sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Guitarra LPG-Kaiser (ou, a Saga da Roland G707..hehehe)

Paulo May


(obs: antes de fazer perguntas e ou postar comentários, leia aqui: CLIQUE)


Veja esse post antes: CLIQUE.

          A ponte e o braço da finada Roland G-707 pareciam ter encontrado o seu destino final, mas alguma coisa ainda estava errada... Talvez porque na verdade eu não goste muito de misturar padrões estéticos clássicos com modernos. É uma questão puramente visual, já que modificações ergonômicas e funcionais eu acho legal.
...Então, eu tive a G-707 nos anos 80 (1985) e como já falei, detestava aquele corpo estranho e absolutamente incômodo. Sempre gostei do visual "moderno retrô" dos anos 50/60 e também sempre achei o visual os anos 80 muito bizarro, pra dizer o mínimo... :). Como unir 50/60 e 80 num conceito? Complicado...

        Mas há uns dois meses fiz um desenho bem rudimentar num papel. No outro dia olhei e me pareceu interessante... Dei uma ajeitada no photoshop e enviei para o Kaiser... Discutimos alguns detalhes de viabilidade como local do jack, chanfro superior, tróculo... Daí ele passou para 3D, programou a CNC e em menos de 10 dias eu estava com o corpo em casa... Novamente, a eficiência e agilidade do alemão lá de Nova Petrópolis foram de cair o queixo! :)
Na foto abaixo, um resumo das duas semanas, da ideia até o corpo entregue:

Por incrível que pareça, a forma que mais me inspirou foi a daquela cadeira de balanço...:)

Mais uma semana e a guitarra tava pronta:


  O mais legal é que não precisei ajustar nada. Tudo se encaixou perfeitamente, desde a simetria do braço/captadores/ponte até o ângulo do braço - e olha que esse tipo de problema acontece até em montagem de peças originais da Fender, por exemplo.
Muito, muito legal!! O corpo está com o peso muito bem distribuído (equilíbrio/balanço horizontal), e leve: peso total de 3,4kg (corpo de mogno sólido!)


         Dá pra ver que o braço era todo preto e eu retirei a tinta... Tá muito irregular, mas isso foi bem no começo das minhas aventuras com guitarra, hehehe. Preferi deixar assim e como essa guitarra "deveria" ter 33 anos, fiz um leve relic (mais desgastes que machucados) no acabamento. O fato é que eu adoro a pegada desse braço - sempre foi extremamente confortável.

          O interessante é que, por um lapso de comunicação, acabamos fazendo cavidades de humbucker (a minha ideia era colocar Filtertrons Gretsch), mas, de vez em quando a sorte vem dobrada e esse é um caso - o timbre dessa guitarra com humbuckers tá o bicho. Lindo de morrer.


         O captador da ponte é um T-Top Gibson de 1981 rebobinado pelo Sérgio Rosar com as especificações do Rolph e o do braço é um Rosar Mojo. Pots de 500k - um de volume ou outro de corte de graves (bass roll off/high pass filter). Esse sistema de corte de graves é muito legal e não entendo por que não o utilizei antes - tinha o esquema guardado há pelo menos 3 anos.
Dessa vez, devido à minha história com mogno brasileiro (quase sempre gera um timbre fechado, gordo, meio sem graça - parece praga), eu já armei essa elétrica antes. E olha que a sorte com esse mogno foi grande - os graves dele já soam bem legais, sem muito excesso.
Sem corte de agudos (função clássica do pot de tonalidade) e com corte de graves... Esse deveria ser o padrão em boa parte das guitarras com humbuckers.
O corte de graves, na configuração que utilizei, com resistor de 1 mega + capacitor de 4,7 uF (o potenciômetro deveria ser de 1 mega, mas o que eu tenho tem haste muito curta) pega apenas os graves mais baixos, aqueles que a gente quase não houve mas os sente embolando o timbre. Como eu nunca havia utilizado o sistema, optei por um corte bem sutil. Mas ficou bem musical e mais perceptível no captador do braço. Ainda preciso aprender um pouco mais sobre isso - há uma fórmula para calcular a combinação capacitor/resistor/ponto de corte.
Vou testar amanhã com um corte um pouco mais alto (79 Hz), trocando o capacitor para 2,2 uF.
Enquanto escrevo isso, tô pensando em pelo menos umas 5 guitarras aqui que precisam urgente dessa mod :)

