domingo, 18 de julho de 2010

Cort G260

       
        Comprada em 2007/2008 por cerca de 900 reais. Feita na Cort Indonésia. Pelas madeiras, hardware e construção, uma verdadeira pechincha.
Após ler as especificações no site da Cort, decidi comprá-la. Com exceção dos captadores (MightyMite), todo o resto é de alta qualidade. O corpo de "Swamp Ash" - que é aquele ash bem leve dos sul dos EUA - tem uma sonoridade única e deixa a guitarra extremamente leve (3,1 kg). O raio do braço é 12" e com um perfil tipo strato, em "C", mas mais gordo. A construção e o acabamento são excepcionais. Toda guitarra Cort que tive a oportunidade de tocar apresentava esse nível de qualidade. Até a KX5, que é das mais baratas.

O interessante é que achei que seria muito fácil "tuná-la", pois tratava-se apenas de uma troca de captadores. Coloquei um Rosar Supershred na ponte e dois singles Rosar "Vintage Hot". Prá minha surpresa, a guitarra ficou aguda demais. Na verdade, era uma certa "rispidez" nos agudos, principalmente nos singles. Culpei de cara os potenciômetros de 500K.

Essa questão de usar humbucker com single é um dilema, pois se colocamos pots de 500K, os singles ficam ásperos. Se pots de 250K, o humbucker fica "abafado" (prá quem não sabe, quanto mais alto o valor do potenciômetro, mais agudos ele deixa passar). Tentei algumas coisas bem malucas que acabaram não funcionando, mas eu tinha um humbucker Rosar Custom (protótipo de teste) que sobrava um pouco nos agudos e ele aceitou bem o potenciômetro de 250k (não o liguei no controle de tonalidade, prá compensar um pouco). Porém, ainda sentia que os agudos dos singles não estavam legais. A solução, depois de várias tentativas, foi colocar um Malagoli Custom 57/62 na posição do braço (havia comprado anteriormente  um set mas não usei justamente porque achei-os sem brilho). Seu timbre um pouco mais "fechado" compensou o resto. Ufa! Finalmente! :)

Especificações
Corpo: Swamp Ash, 1 peça, apenas tingido de preto e encerado
Braço: Maple, "C"
Escala: 251/2", Rosewood, Raio: 12". Nut: grafite
Tarraxas: Self Lock, escalonadas.
Captador Ponte: Sérgio Rosar Custom Humbucker - 11K
Captador Meio: Sérgio Rosar Vintage Hot - 6K 2.30H
Captador Braço: Malagoli Custom Shop 57/62  - 5.6K 3,0H
Pots e capacitor: Alpha, 250K, 0.047uf
Ponte: Wilkinson VS50 II



Há 3 meses coloquei uma pequena chave para splitar o humbucker Rosar. Com pot de 250K, o som de single dele fica legal.
A guitarra agora tá excelente, mas o que era prá ser uma coisa simples, deu mais trabalho do que tunar completamente uma SX... :)
(Update 02/2013: outra solução para esse configuração HSS: LEIA AQUI )

PS: Recentemente li um comentário do mestre John Suhr  (clique no nome para o link) sobre guitarras de Ash com escala de Rosewood. Transcrevo: "Rosewood fingerboard on Ash body will give too much sizzle for many players. We would only build such combination if you are positive that this is what you want.   (Escala de jacarandá em corpo de ash soará aguda demais para muitos guitarristas. Nós só fazemos tal combinação se você tem certeza que é isso que você quer)"
A tradução literal de "sizzle" é "chiado", e era exatamente isso que eu estava ouvindo em excesso. Se eu tivesse lido isso antes, teria optado pela versão com braço de maple...Mais uma informação preciosa que é constatada na prática... :)

61 comentários:

  1. Paulo já sou teu fã!

    Você tem muito bom gosto!

    Linda essa Cort!

    Só senti falta de um som..hehehehehhehehe

    ResponderExcluir
  2. Paulo, ótimo blog cara.. parabens.. olha, tava pensando em adquirir uma g260 mas to vendo q ela eh meio complicada.. o q vc sujere pra mim pra um custo em torno de 1200,00? giovanifarias@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Excelente Blog!

    vou comprar minha primeira guitarra e estou em dúvida entre a Cort G260 (natural com escala em maple) e a Yamaha pacifica 112vcx, lembrando que é para ser usada na Igreja, qual das duas vc recomenda.

