domingo, 2 de novembro de 2014

Crônicas VINTAGE: Tiago Castro

Paulo May



           Já é fato notório que eu e o Oscar somos fissurados por equipamento vintage e volta e meia abordamos isso aqui. Então resolvemos criar uma seção especial - com logo próprio - denominada "Crônicas Vintage".
A palavra "Vintage", provavelmente de origem inglesa, inicialmente relacionava-se à data de uma (boa) safra de vinho, mas hoje em dia traduz quase tudo que é "antigo e de qualidade" (oxford dictionary: "Denoting something from the past of high quality, especially something representing the best of its kind"). No nosso meio, qualquer equipamento antigo de qualidade pode ter o status de vintage. Dito isso, concluímos que tudo que é vintage é antigo, mas nem tudo que é antigo é vintage...

         Essa primeira crônica vintage acabou nascendo meio por acaso: há uns dois meses recebi algumas fotos do meu amigo e luthier Adriano Ramos (RDC Guitars), de BH, com equipamentos vintage de um cara chamado Tiago Castro. Numa das fotos, o Adriano segura uma stratocaster Fender original de 1956:

Adriano Ramos e a strato de 1956.

"E isso é só uma pequena parte" - me contou o Adriano - "O Tiago tem um monte de equipamento vintage: amps, pedais, guitarras, etc." Com o Adriano fazendo o meio de campo, consegui um contato pessoal com o Tiago Castro e à medida que ele ia me descrevendo o que tinha e sua história pessoal, sugeri uma entrevista... "Isso é o tipo de coisa que os leitores do blog adorariam saber" - comentei com o Tiago. :)

Como raramente erro na minha primeira impressão, o Tiago confirmou ser uma pessoa excepcional. Inteligente, gentil, educado, prestativo... Enfim, um cara que qualquer um de nós gostaria de ter como amigo. 

Assim como nós, o Tiago é um guitarrista (e atualmente também produtor e dono de estúdio) apaixonado por equipos vintage e foi essa uma das razões que o levou aos EUA em 1999, numa viagem que acabou durando dez anos e uma cidadania americana... :). Durante esse período, ele trabalhou na sessão vintage da Guitar Center de Hollywood/LA, mais conhecida como "Hollywood Vintage"



Abaixo, uma foto do Tiago na época que trabalhava na Hollywood Vintage:

Tiago Castro

Claro, um cara louco por vintage trabalhando na seção vintage da Guitar Center... Não podia dar outra: sua coleção pessoal começou a crescer exponencialmente:

Guitarras

Amplificadores


Pedais/Efeitos


Estúdio

Enviei cerca de oito perguntas por e-mail e o Tiago respondeu a entrevista em áudio. A minha ideia inicial era transcrever, mas à medida que ia ouvindo, pensei: "Não, não... Tenho que postar o áudio mesmo - isso tá muito legal..." Deu um trabalhão danado colocar imagens e fazer uma coisa mais "audiovisual", mas eu e o Oscar achamos que vocês merecem :)

 ENTREVISTA COM TIAGO CASTRO

Fizemos um vídeo para cada uma ou duas perguntas. Seguem:

 LPG: 1 - Conte sobre a tua ida para os EUA, o emprego na Guitar Center, por que a sessão "Vintage" e por que eles optaram por um brasileiro?

PARTE 1


LPG: 2 - Como era trabalhar na GC, e/ou, com os americanos em geral? Ficaste muitos anos nos EUA... Imagino que tenhas conseguido um green card ou coisa parecida...
LPG : 2b: Suponho que os brasileiros que apareciam por lá eram encaminhados pra ti... O brasileiro tem alguma característica interessante/curiosa, além da fama de testar/tocar e raramente comprar? :)

PARTE 2


LPG: 3 - Podes relatar algumas curiosidades, fatos inesperados e oportunidades que apareciam nessa área da GC?

PARTE 3


LPG: 4 - Como avalias uma guitarra vintage? Pelo valor "vintage" intrínseco, pelo timbre ou ambos? Experts falam que muitas guitarras antigas, mesmo as clássicas Gibson e Fender, podem soar "normais" e até eventualmente ruins, com timbres feios...

