AII é incomum nesses caps. Nitidamente há uma diferença de personalidade entre uma tele dos anos 50, com AIII e escala de maple e dos 60, com AV e escala de rosewood. O alnico 3 tem menos punch e agudos, soando algo macio. Mas quando uma telecaster é bem equilibrada, o alnico 5 é o que soa melhor.

      Excluir
  9. é esta aqui..

    http://www.fender.com/series/artist/richie-kotzen-telecaster/

    a minha é japonesa, tendo em vista que esta versão só começa a ser vendida a partir desse ano ;)

    ResponderExcluir
  10. Recentemente descobri q para meu gosto pessoal tem q ser uma les paul , depois de pesquisar bastante. Perguntei a um luthier bom e ele me disse : SE vc conseguir uma les paul em mogno e ponte fixa conseguirá o peso q quer, mas esse peso vem da aparelhagem e todas elas poderiam fazer isso , mas se fosse tentar um blues pra esquecer ibanez , jackson e umas outras q n lembro.Entao agora entrei nessa questão e pesquiso uma les paul.. estava mais direcionado a epiphone standart top pro, vi um video e la esta o som q quero.É essa guitarra exato. Mas então no caso de n ser uma epiphone a vintage v100 é uma boa entao ? e sobre o vídeo q eu vi ,tenho a duvida ainda sobre esse preconceito das guitarras fabricadas na china. O video q eu vi n diz de onde é, entao se eu comprar tanto faz? É a mesma guitarra com qualidades iguais?O que justifica o preço alto de um gibson americana por ex ?Tenho uma ibanez gio e me senti muito melhor com uma les paul.Sou iniciante entao desculpa alguma coisa ou estar no topico errado..mas queira umas dicas..Aprentemente a vintage v 100 q vi aqui pode ser um alterntiva boa menos cara mas queira fosse algo aproxima com oq vi no video..se n houver problema posso postar ele aqui..
    https://www.youtube.com/watch?v=vP8lAOBRZQA
    Se o timbre for quase a mesma coisa de repente eu posso considerar essa vintage v 100, e por falar nisso.. Onde sao fabricadas essa vintage v 100? Um cara falou muito bem dela ..Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tantos as Les Paul Vintage quanto as Epiphones são fabricadas na China e arredores. Procure s post da minha Vintage AFD aqui para maiores detalhes.
      A única coisa certa dessas Les Pauls chinesas é que variam muito de qualidade, mesmo guitarras do mesmo lote. Tem que testar e comparar antes de comprar, senão corres o risco de levar gato por lebre.

      Excluir
    2. Pois é cara eu pesquisei durante muito tempo e chegui a na conclusão que n tem jeito mesmo. Se quiser revender no futuro tem q se a epi, a que quero e plus top pro , com timbre bem melhor q standart normal , e aí tu vê: essa afd tb é china, e as walzack q pode mandar fazer em mogno , sai quase 3000, preço q se compra uma gibson studio usada.Ou a altenativa é procurar epi koreana no mc , mas n estou bem certo se sao melhores e usada assim tenho o pé atrás. Até queria saber se vale a pena epiphone standart usada da koreia tem bastante no mc..abrç

      Excluir
    3. Kako, a palavra correta é "Standard". Não existe "standart". As Epis coreanas têm a fama de serem melhores que as chinesas, mas não posso te confirmar isso.

      Excluir
    4. Cara, o detalhe no D e no T eu concerto qdo fizer o pedido ,até pq já está o nome pronto, a dúvida mesmo era acertar na decisão que é o mais importante.Valeu pelo esclarecimento .Mas a essa altura já sei o que fazer. Abrç

      Excluir
  11. Paulo, foi graças a este post que adquiri o set Mojo. Tenho uma uma Classic 95, e ela vem com a dupla de pups cerâmicos. Nem preciso dizer o quanto de ganho eles tem. Estava na busca por um set mais comportado e estava quase fechado com um par de Seth Lovers. Fui salvo pelo gongo. O seu post e as dicas do Junior foram vitais.
    O braço sinda está meio gorfo, com graves sobrando. Mas o Junior me deu a dica de fazer a 50's wiring e colocsr pots de 500k. Esse é o próximo passo. Vlw pelo post.

    Sobre a gravação, achei a primeira mais definida, ligeiramente mais clara, cristalina. A segunda com um tico a mais de grave e a terceira na mesma onda da primeira mas com um pouco mais de ataque.