    Aguardo retorno: andersonsbarboza@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Pessoal, tecnicamente, a G260 é uma guitarra impecável - nem precisa ser luthier para observar isso. A única coisa que ela pede são captadores melhores. A questão do swamp ash com escala de rosewood soar mais agudo (paradoxalmente à escala de maple) foi uma observação do John Suhr que eu confirmei aqui, por isso acredito que a versão da G260 com escala de maple/clara seja mais adequada/equilibrada.
    Quanto à comparação com a Yamaha, fica difícil porque não a testei. Porém, as especificações são boas e está bem apresentada pelo Rafael Bittencourt no site da Yamaha. Aí é questão de decidir entre uma boa strato de swamp ash e outra boa strato de alder, ambas HSS. Pela relação custo x benefício, acredito que a Cort ainda seja superior, pois me pareçe que a Yamaha é uns 20% mais cara, não?

    ResponderExcluir
  5. Vlw pela resposta!


    Cort G260 ai vou eu!!!

    ResponderExcluir
  6. Paulo parabéns pelo Blog!

    Acabei de adquirir a Cort G260 como minha primeira guitarra, entretanto após trocar as cordas percebi que a ponte ficou um pouco mais suspensa que antes, como sou novato gostaria de contar com a sua ajuda caso isso seja normal para me ensinar a regular a ponte.
    Como moro no interior do RJ é muito dificil encontrar um Luthier.

    andersonsbarboza@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Anderson,
    A tensão da corda puxa a ponte para cima e a tensão das molas (parte posterior da guitarra) puxa para baixo, em direção ao corpo.
    Se a ponte levantou é porque a tensão das molas é menor que a das cordas (trocastes para um calibre maior?). Basta apertar os 2 parafusos que seguram as molas (com a guitarra afinada é mais rápido, mas cuidado para não espanar os parafusos - faça forte pressão em direção à madeira e gire)
    Aqui tem um vídeo bem didático:
    http://www.youtube.com/watch?v=TsYmITgD9s8
    A Fender recomenda que a ponte fique a cerca de 3mm acima do corpo, na parte mais alta. Eu uso muito pouco o tremolo, por isso deixo-o sempre encostado no corpo e com cerca de 1/4 a 1/2 volta a mais do parafuso depois que encosta (pra ponte não se movimentar com bends)
    Guia oficial da Fender para setup da strato (ok para a G260, mesmo com a ponte Wilkinson):
    http://www.fender.com/support/stratocaster_setup_guide.php
    Assim que tiveres uma chance, vá num luthier e peça-o para explicar os ajustes (altura e movimentação dos carrinhos/saddles) dessa Wilkinson, que são diferentes da Fender.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. valeu consegui resolver o problema!

    = Paulo posso sugerir um tema para matéria?

    Estou tendo dúvidas sobre amplificadores/cubos para guitarra no mercado há inúmeras marcas e preços, derrepente pela sua experiência vc podia sugerir alguns produtos.


    vlw
    Anderson

    ResponderExcluir
  9. Adquiri uma cort G260 modelo natural, qual produto vc indicaria para utilizar na limpeza da guita?

    ResponderExcluir
  10. Anderson, com certeza farei um post sobre amps. Acabei de comprar um Orange Tiny Terror e assim que avaliá-lo bem, farei um post geral sobre amps.
    Obrigado pela dica! :)

    Anônimo: Uma flanela seca ou levemente umedecida bastaria para limpeza geral, mas para dar/acentuar o brilho, a maioria dos lustra móveis funciona bem. Eu uso a marca Destak. Para a escala, óleo de peroba - algumas poucas gotas. Limpe bem após.

    ResponderExcluir
  11. Paulo,
    parabéns pelo blog! Sou luthier profissional (Headstock Custom Shop/SP)) e acima de tudo um apaixonado pelo instrumento. Não tinha visto até então um blog tão bem feito, com informações colocadas de uma maneira didática e correta.
    Excelente iniciativa para desmistificar o tema e aproximar os apaixonados do seu instrumento.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  12. Ricardo, muito obrigado! :)
    É uma honra e uma grande motivação receber um comentário desses, ainda mais vindo de um luthier profissional!
    Valeu!