PARTE 4


LPG: 5 - Fale-nos um pouco sobre o teu equipamento vintage...


PARTE 5


LPG: 6 - A Fender Stratocaster de 1956 merece uma atenção exclusiva. Fale-nos mais sobre ela.

PARTE 6



LPG: 7 - Dá pra comparar uma guitarra vintage com uma "Custom Shop" (ou de alta qualidade) atual?

PARTE 7



LPG: 8 - Fale sobre o teu estúdio em Belo Horizonte, o "Stone Age".

PARTE 8 (final)

Eu e o Oscar gostaríamos de agradecer imensamente ao Tiago pela entrevista. Além de divertida e super interessante, nos trouxe um bocado de informações preciosas, todas de primeira mão! :)

Contatos Tiago Castro / Estúdio Stone Age










40 comentários:

  1. Tiago Castro é um cara gente finíssima e muito solícito, que veio agregar muito conhecimento à comunidade guitarrística de Belo Horizonte e ao Guitar Club BH. https://www.facebook.com/groups/guitarclubbh/

    ResponderExcluir
  2. A propósito, fui eu quem fiz essa foto do Adriano Ramos, no dia do 2º Encontro do Guitar Club BH em 28/06/2014.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mineirada tá de parabéns, Luiz. Dá pra perceber que o pessoal daí arregaça as mangas mesmo :)

      Excluir
  3. Que trabalho sensacional! Otimo post! Mesmo sabendo que voces nao tem o interesse de ``profissionalizar`` o blog e torna-lo imenso etc, penso que seria demais se voces expandissem o conteudo, colocando material no youtube ou fazendo podcasts, seria demais! (na minha humilde opiniao, claro)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazemos o possível Krain! :-) Vamos expandindo na medida do possível!! Obrigado pelo interesse e atenção!

      Excluir
  4. Ótimo, parabéns pelo post, adoro quando falam em stratos antigas.

    Seria interessante fazer uma matéria exclusivamente sobre essa Fender 1956 do Tiago (se ele quisesse, é claro), pois dificilmente iremos achar outro cara que trabalhou por anos na Vintage disposto a falar e mostrar sua opnião. Ficaria um post parecido com aquele outro, acho que era de uma Fender 1957, não lembro direito, que foi uma visita que um cara fez.

    Obrigado Tiago, Oscar e Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anotado Victor! :-) Era uma 57 que eu toquei na Guitar Center de Houston!! Alias que guitarra!! rsrs!

      Excluir
  5. Em relação ao post que inaugura esta nova seção de "Crônicas Vintage", a minha nota é 11, claro, dentro daquele padrão 0-10!!! rsrs
    Em se tratando de volume de informações disponíveis via internet eu não tenho dúvidas - sempre que algum papo guitarrístico surge, independente da vibe ser Vintage - de imediato passo o link do LPG. Amigos curadores do blog, gostaria que soubessem: para mim, o que leio aqui tornou-se referência há mais de um ano!
    Sou gaúcho da cidade de Santa Maria, guitarrista há mais de 20 anos, amante diário de uma boa tocada em minhas guitarras. Compositor ativo e de caráter amador.
    Humildemente aproveito para convidá-los a ouvirem meu trabalho de guitarra instrumental.

    https://soundcloud.com/carlos_rhmoraes/

    Um grande abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlos. Parabéns pelas músicas. Timbres também muito legais. :)

      Excluir
    2. Obrigado pelas respostas e pela audição, Oscar e Paulo!
      Fico lisonjeado com o comentário em respeito aos timbres.
      Meu equipamento é muito simples, consiste em um notebook com placa de áudio onboard, onde para gravar uso o Cubase 5 e inserto como plug-in os velhos e bons Amplitube 3 e Guitar Rig 5 (este é o que está presente na maior do tempo).

      Excluir
  6. Ótimo post!! Que venha o próximo cap das crônicas!!

    ResponderExcluir
  7. Novamente um Excelente post, uma sugestão seria uma matéria sobre pedais, não me lembro de ter visto algo sobre este assunto por aqui. Talvez algum em especial que vocês tenham, pelo que percebi o Oscar é um pouco chegado nas latinhas ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lramos, já pensei nisso! rsrs mas ainda não achei uma maneira legal de falar sobre pedais. Eu realmente gosto e tenho alguns vários! :-)

      Excluir
  8. Ótima entrevista. É um privilégio ouvir essas experiências de quem tem ou teve acesso direto na "fonte", um sonho impensável para a maioria.

