domingo, 26 de maio de 2013

Les Paul Gibson R9 - Em Busca do Cálice Sagrado (Parte 1)

Paulo May        



         Para o primeiro post desse blog, em abril de 2010, decidi falar não sobre a Telecaster, minha paixão, mas sobre a lenda da Les Paul 1959, considerada a "Stradivarius" das guitarras, o "Cálice Sagrado".
Uma 59 burst original não custa menos do que 250.000 dólares e pelo menos uma já foi vendida por um milhão de dólares.

Li (quase) tudo a respeito dessa guitarra e sua lenda e concordo com o consenso geral de que suas características únicas foram fruto de uma coincidência de fatores aleatórios que provavelmente jamais se repetirão. Madeiras, captadores PAF, construção... Aparentemente essa fórmula não pode ser repetida.
Mas a própria Gibson, ciente do absurdo valor de mercado de tal instrumento, vem tentando desde pelo menos 1969 (e mais seriamente após 1986), reproduzi-lo. Não é uma tarefa fácil... A Custom Shop Gibson foi criada para essa missão e agrega vários dos melhores luthiers dos EUA em pesquisa e produção constantes.
Tecnicamente, sabemos que nem todas as burst de 58,59 e 60, os 3 únicos anos em que foram produzidas, soam bem. Algumas são até ruins (leia aqui).
O mesmo acontece com as cópias feitas pela Custom Shop da Gibson, as famosas "R" (Reissue). Uma "Gibson Les Paul Custom Shop R9" é uma cópia de altíssimo nível, feita à imagem e semelhança de uma original de 1959. Todos os fanáticos por Les Paul Reissue sabem que apenas uma pequena porcentagem delas tem a "mágica" da original.

Dito isso, se alguém (leia eu... :) ) desejar adquirir uma R9, deve necessariamente testar o maior número possível para encontrar a melhor delas. A mais ressonante, com timbre mais complexo e equilibrado, sustain, etc. Acho uma loucura gastar de 5 a 7 mil dólares (sem contar os impostos) numa guitarra sem testá-la antes. Testar e comparar as R9 não parece tão complicado, desde que se tenha a grana: é só ir até os EUA, pois é lá (e no Japão) que encontramos as melhores Custom Shop.

Mas eu tenho um sério problema com aviões. Pânico é pouco pra descrever o que sinto só de pensar em entrar num bicho desses.
Assim, minha tão desejada R9 estava há tempos num plano apenas utópico até eu conhecer um cara que tem praticamente o mesmo gosto timbrístico que eu: o meu grande amigo Oscar Isaka Jr., de Curitiba, pertinho de Floripa. Ele já veio aqui em casa várias vezes, tocou minhas guitarras, conhece muito bem o timbre da minha Les Paul 81 e da Telecaster 68 e tem uma noção exata do tipo de som que procuro numa Les Paul.
Em janeiro desse ano ele me ligou e disse: "Vou para os EUA em abril"... Putz! Imediatamente comecei a maquinar um plano pra conseguir uma R9 no mínimo, muito boa. E o Oscar teria a missão de encontrar e comprar essa guitarra :). Responsa total pra ele! :)

Missão (quase) impossível do Jr. : encontrar uma R9 "do cara***" nos EUA...

Depois de tocar em pelo menos 20 Reissues, minha R9 2013 já foi escolhida e comprada pelo Jr.. Ainda não chegou (está vindo com um outro amigo), mas consegui fazer isso sem entrar num avião! KKKK!

Essa aventura do Oscar Jr. nos EUA à procura da minha R9 e os fatos guitarrísticos mais interessantes serão postados à partir de hoje, sequencialmente. Espero que divirtam-se! :)


Com a palavra, OSCAR ISAKA JR. :

         Todos nós sabemos que nuncas duas guitarras soam da mesma maneira, não interessa quão similar sejam em sua construção. O fator orgânico das madeiras cria uma identidade de DNA às guitarras quase como acontece nos humanos e faz com que cada instrumento seja único. E quando falamos de Les Paul, a coisa fica ainda mais complicada.
A grande variação do mogno e do maple, associada às pequenas e milimétricas diferenças de construção de uma pra outra fazem da Les Paul um bicho complicado, cheio de nuances e a compra de um exemplar sem a devida audição do mesmo torna-se quase impossível.

Pois quando contei pro Paulo que iria aos EUA de férias recebi prontamente a missão de achar "A LES PAUL" pra ele. Pensei comigo: "FU***! Como vou fazer isso? E se eu comprar uma que o cara não gosta ou que não é BEM aquilo?"
Os malucos da revista ToneQuest Report  falam o tempo todo de R9s soando mortas e sem a  magia da Les Paul, ao mesmo tempo que acham verdadeiras jóias nas Reissues... Eles estabeleceram estatisticamente que de cada 10 Reissues em média, uma é mágica, oito são normais e uma ruim (avaliações feitas em 2008, quando do lançamento das VOS). Com certeza todas são boas mas como diz o Paulo: " POOTZZ! E o medo de gastar os 6 mil dólares numa "normal" ???

Continua...



18 comentários:

  1. Putz cara quem não quer uma guitarra dessas não e so você e todo mundo um dia também quero a tão desejada gibson r9 mas depois de testar algumas e escolher a melhor e claro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza. só um louco deixaria passar uma R9 :)

      Excluir
  2. Nossa, vai ser uma série de posts muito legais de acompanhar, sem contar o que está por vir: fotos, demos do "brinquedo", e muita informação importante.