    ResponderExcluir
  13. Paulo como posso limpar uma guitarra com escala em maple, pesquisei na net e vi que o óleo de peroba não é indicado

    ResponderExcluir
  14. O maple tem poros mais fechados e geralmente algum acabamento. No envernizado não há razão de usar óleo. A maioria tem selador e dependendo da espessura da camada, tbém não usamos óleo. O ideal ainda é uma boa limpeza após tocar, já que por ser claro, pode manchar com o tempo.
    Já o rosewood/jacarandá, por exemplo, possuem óleos naturais e não aceitam/recebem acabamento, ppte verniz. De vez em quando devemos usar óleo nessas madeiras. Eu uso o clássico óleo de limão, especial para escalas, da Planet Waves (e recentemente li alguém argumentando que o óleo de limão contém "D-Limolene", um solvente, por isso não deve ser usado. Não tô nem aí...) Qto ao que pode ou não ser usado, sempre haverá uma crítica. O óleo de Peroba é usado há décadas em móveis e nunca vi ninguém reclamar dele... :) Claro, alguns derivados de petróleo podem ter eventual ação "solvente" mas é tão irrelevante que não sobrepõe-se aos efeitos positivos do óleo como um todo. Eu até uso o de Peroba com alfazema... :)É transparente e nunca percebi qualquer efeito deletério, muito pelo contrário, a escala fica limpa, linda e cheirosa! :)

    ResponderExcluir
  15. Fala Paulo, blz? me tira uma dúvida comprei uma CORTG260, entretanto notei que ela é composta de 3 peças, ou seja 2 emendas. Contudo ao pesquisar na Net verifiquei que ela é feita com duas peças emendadas no meio, o que difere da minha. Como sou novato no ramo, sera que a guitarra que eu comprei foi alterada? Como faço para ter certeza?

    Já ate fiz o registro do produto no site da CORT.

    ResponderExcluir
  16. É a clara? A minha preta parece ter apenas uma peça... De qualquer jeito, eu tenho uma tele de swamp ash (postada em março/2011) de 3 peças que é maravilhosa. Quando bem efetuadas as colagens, até 3 peças não intereferem tanto no timbre. Ainda assim, a considero uma guitarra muito boa.

    ResponderExcluir
  17. Sim é clara, e obrigado pela resposta! Agora estou precisando de dicas para compra de um amplificador, podendo ser investido até R$ 700,00 quais os modelos de qualidade razoável nessa faixa de valor vc me sugere, quais as principais características devo observar? lembrando que é principalmente para estudo, além de poder utilizá-lo em eventuais ensaios com o grupo de louvor da Igreja.

    Obrigado e aguardo retorno.

    ResponderExcluir
  18. Caro anônimo: poste essa dúvida aqui:
    http://www.guitarplayer.com.br/forum/index.php?/forum/26-amplificadores/
    A maioria das perguntas são iguais às tuas - se procurares, a resposta está lá.
    Terás muito mais opiniões e ajuda.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  19. OLA PAULO TRANQUILO ??
    ENTAO TENHO UMA DUVIDA COM RELAÇAO AOS CAPS Q COLOCAR NA MINHA GUITA !!INCLUSIVE ANDEI LENDO AQ E OLHANDO NO LINK Q VC PASSOU ,DE UMA SITE FALANDO DAS MADEIRAS DA GUITAS TAL,,MAS NAO TEM A MADEIRA DA MINHA GUITA LA PR DAR UMA PESQUIZADA,EM FIM,,MINHA GUITA É UMA CORT MGM1 ASSINATURA MATT GUITAR MUPHY,,CAPS Mightymite USA,,Agathis body, Quilted maple top,24.75" set maple neck,,ESTOU PENSANDO EM POR UM PAR DE CAPS EMG 81 E 85 ATIVOS,,SERA Q ROLA ??O SOM DELA E MUITO BOM,MAS QUERIA ALGO MAIS AGRASSIVO E A MESMO TEMPO SOM LIMPO BONITO ABERTO E BRILHANTE,,SOU GUITARRISTA A 16 ANOS E TOCO EM BANDA DE BAILES,POR TANTO TOCO DE TUDO,,E AINDA ULTIMAMENTE FASSO MT FREE CM DUPLAS SERTANEJAS TAL,,E PRECISO DE SOM LIMPO BOM Q PINTE TAL !!TENHO OUTRAS GUITAS FENDER ,TENHO UMA CORT G260 DAS KOREANAS EM MAPLE,,MAS A MINHA ESTA ORIGINAL TAL E TEM TERRACHAS COM TRAVA DE FABRICA JA ESSAS DE HJ AXO Q NAO VEM ,MAS EM FIM,,PODERIA M INDICAR C É LEGAL OU TEM ALGUM OUTRO Q VC M INDICA !!VALEU E FICA COM DEUS E CNTINUE ASSIM,COM SEU SITE ,,E´OTIMO !!ABRAÇAO! MATAO SP 01/07/2011