    E a trabalho para montar os vídeos foi recompensado pelo conteúdo.

    Quem sabe um dia desses, vocês não conseguem um contato real com esses equipamentos do Tiago, aí poderão postar uma opinião ainda mais fiel dessas belezinhas.

    Até mais.
    Marçal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu seria complicado já que não entro em avião, Marçal, mas o Oscar já tá se coçando! KKK!

      Excluir
  9. Mais uma matéria realizada com primazia !!! a qualidade das postagens é de uma qualidade absurda, venho aprendendo cada dia mais no blog sobre esse universo guitarrístico maravilhoso !! Por favor, continuem com essas entrevistas como a do Tiago, do Pedrone, Sergio Rosar e etc... Nós agradecemos mt a disposição de vcs... um abraço !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuaremos tentando manter as tuas expectativas, Wilson, Obrigado! :)

      Excluir
  10. Garotada, parabéns pela entrevista, foi muito legal, façam mais entrevistas.............

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pela excelente entrevista! O Tiago é um cara muito simpático, com um profundo conhecimento do mundo da música e que está fazendo um trabalho muito especial no seu estúdio, o Stone Age. Imagino que deva ser difícil, depois de gravar por lá, ter que deixar para trás o top dos tops em guitarras, amps, equipamentos de gravação e a assessoria do Tiago!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... típica coisa pra criar dependência :)

      Excluir
  12. Simplesmente fantastico!!! Entrevista nota 1000 !!! Cada palavra muito interessante!! Já fui algumas vezes nessa guitar center de Los Angeles, realmente o setor vintage é maravilhoso. Inclusive já passei um dia inteiro lá dentro, testei TUDO e não comprei nada, só umas coisas pequenas. Será que o Tiago estava falando de mim?? Kkkkkkkk. Parabéns ao Paulo e ao Junior pois este post deve ter dado MUITO trabalho. Abs meus amigos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK! :)
      Obrigado Rodrigo!! :)

      PS: Itajaí?

      Excluir
  13. Cara, simplesmente fodástico esse post, o blog está cada vez melhor!!!! Como sempre vocês estão se superando e evoluindo muito! Acompanho sempre o blog e já aprendi muito aqui!!! Muito obrigado e continuem assim!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Higor!
      E a responsa de manter o nível tá cada vez maior! :)

      Excluir
  14. Galera tenho um canal no youtube junto com o meu amigo, o canal se chama Fedro GuitarBass, tem um conteúdo bacana la, se puderem dar uma força pra gente que estamos começando a gente agradece.. obrigado desde ja
    https://www.youtube.com/channel/UCKXIbaiOCjc8jxfdpAv2wCQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando, acreditamos que tudo deve ocorrer naturalmente e como já dissemos diversas vezes, não fazemos propaganda nesse espaço, exceto quando visa ajudar e informar músicos em relação a equipamentos específicos.
      Desejamos sucesso para o canal mas a princípio ele tem pouco ou até nada a ver com os focos do blog.
      Abraço!

      Excluir
  15. Simplesmente fantástico, parabéns a todos, ao Tiago pela clareza e generosidade em compartilhar o seu fenomenal conhecimento e por colocar suas opiniões de forma sensata e humilde, coisa bem rara entre os chamados "vintagers", parabéns ao Paulo e Oscar pela iniciativa e o belo trabalho de edição dos vídeos, não é á toa que eu digo que esse blog é um dos melhores do mundo, abç aos amigos !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vindo de ti, isso é muito mais que um elogio :)
      Abração!!