Mas esse esquema merece um post à parte. Nas próximas semanas o Alex prometeu que vem aqui pra gente gravar várias demos e vou incluir as duas LPs e essa LPG-Kaiser. Daí a gente mostra o corte de graves em ação e eu posto as ilustrações da mod - não é complicado, mas precisa ter alguma experiência com solda :)

Bem, é isso aí - a guitarra na minha opinião ficou linda (obviamente há gosto pra tudo e respeito quem achá-la feia, hehehe), tá com um timbre maravilhoso, é ergonômica (dá pra tocar sentado e no sofá numa boa) e resolveu o dilema do braço e ponte órfãos da G707.
Como é um protótipo, acho que precisamos mudar a posição do jack de saída (inicialmente era no final da curvatura posterior e talvez esse seja realmente o melhor local) e fazer um chanfro/rebaixamento extra no início do tróculo, pra deixar o acesso (já excelente) às casas mais altas 100%. Também imagino que o headstock ficaria mais harmônico esteticamente se fosse curvado para baixo... Mas antes ainda preciso decidir onde colocar os pinos da correia... :)

Lembrando, antes que perguntem: tróculo e escala estão no padrão Fender, ou seja, qualquer braço Fender cabe aí (atenção porque o de tele tem final reto e o de strato é curvado). Obviamente o Kaiser pode adaptar o projeto para um padrão Gibson, com escala mais curta (e até braço angulado e colado, se for o caso), mas a escala mais longa geralmente dá mais estalo e médios pela tensão extra - é a minha preferida :)

PS1: Estamos aceitando sugestões de nomes para esse modelo de corpo. Não vale "Fishtail" e nem "Shark", kkkk! Como o nome da minha banda (e da minha cidade natal) nos anos 80 era "Tubarão" (TB para os íntimos), por enquanto eu a tenho chamado de "TB-1" :)

PS2: Alguns dias depois de iniciarmos o projeto, procurando pelas palavras "Fishtail + Car" pra ver as cores dos carros, me deparei com essa guitarra na internet:

Essa é de fato uma "Fishtail" e o(s) cara(s) que fez isso realmente caprichou, bah... Eu não me lembro de tê-la visto ANTES do meu esboço mas, coincidências à parte, o importante é que a nossa guitarra ficou legal também :)



22 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô Tom! Tu fazes um comentário legal daqueles e apagas! Bah! :)

      Excluir
  2. Paulo, lembro de quando vi o post da Roland achei muito estranha a 'Tele' e foi bom ver que você acabou achando isso também. Nem escrevi porque achei que não seria bom falar mal de uma coisa que você havia dito que gostara.
    Quando vi essa sua guitarra nova pensei que sempre que temos uma coisa na cabeça ou ideia nova, alguém no mundo já pode ter pensado a mesma coisa.
    Há uns dois ou três meses eu estava assistindo um filme da séria Jornada nas Estrelas e reparei no Pin que eles usam no uniforme e me veio na cabeça que aquilo parecia uma Flying V.
    Coloquei num papel alguns desenhos e formei uma guitarra alusiva ao filme e o símbolo desse Pin Badge, e agora descobri que parece muito com o que você fez.
    Procure no Google 'Star Trek Pin Badge', como eu fiz, e veja o que estou falando.
    Não quero dar uma sugestão de nome mas creio que esteja com algo bem bacana, se gosta dessa série, pra pensar a respeito.
    Um dia ainda vou fazer esse meu modelo, quando minha CNC estiver funcionando.
    abraços e parabéns pela nova guitarra.
    Vamos esperar essas gravações.
    Feliz 2018 com muitos novos projetos.
    Roberto Alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK! :)
      Falas de um pin igual à esse: http://4.bp.blogspot.com/-BqZcRRGwJAE/TyIxC2CsexI/AAAAAAAAAzQ/MqFWwRNtCFw/s1600/Tagima2012-+%2811b%29.jpg ?
      Eu tenho 5 Star Trek pins aqui em casa. Provavelmente esse padrão já estava na minha cabeça, Roberto. Eu sou um trekkie desde os 10 anos!
      Grande abraço!