    ResponderExcluir
  20. O som com os EMG vai ficar bem "EMG" :)
    Tenho uma LTD/ESP de agathis que ficou muito boa com os EMGs. O som do EMG do braço não é muito orgânico, mas é excelente para cleans modernos, com chorus e ambiência.
    O da ponte vai te dar toda a agressividade que procuras.
    Uma opção interessante são os também ativos Seymour Duncan Blackouts - um pouco mais naturais que os EMG.

    ResponderExcluir
  21. Prezado,

    Por sua experiencia com a Cort G 260, vc acha ela uma guita versátio, por exemplo, poderia utiliza-la para tocar em uma banda de variados estilos. Soando bem?
    Ou ela tem um som mais carateristico?
    Em questão de afinação/utilização de alavanca, ela segura bem a afinação?

    andrade.r@hotmail.com

    Este e meu e-mail, se rolar de trocar umas ideias contigo!
    Ricardo Andrade

    ResponderExcluir
  22. Toda guitarra tipo strato com configuração HSS (humbucker + singles) é versátil. A potência e tipo de humbucker que vais colocar na ponte definirá até onde queres ir em termos de peso musical.
    Mas a G260 é versátil sim. A ponte é Wilkinson (excelente) e as tarraxas têm trava automática. Afinação não será problema.

    ResponderExcluir
  23. Olá Paulo, beleza?
    Eu estou louquinho para comprar esta guitarra. Na verdade eu queria mesmo era uma Music Man, mas a minha realidade não me permite adquirir uma.
    Ouvi algumas gravações feitas usando ela e gostei do timbre. (mas não sei se é a com braço em maple ou rosewood)
    A idéia é usar ela para fazer sons tipo Van Halen, Mr Big, quem sabe tentar buscar um timbre semelhante ao do Steve Morse também...

    Enfim, eu percebi que a Cort tirou de linha esse modelo OPB, vendendo agora só a branquinha com braço em maple.
    Eu não curto muito essas guitas em cor natural, por isso procurei e achei ainda uma OPB zerada para vender em uma loja virtual, e vi que a configuração de captadores mudou
    Ela vem com a seguinte configuração: Duncan Designed SC101 (braço) + SC101 (meio) + HB102B (ponte).
    Você acha que essa nova configurações eliminam um pouco estes problemas que teve com o timbre da tua?
    Eu não tenho como testar ela pois a loja é de outra cidade, bem distante, então estou tentando me informar o máximo que posso.

    Obrigado, e parabéns pelo excelente blog!