    Isso foi o que o meu ouvido ainda em tempos de aprendizado conseguiu perceber.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E se o som do braço ainda estiver meio gordo depois disso, podes rodar o mojo do braço em 180 graus, aproximando a bobina ativa da ponte - às vezes funciona e foi o que eu fiz na minha AFD.

      Excluir
    2. Realmente achei a AFD bem clara, sem nada daquele som gordo. Vou fazer todas essas dicas. Mas e a ponte? Com essas alterações não pode ficar muito aguda? Ou a troca dos pots e a ligação 50's é somente para o braço? Me desculpe se falei muita besteira.

      Excluir
    3. Rafael, vc estava acostumado com 500T e pots de 300K vai estranhar e achar qualquer PAF-like agudo na ponte com pots de 500k. Eu mesmo estranhei quando experimentei a primeira vez rsrs. Com o Mojo de ponte tunamos para limar um pouco essas frequencias agudas e ele soar mais gordinho mas mesmo assim comparado ao seu antigo 500T o impacto vai ser grande. Se vc preferir, pode deixar os pots de 300k e a ligação como esta na ponte (o Paulo fez isso na sua LesPaul 81) e mudra tudo pra 500K somente no de braço. Questão de experimentar e gostar ou não! Eu mesmo prefiro tudo com 500K! :-)

      Excluir
  12. Vlw Junior. Vou testar primeiro no braço. O timbre da ponte eu gostei muito. Vou trabalhar com o braço primeiro. E a Fender? Tá pronta já? Estou gostando muito do P90. Nunca havia tocado com eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que vc gostou do P90 Rafael. A Fender vai passer por uma reforma mas está tudo ok com ela! :-)

      Excluir
    2. Junior/Paulo, poderiam me dizer se esse tema é autoral ou de outro artista? Se for de outra pessoa, poderiam me dizer quem? Abraços

      Excluir
    3. A levada é a mesma de "Woke Up This Morning" do Freddie King. As primeiras 6 notas dos solos são da frase original - o resto eu improvisei.
      Também toquei a guitarra base (é a Les Paul 81). O baixo, piano e bateria são de um arquivo ,mid ou talvez gerados no software Band in a Box, não lembro direito.

      Excluir
  13. Que pegada bacana da base. Puta timbre Paulo. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra coisa Paulo. Você teria essa backing track sem o solo? Alguma possibilidade de compartilhar?

      Sbd

      Excluir
    2. Posso sim. Tô tentando localizar - troquei de computador em maio e achei que esses arquivos tinham sido transferidos.
      Assim que achar eu te passo o link.

      Excluir
    3. Rafael, achei a trilha - ainda queres?

      Excluir
  14. Olá Paulo!!
    Como vai??
    Espero que tudo bem!!!
    Bom,o blog é sensacional,sem mais!!
    Eu acompanho bastante e gosto muito das análises!!
    Bom,sendo bem direto
    Tenho um grande amigo que está interessado em vender sua Gibson Les Paul.
    A Gibson que ele tem é uma GIBSON LES PAUL DOUBLE CUTAWAY SPIRIT XPL.
    É uma double cutaway com headstock de Explorer.
    Queria saber se você conhece sobre este modelo,as características e tudo o mais.
    Pesquisei aqui e há poucas informações sobre esse modelo.
    Se puder me passar algum link ou matérias sobre esse modelo,lhe agradeço!!
    Um abração!!!
    Evandro Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evandro, as Spirit foram mais uma das várias tentativas - que não deram certo - da Gibson de competir no mercado de guitarra dos anos 80. Atualmente, as Spirit com ponte Kahler da época e headstock tipo explorer são até colecionáveis, mas te confesso que não as acho bonitas.
      Se o preço tá legal, é uma boa guitarra, com qualidade Gibson.

      Excluir
    2. Bacana Paulo!!
      Te confesso que também não as acho assim tão bonitas não....rsrsrs.
      Enfim...
      Esse meu amigo está de mudança para Porto Alegre,comentei do seu blog com ele,e que,como ele está a fim de vender,de repente você tivesse interesse,dado a sua coleção.
      Muito obrigado pelo seu trabalho no blog e pelo sua imensa generosidade em compartilhar conhecimento.
      Um forte abraço!!
      Evandro Oliveira

      Excluir
    3. Nessa Gibson especificamente não tenho interesse, Evandro.
      Compraria somente se fosse uma pechincha irrecusável, mas no Brasil, sendo Gibson e independente do modelo, acho difícil :)

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".