      http://guitarra99.blogspot.com.br/2012/01/as-ressucitadas.html

      Excluir
  3. Fala Paulo,
    Legal a ideia da originalidade dessa guitarra.
    O mais próximo já existente que lembrei aqui foi a Jackson Randy Rhoads JS32 mas a sua tem contornos diferentes e bem mais suaves. Além das demais diferenças nas especificações.
    Que bom que a guitarra ficou leve e os captadores seguiram uma linha vintage que sempre ajuda.
    Me impressiona muito a agilidade entre o tempo de recebimento dos projetos e a entrega do instrumento/partes finalizadas por parte do Kaiser.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Kaiser é realmente rápido, Marçal. Se bem que minhas guitarras são enviadas sem acabamento - e isso também rouba um bocado de tempo :)

      Excluir
  4. Mais uma ótima ideia colocada em prática... :-) Sem contar essa mod de filtro de graves, não conhecia e me interessa muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando vens aqui? Quero ouvir aquela strato vermelha! :)

      Esse filtro é MUITO legal, Jean. Pena que só usei agora. Tira toda aquela coisa embolada de alguns captadores de braço...

      Excluir
  5. Fala, Paulo.
    Cara... que guitarra!

    Lembrei desse modelo da Eastwood:
    https://www.eastwoodguitars.com/collections/backlund/products/backlund-model-100

    Essa vale tocar uns bons Surf Music.

    abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais essa aqui, Arthur:
      https://www.eastwoodguitars.com/collections/backlund/products/backlund-400
      Adoro essas guitarras Backlund. Quase fiz um acabamento azul e creme pra ficar bem anos 50/60. Se tivesse algum enfeite de metal "futurista retrô" pra colocar nela, faria isso com certeza. :)

      Excluir
    2. Sensacional!
      Não tinha visto essa Backlund 400.
      Daqui a pouco tu vais vir com um post sobre guitarras italianas... :)

      abração!

      Excluir
  6. Não consigo me ver com uma dessa, mas não dá pra negar que tem um charme, ficou bem naquela onda de guitarras futuristas dos anos 60, como a Flying V.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era essa a ideia, Henrique :)
      E realmente, é um design que não "cabe" em todo mundo, KKK!

      Excluir
  7. Sem pino de correia? E agora? Vai colocar aonde?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :)
      Já coloquei. Atrás, no meio da curva e na frente, no meio dos 4 parafusos de fixação do braço.

      Excluir
  8. Sempre um prazer vir aqui atrás de novos posts e comentários, mas essa guitarra já é uma coisa à parte! Parabéns pela criatividade, capricho e obsessão (no bom sentido da palavra)!
    Tenho a impressão que no rascunho do Photoshop o tamanho do corpo parece um pouco maior em relação ao braço, ou a ponte parece mais distante da curva final da guitarra. Estou viajando?
    E como você pediu sugestões de nomes, lembrei de um peixe que se chama Acará-bandeira, rsrsrs...
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. como o rpimeiro desenho tava ridículo de simples, o esboço no PS foi só pra ajudar na visualização, GF. Acredito que o Kaiser diminuiu um pouco o corpo por causa do bloco de mogno disponível. Mas ficou muito legal - simetrias, posição da ponte x escala, etc. Tudo tecnicamente perfeito :)

      Excluir
  9. Ficou muito bacana! Parabéns pela criatividade. Acompanho sempre o blog. Tenho uma pequena coleção de guitarras (duas strato, duas les paul, uma tele, uma jaguar, 1 gretsch 12 cordas e 1 gretsch 5422) e nesse momento estou montando minha primeira em casa (uma SG). Sempre venho dar uma olhada, pegar umas dicas por aqui. Vida longa ao blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Helder :)
      Estás "montando" uma SG? Tu que vais colar o braço? :)

      Excluir
  10. A comunidade guitarrística clama por vídeos do corte de graves e das 2 Les Paul feitas na Kaiser!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente gravaremos na próxima semana, Alexandre. Tem que fazer no capricho pra valer a pena, por isso demora um pouco... :)

      Excluir
    2. Claro, Paulo! Tenho certeza que vai ficar show de bola, como sempre aqui no blog.
      No mais, quando der um tempo, faz um update no post da Les Paul Kaiser.. queremos saber como ficou no final esse projeto bacaníssimo!

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".