    ResponderExcluir
  24. Alexandre, a guitarra é linda, leve, swamp ash verdadeiro (o corpo é menor e mais fino que uma strato padrão), acabamento perfeito, ferragens ótimas ... Mas, por alguma razão, é difícil timbrá-la (do jeito que eu gosto, "perfeito" no single e no humbucker - é bem pessoal). Aliás, como já postei aqui, é difícil timbrar qualquer guitarra HSS. Ela já vem armada pra favorecer o humbucker, mas o som dos singles é bem legal - só não é aquele "Fender" clássico.
    Acho que é o tipo de guitarra que um cara pode amar e outro odiar. Tem gente que detesta o braço (formato C gordo), mas eu adoro.
    A decisão ainda é tua! :)

    ResponderExcluir
  25. Olá Paulo, é o seguinte, será que vc ja viu esse problema? Eu tenho uma strato e troquei os caps dela por Fender, Kent Armstrong e Cabrera, (3 singles)o som é animal mas tem um chiado sobrenatural neles tb. Tenho outra strato aki 3 singles tb com caps de tagima antiga, e eles nem chiam, qual sera o problema do chiado? forte abraço

    ResponderExcluir
  26. O tempo todo? É aterramento, provavelmente. Cheque as ligações - siga todo o trajeto do aterramento, inclusive a ligação no jack de saída.

    ResponderExcluir
  27. oi Paulo, tudo bem?
    parabéns pelo blog, ele tem me orientado muito ultimamente, agora que estou virando um apaixonado por guitarras (auhauhauhauh) e gostei muito deste post por que estava precisando exatamente disso, de uma guitarra não muito boa, mas que tivesse um corpo com uma ótima madeira e que pudesse ser tunada. Primeiro procurei na internet mas ela foi um pouco cruel comigo e não consegui bons preços... então arrumei um tempo e dei uma passada na teodoro (sim, moro em sampa) só que dessa vez a rua foi um pouco cruel comigo tb. Mas lá eu encontrei uma linha de guitarras que parecia ser boa e com um preço um pouco abaixo da cort G260, era a linha pacifica da yamaha, a 112vcx para ser mais exato. O vendedor me falou que a madeira era alder (torci o nariz, qual dos 23 tipos?) e quando perguntei se ele saberia em quantos pedaços o corpo era cortado ele disse: só um só... quer dizer, talvez dois! no máximo!! (torci o nariz novamente, será?) disse que ia verificar e outro dia passava lá. Só que até agora não encontrei nenhum review tão bom quanto os seus, será que vc poderia dar uma comentada rápida sobre ela? Não se preocupe em responder com riqueza de detalhes o post, sei que vc anda sem muito tempo, mas acho que seria legal dar mais dicas de guitarras boas, baratas e que podem ser facilmente tunadas pro pessoal que está começando como eu. Desculpa o tamanho do post!! T+, brigadão, abraços!!

    ResponderExcluir
  28. Rennan, tudo leva a crer que, pelo preço e fabricante, seja alder mesmo. Quantas peças, é difícil saber por causa da pintura e outros truques... :)
    Os captadores são de alnico, mas não deu pra saber se o bloco da ponte é pesado ou leve. A configuração HSS é bem versátil.
    Achei meio cara (entre 1200-1400?). Mas Yamaha é Yamaha, né? Eles têm um nome à zelar e acho que nã há grandes falcatruas aqui.
    Se conseguires 1200 ou menos, acho que vale a pena. Toque batante com ela na loja, sinta a comodidade (e qualidade) do braço, afinação, peso e o mais importante - sonoridade.
    Vi a demo do Rafael Bittencourt no Youtube e achei bem legal.

    Uma opção seria comprares uma strato SX dessas novas, de "American Alder" e tuná-la, mas com captadores, ponte e tarraxas, é capaz de ficar mais cara que essa Yamaha.

    ResponderExcluir
  29. opa Paulo, beleza? Muito obrigado por responder o post tão rápido, depoois que eu vi alí em cima que vc respondeu uma pergunta praticamente igual a minha, mas mesmo assim respondeu a minha numa boa, muito obrigado mesmo!! Então, essa yamaha está com um ótimo preço. Você falou para eu toca-la bastante na loja, eu não toquei pouco, mas me lembro muito bem das primeiras impressões que tive. Quando eu toquei eu me lembro de ter achado a guitarra muito leve, no momento fiquei pensando inclusive se isso era por causa do Alder. Outra coisa que me chamou muito a atenção foi o braço dela, pareceu-me um pouco menor do que as stratos que estou acostumado a tocar e também com menos espessura (não sei se isso é característico das yamahas). Já o som... bom, esse é meu fraco (ainda) mas achei que cada captador era bem diferente um do outro... Pareceu-me uma boa guitarra e que estava com um bom preço, então estou realmente inclinado a compra-la. T+, abraços