    E parabéns, realmente é muito dinheiro desembolsado por uma única guitarra mas todo sonho conquistado merece seu reconhecimento.

    Tb acho que será ela que vai fazer você atingir outro objetivo: se livrar do excesso de guitas que tem aí.

    Você sabe que depois da R9, muitas que estão aí só farão sentido pelo lado sentimental ou de boas lembranças, talvez.

    Até e boa sorte.

    Marçal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marçal, por experiência própria o timbre de uma boa Reissue não faz vc desgostar de TODAS as outras guitarras, mas pra mim redefiniu o som classico da LesPaul. Aquilo que eu sempre lia por aí, de repente saindo do amp. :-) Calma, vou compartilhar isso aqui. :-)

      Excluir
  3. Putz!!! Vai ter que rolar muitos videos ou gravações com ela, hein?! hahahahha parabéns pela aquisição, realmente sensacional! Ficamos no aguardo dos posts relacionados a ela!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próximo post está recheado de videos e coisas bacanas Andre! :-)

      Excluir
  4. Putz... isso ta melhor que as novelas da globo XD

    Show de bola, o Blog e toda essa sua experiência que você passa pra gente... PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  5. Meu pensamento deve ser parecido como seu Paulo,não vou ter uma Gibson se não for pra ser A Gibson,que esteja próxima dos som de Les Paul que deve ecoar na minha cabeça a anos.
    Atualmente tenho 2 LP Epihones que estão a uma distancia enorme do som de uma verdadeira Les Paul.Fiz alguns up grades nelas para ter um som melhor e alguns simplesmente motivados pelo apelo estético que no fundo a gente quer ter.
    Já me foi sugerido que ficasse apenas com uma LP comprando uma Tribute 50 com HB.Mas que pra mim andaria só 10 passos em direção ao som de LP,estou enganado ou ter uma tribute 50 seria uma boa compra.Considerando que pra mim ela só tem o nome Gibson e é um tanto feia.Estou enganado ou alguem mais acha essas Gibson boas Les Paul !?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não... Andarias NO MÁXIMO 10 passos, realmente :)
      Ainda bem que tens a perspectiva correta da relação Epiphone/Gibson CS... Tem gente que acha que é quase a mesma coisa :)
      O Jr. conhece bem as Tribute 50 - logo logo ele responde.

      Excluir
    2. Concordo com o Paulo, a Studio Tribute é uma BOA guitarra, mas ela não encerra seu caminho por uma boa LesPaul a começar pelo fato de ser Chambered(Câmaras). Isso altera a resposta da guitarra sinificativamente e embora ainda seja uma boa guitarra não é uma LesPaul clássica. Se o som que vc diz que ecoa na sua cabeça a anos é parecido com o que nós temos (som clássico, Eric Clapton, Bonamassa, Jimmy Page, etc) na nossa cabeça, então a Tribute com humbuckers não suprirá 100% isso. :-)

      Excluir
    3. É exatamente esse som que tenho em mente como sendo Les Paul,Page,Clapton.
      Mas planejo uma busca a uma R9 ou fazer uma com o Ivan Freitas que faz ótimas Les Pauls de qualidade incontestável.

      Excluir
    4. Amigo, no seu lugar eu tomaria cuidado.

      Até onde pesquisei o luthier citado faz quase todas suas guitarras com câmaras, o que talvez não mude muito em relação a Tribute que você questionou.

      E pelas pesquisas, ele próprio faz guitarras apenas para amigos, normalmente os famosos, para o resto da demanda ele tem uma equipe que mescla luthiers com boa experiência até iniciantes.

      Se optar por fazer com luthier, conheça o trabalho de outros bons e experientes mas que trabalham sozinhos, acho que vale a pena.

      Marçal.

      Excluir
    5. Preciso concordar com o Marçal nessa. O Ivan é realmente um excelente Luthier e a qualidade dos instrumentos dele é sim incontestável, mas quando falamos de sonoridade de LesPaul, é muito difícil chegar na Gibson. Nessa viajem tive a oportunidade de testar guitarras muito boas como as Collings, as Nikk Huber entre outras e embora todas sejam excelentes guitarras não tem o som de uma LesPaul Gibson...

      Excluir
  6. Pensei no Ivan por já conhecer ele a anos,sempre regulou minhas guitarras.
    Acredito que as camaras é uma questão de projeto,tanto que ele faz um rebaixo no encaixe do braço que eu não quero,por não ver necessidade.
    Mais alguem indica algum luthier que faça Les Paul boas.
    Nuca vi pessoalmente mas essa LP me parece muito boa.
    Digam o que vocês acham.

    https://www.facebook.com/dunamizshopguitars

    ResponderExcluir
  7. Amigos, desculpem, mas o post "Em Busca do Cálice Sagrado (Parte 2)" existe? Ou é o post que fala da compra da R9 nos USA? rsrs
    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que fala da SG 61, Strato 69 e etc Alexandre. Logo abaixo da part 1

      Excluir
    2. Achei rsrs É que eu estava "navegando" pela pesquisa do blog...
      Vlw Oscar!
      Abs!!

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".