      Excluir
  16. Olá Paulo, olá Oscar. Eu nao sei como entrar em contato com vocês então mandarei meu recado por aqui! Hehe. Sou apaixonado por single coils, um fã de carteirinha, mas problemas com humming assolam o meu tipo de pessoa, principalmente quando queremos subir o volume, sair da zone de treino e ir nos apresentar. Ví esse video no YouTube e fiquei impressionado com o resultado, simples, funcional e maravilhoso. http://youtu.be/6g8qF9vC11s .
    Pode pular para 6min de vídeo e vejam o resultado de uma vez, o cara enrola demais haha. Enfim, acho que o procedimento do vídeo seria um bom material pra post e eu pessoalmente adoraria ver como algumas guitarras de vocês soariam, num teste feito com menos pressa e mais atenção no resultado.
    Fica aí a sugestão!! Amo o blog de vocês, acompanho a dois anos sem comentar muito e aprendi MUITA coisa aqui!! Confeso que sempre tive preconceito com humbuckers por gostar de som brilhante/cortante dos single coils Fender, mas esse video me deu novas esperanças e horizontes.
    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo, se o cara do vídeo tivesse pesquisado, saberia que essa manobra já é feita há muito tempo. É de longe uma das piores ideias pra tentar ter um som de single num humbucker. Mesmo com o esquema tradicional de separação (split) das bobinas por meio de uma chave (push/pull ou qualquer outra), um humbucker nunca vai soar como um single por causa da diferença do campo magnético entre os dois modelos.
      Obrigado pelos elogios ao blog e por favor, continue por aqui! :)

      Excluir
  17. Só dei play no vídeo da 56, que acho que é a guita da Fender que eu mais curto. Mas o cara fala que tirar o lacquer ou então relicar o corpo desvaloriza mas troca de traste não? wtf As rebarbas dos trastes sempre danificam os sulcos, ainda mais nessa época que eram rebatidos também de lado pra criar um lock em forma de L na madeira pro traste ficar mais preso. Quando você tira lasca a madeira com tudo. Eu prefiro guitarra repintada do que a que passou por refret. Depois ouço o resto. Parabéns ao pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo,
      Não manjo nada de Vintage mas acho que o Tiago se referiu a um padrão de avaliação da Guitar Center.

      Imagina se cada avaliação tivesse o "gosto" do avaliador a bagunça que iria ser.

      Então tem um padrão para que independente de quem estiver efetuando a avaliação, o resultado final seja o mesmo (ou quase o mesmo).

      Se eu estiver errado já já o Oscar me corrige.

      Gde Abs

      Excluir
    2. Oi Rodrigo Sacramento, tudo bem? No meu post, eu estava comentando sobre guitarras originais, da decada de 50 e 60, não de re-edições que são "relicadas".
      E se vc comprar uma guitarra em 1956 e usa-la frequentemente, mesmo que somente dentro de casa e com todo o cuidado do mundo, a única parte da guitarra que mostrará sinais de uso, e que precisará de troca serão os trastes. Se vc gastar os trastes, a guitarra não toca direito. O resto vc pode cuidar pra durar mais, mas trastes, se vc tocar, não dura 50 anos. Por isso é mais perdoável do que pintura. Então, uma strato original de 1956 em excelente estado com trastes trocados(somente trastes) vale muito mais do que uma tb original de 56 com os trastes originais gastos e com pintura refeita ou um relic falso. Isso quem ditou foi o mercado vintage desde a decada de 70, não eu qdo gravei a materia. Já uma guitarra nova, pro mercado vintage, tanto faz se é original ou repintada.

      Excluir
  18. Dia desses vi uma entrevista com o Amyr Klink, onde ele dizia que o Brasil é um país rico em histórias, mas pobre em relatos. E sem relatos, sem o aprendizado mais eficiente que existe, que é aprender com a experiência alheia.

    Fico feliz em ver que o relato do Tiago está registrado e disponibilizado aqui no fórum. É um material muito rico para quem se interessa por guitarra.

    Feliz Natal, Paulo e Oscar, e muitos milhões de acessos em 2015!

    Abraço,

    Marcos Sousa

    ResponderExcluir
  19. O RDC Guitars tem trabalhos tentadores só que tem um problema agudo de comunicação via Facebook. Lacônico ao extremo. Estou tentando comprar um corpo em freijó dele por causa das referências que leio aqui no LPG e que confio. Tento pegar algumas informações que considero importantes antes de fechar o negócio mas ele se comunica pouco. Sinceramente, bate um desânimo e não sou de insistir.

    ResponderExcluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".