    ResponderExcluir
  30. Rennan,
    A despeito de qualquer outra consideração, o braço TEM que ser cômodo pra ti. A pior coisa que tem é a gente comprar uma guitarra e depois se incomodar com o braço... :)

    ResponderExcluir
  31. Blz Paulo?
    Eu tenho uma Cort g260 natural. Estou interessado em trocar os captadores por fender. Li seu post sobre a dificuldade de timbragem, mas pelo que entendi, a minha sendo braço maple ela seria mais equilibrada! Quais fender vc aconselharia para meio e braço e qual humbucker vc aconselharia para casar com esses fender? Pensei em Hot Noiseless ou Special Texas para braço e meio e talvez algum seymour duncan para ponte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende dos estilos que tocas. Para Rock, os Hot Noiseless fariam um bom par com um Duncan JB ou um Rosar Supershred.
      A maioria dos captadores deve soar bem com ela, ppte se a escala for maple.

      Excluir
    2. Valeu pela resposta. Aconselha manter o push pull para o JB ou anular essa função? Seria só trocar os caps ou me aconselha ainda troca de potenciomentro ou algo assim para melhorar essa guitarra?

      Excluir
    3. Já que tem o pot push pull, deves mantê-lo. Embora o JB splitado não seja grande coisa, pode ser útil na posição "2", junto com o single do meio. Lembre-se que o split do JB vai gerar um certo ruído de single. Não acho ncessária a troca dos pots, mas se sentires os singles muito agudos, podes adaptar (esquema do John Suhr) um resistor de 500k nas saídas (hot) de cada single. Ficariam em paralelo com o pot de 500k, gerando um valor final de 250k - ideal para esses captadores.

      Excluir
  32. O site da cort nao me mostra onde cadastrar minha guitarra uma cort g260 . Alguem tem um link para cadastro?

    ResponderExcluir
  33. Olá, eu estava justamente estudando a cort g260 e para minha felicidade encontrei teu blog! Muito bom, informativo e profissional por sinal. Contudo, cheguei a conclusão que quero compra-la, mas para minha infelicidade não encontro lugar para compra-la, e onde achei estavam pedindo R$ 1.600,00 por ela, achei caro por ser um instrumento que gira em torno de $200,00 dólares no exterior. Paulo, tens alguma loja aqui de Porto Alegre/RS para me indicar? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-435109586-guitarra-stratocaster-cort-g-260-_JM

      Não perca essa chance!

      Excluir
  34. Mermão, parabéns pelo blog e matérias postadas.....eu estou com uma grande dúvida entre pegar uma Cort G260 ou uma SX com 3 Noiseless, tarraxas Condor e ponte Gotoh. Qual a sua opinião???
    Grande abç e obrigado!!
    Alex

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for uma SX comum, a Cort com certeza. Mas se for uma SX de "American Alder ou American Ash", aí empata.
      A Cort tem tudo de ótima qualidade, principalmente o braço e trastes - apenas os captadores são medianos, mas não ruins.
      É mais leve, tem madeiras melhores e o padrão HSS a deixa bem versátil.

      Pessoalmente não gosto de singles noiseless, mas é questão de gosto...

      Excluir
    2. Paulo, eu estava pensando exatamente nessa questão da leveza...rs...eu não sou músico que acompanha artistas, eu toco na noite em bares, festas, eventos, shoppings, e o custo benefício na Cort tá melhor pra mim nesse momento...a SX é a Custom Handmade serie vintage...engraçado que o som da Cort é muito mais alto que o da SX...eu não tenho conhecimento dos captadores Might Mite, mas percebi que puxam mais pro grave e têm pouco médio/agudo...assim o som fica mais encorpado...eu fiquei preso às questões da captação Fender, da POnte Gotoh, mas acho que ficarei mesmo com a COrt....pra mim tem que ser funcional...muito obrg, mermão....grande abç!!

      Excluir
    3. E as tarraxas da Cort têm trava, o que é bem útil pra quem toca ao vivo regularmente. Essas G260 misteriosamente têm um timbre com menos agudos/estalos que uma strato padrão, mas dependendo do setup, isso pode até ser útil, pois stratos são famosas pela tendência aos agudos :)

      Excluir
    4. É verdade...eu tenho uma pedaleira ME 70 BOSS...vou testar mudando os parâmetros, pois eu usava uma Ibanez Road Star II....que tb tinha um som bacana, mas cansei de ter problemas tocando devido à Floyd Rose...rs

      Excluir
  35. Paulo, ouvi um comentário de que a madeira da Fender é o que influência no som e um outro de que seria a Ponte...sabe me dizer algo sobre??
    Obrigado
    Alex

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A madeira da G260 é Swamp Ash verdadeiro, igual à das Fender dos anos 50. Pena que é um pouco mais fina e o corpo também um pouco menor, o que diminui um pentelho a ressonância.
      A Ponte é uma Wilkinson VS50II, profissional e de alta qualidade. Diferente da Fender padrão e não é a minha ponte preferida, mas é muito boa. Recentemente a troquei por uma padrão Fender, com bloco um pouco maior mas a sonoridade quase não mudou.
      Nos detalhes, a G260 é uma guitarra que vale bem mais. Com exceção dos captadores, é tudo de primeira. Eu a considero uma variação mais moderna de strato. Diria que ela tem 75% de strato e 25% de identidade própria.

      Excluir
  36. Paulo fui numa loja e vi a CortG260 natural com as mesmas especificações: braço em maple, corpo em swamp ash e captadores da Duncan Designed, mas estou em dúvida se pego uma strato com humbucker e 2 single ou se pego uma strato com 3 single, pq quero tocar no timbre de jimi hendrix, john frusciante, john mayer...me parece que essa guitarra tem bastante versatilidade, e posteriormente trocaria os captadores dela por uns melhores que é a única peça que eu não achei boa da guitarra inteira...o problema é que estou com 1500 reais para investir, li uma matéria sua falando da tunagem da SX e estou em dúvida sobre o que eu faço. Vi numa loja uma Fender strato por 1400 usada, série Squier, mas pelo que vi não compensa tbm. Espero que possa me ajudar.

    Obrigado,
    Henrique

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Henrique, nem pensar em Squier - a não ser que seja uma de antes de 1984.
      A Cort G260 é uma excelente guitarra, ótimo custo-benefício, mas ela não tem o som exato das strato clássicas que citaste. E é HSS.

      Investir numa SX para upgrade, só se achares uma strato sx de "American Alder" - tem que ter esse selo - não deve ser a linha com alder chinês.

      Acho que com 1.500 reais compras corpo, braço, boa parte do hardware e podes montar uma strato melhor que as mexicanas e próxima das americanas. Entre em contato com o Vitor Tavares, de Fortaleza/Ceará ( vitor_tavares_ce@hotmail.com e veja o que ele pode fazer por ti.
      Ele vende peças, corpos e braços autorizados Fender e pode até montar a guitarra, se necessário.

      Excluir
  37. É difícil de encontrar essa sx de american alder? Sabe me dizer qual modelo de sx possui american alder?
    Não consigo transformar a cort g260 em 3 single? Não sei se isso é possível.
    Obrigado pelo contato Paulo, já enviei um email para o Vitor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei, mas alguém aqui falou que já viu em loja. A telecaster de American Alder é mais fácil de encontrar - inclusive comprei uma muito boa (postada aqui).
      O problema da Cort G260 é o escudo - exclusivo. Não dá pra usar escudo comum de strato. Terias que mandar fazer um escudo SSS especial para ela.

      Excluir
  38. É pelo jeito o melhor custo beneficio com 1500 de capital está sendo a g260. A única puga atrás da orelha é o fato de ser HSS mas teria como ajustar o timbre de alguma maneira para que fique parecido com uma strato SSS?

    Mto obrigado Paulo, seu blog está sendo essencial para o meu aprendizado, suas matérias são mto boas! Eu gostaria de aprender um pouco mais sobre pedais analógicos, amplificadores e captadores, me recomenda algum site ou alguma matéria sua?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por nada, Henrique.
      A G260 tem um push/pull no controle de tonalidade que transforma o humbucker da ponte em single. Não é perfeito, mas teoricamente fica SSS.
      Captadores: fiz um post bem completo sobre isso - use o "Pesquisar" do blog.

      Pedais:
      http://www.guitarplayer.com.br/forum/index.php?/forum/27-pedais/?s=0b68c80705ada2737a41e86746522631

      Amps:
      http://www.guitarplayer.com.br/forum/index.php?/forum/26-amplificadores/

      Excluir
  39. Bom dia Paulo,
    Seria possível encontrar uma do mesmo modelo e cor aqui no Brasil conforme foto?
    Tenho uma Cort G 260 na cor natural braço Maple

    Cleber Barreto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se essa linha ainda está à venda, Cleber. Mas de vez em quando aparecem umas no ML...

      Excluir
  40. Olá Paulo! Você se recorda quando tirou o escudo, se a cavidade dos Pickups é daquele tipo "piscinão"? Abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recordo sim porque é uma cavidade muito bem feita e não é piscinão. HSS clássica.

      Excluir
  41. Paulo,

    Obrigado pela sua dedicação com nós, amantes da guitarra !!! Blog nota 1.000. Você sabe alguém que faça escudos para guita por encomenda ? Quero colocar SSS na minha G260. Andei vendo uns escudos de madeira, tem alguma diferença básica para os normais ? Sabe alguém que os faz também ? Abraço

    ResponderExcluir
  42. Não há diferença relevante entre escudos de plástico e madeira, Rafael.
    No ML tem uma loja que faz escudos por encomenda, mas talvez tenhas que enviar o teu para que possam copiar:
    http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_15026499

    ResponderExcluir
  43. Paulo vi alguns vídeos de testes de guitarra Cort gostei do som e do desenho da guitarra, porem vi que a viva gold é Floyd rose e a Aero 11 com a que eu mais me simpatizei é uma ponte wilkinson sendo que na Aero 11 custon tb com ponte wilkinson tive mais interesse pela captação dela, minha pergunta é a seguinte: Não gostaria de ter uma guitarra com Floyd Rose, mas essa ponte da Aero 11 que eu já notei que não é Floyd Rose, é uma ponte fixa? ou semi flutuante? é tão complicada de lidar para troca de cordas como uma Floyd? se arrebentar uma corda numa apresentação é daquelas que é bom vc ter duas se isso acontecer? Me perdoe pelas perguntas mas não estou tão por dentro assim a respeito de pontes e eu gostaria muito de saber como são as características dessa ponte antes de decidir pela compra do instrumento...obrigado.

    ResponderExcluir
  44. Uma passada no site da Cort resolveria tuas dúvidas, Aluísio:
    http://www.cortguitars.com/en/series/aero-series

    A Aero 11 e Aero 2 têm braços parafusados e a Custom, colado. A 11 e a Custom utilizam ponte Wilkinson VS50II, que é uma versão mais moderna (mas não necessariamente melhor) da ponte/tremolo Fender. Trocar as cordas é bem mais simples que numa Floyd,
    Se deixares a ponte com um padrão de tensão rente ao corpo, não desafina quando arrebenta corda. Se deixares flutuando, a afinação cai.
    Se quiseres saber mais sobre a regulagem de pontes tipo Fender, digite "frudua tremolo" no YouTube.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Paulo precisava tirar essa duvida já que não possuo condições de comprar uma Fender infelizmente, e não tenho interesse em guitarras Floyd Rose e o timbre da Cort Aero 11 e o da Custon me agradaram bastante apesar de saber que o tipo de musica que eu gosto de tocar, Pink Floyd, Eric Clapton, Santana etc...ficariam perfeitos numa Fender, acredito que com essa Cort vai ficar legal tocar esse tipo de musica tenho 49 anos e não curto muito essa coisa de velocidade e para tocar o tipo de musica que eu toco a guitarra tem que ter um bom timbre bem balanceado entre graves médios e agudos a Cort das guitarras intermediárias e com melhor custo benefício me parece a melhor opção para o meu caso, se eu estiver dizendo besteira me corrija por favor...rsss, obrigado e continue ajudando a gente nas nossas dúvidas...abraço...

      Excluir
    2. As Cort nunca me decepcionaram... :)

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".