terça-feira, 27 de julho de 2010

Les Paul Epiphone - olhando com atenção...

No fórum da GP (e em diversas fontes) fala-se muito das Epiphones Les Paul. Em alguns casos, diz-se que são quase iguais às Les Paul originais, mas apenas mais baratas. A idéia é "Compre uma LP Epiphone, troque os captadores e terás 90% de uma LP americana".
Pessoalmente, acho difícil... Se considerarmos as especificações: corpo de mogno, top de maple, braço de mogno colado com escala de rosewood, captadores humbuckers, etc, seguem os mesmos critérios.
Mas, um dos (se não o mais) elementos importantes numa guitarra é a madeira. O Mogno é em grande parte responsável pelo timbre característico das LPs. Pois bem, a madeira conduz o som e "vibra", criando uma ressonância própria. Imagine o som "caminhando" pela madeira. A densidade, direção das fibras, etc. é que determinam a condutividade. Quando pedaços de madeira são colados, é importante que sejam do mesmo tronco e se possível, da mesma região do tronco. Densidades diferentes interferem na condutividade e ressonância.

Tive a oportunidade de avaliar uma LP Epiphone "56" de um grande amigo. Ela pesa 5 (!!) kg e pensei: que bom, não deve ter câmaras. Mas, após 15 minutos analisando-a, percebi que o corpo foi "montado" com 7 pedaços de mogno. As diferentes tonalidades do mogno sugerem provavelmente que os pedaços usados foram aleatórios, portanto, devem diferir em densidade e demais características. Vamos contá-los:

Observem que estou girando a guitarra enquanto identifico as emendas. O bloco "6" é o maior, estendendo-se quase até o outro lado, chegando perto da junção do braço, onde finalmente damos de cara com o sétimo bloco...
Nessa última imagem, observem a direção das fibras no bloco "7" e a direção das fibras da parte traseira da guitarra. essa disparidade mostra que uma película fotográfica (ou uma fina camada de mogno linear - o relevo no canto superior esquerdo sugere mais uma placa de mogno)  foi  colocada na face posterior para esconder as 7 emendas. Se eles não colocassem isso, a guitarra ficaria com um aspecto todo retalhado.

Nessa outra foto, dá prá observar o ponto onde a folha de mogno (veneer) passa a cobrir a emenda:


O resultado final, visto de trás, dá a impressão de que essa guitarra tem uma bela peça de mogno, não? :)

Pois é... A pergunta que não quer se calar é: "Será que essa guitarra vale realmente mais de 2.000 reais?"
Eu não pagaria...
Além desses detalhes depreciativos, eles jamais poderiam ter colocado essa guitarra como uma "Les Paul Gold Top 56". O braço é fino demais (tipo LP "60") e a junção braço/corpo é curta (veja no início do blog as explicações sobre os "tenons" das Gibson) .

Convém lembrar aos proprietários de Epiphones com tops de maple figurado que, com exceção da linha "Elitist" e das feitas no Japão (grande parte), provavelmente todas têm apenas uma folha de maple figurado por cima de dois ou quase sempre mais pedaços de maple e, eventualmente pedaços de alder.
Isso vale também para outras marcas com tops figurados, como a PRS SE (é só olharem as fotos da minha - maples com aquele padrão real vão para as guitarras top de linha, não para as de menos de 600 dólares), Corts, LTDs, etc.

PS: Outra Epiphone 2009 que avaliei há 3 meses numa loja tinha 6 emendas... Entretanto, isso não quer dizer que todas as Epiphones sejam assim. Já li que as mais antigas, feitas na Coréia (a Epiphone já foi feita por diversas fábricas, entre elas, a japonesa Fuji-Gen Gakki/Ibanez) tinham madeiras e acabamentos melhores. O Petri, do fórum da GP, comprou uma nos EUA em 2009 com 3 emendas e sua Epi é muito boa...

Segue uma lista dos códigos das fábricas (genericamente, podemos classificar a ordem de qualidade decrescente como: Japão, Coréia, Indonésia, República Checa, China):
SI = Samick - Origin - Indonesia
S = Samick - Origin - Korea
SJ = Saejun - Origin - China
SM = Samil - Origin - Samil,Korea
U = Unsung - Origin - Korea
UC = Unsung - Origin - China
Z = Zaozhuang saehan - Origin - China
J = T Terada - Origin - Japan
O = Choice - Origin - Korea
P/R = Peerless - Origin - Korea
FN/N = Fine Guitars - Origin - Korea
I = Saein - Origin - Korea
K = Korea Ins - Origin - Korea
F = Fujigen - Origin - Japan
EE = Qingdao - Origin - China
EA = Qingdao - Origin - China
MC = Muse - Origin - China
DW = Daewon Origin - China
B = Bohemia Musico - Origin - Czech Republic

Para saber o local e o ano de fabricação de sua Epiphone, digite o número de série nesse site:
http://guitardaterproject.org/epiphone.aspx

Nos últimos anos, toda a produção é feita numa fábrica própria na China, em Qingdao. Algumas séries muito especiais ( e caras) são feitas pela Gibson nos EUA.

Esse post não tem o intuito de "malhar" as Epis, mas sim auxiliar o guitarrista a avaliar devidamente uma guitarra na hora da compra.

PS2: 10/8/10: Para fazer justiça à pobre Epiphone, ontem finalmente eu a liguei e toquei (confesso que depois de avaliá-la, perdi a vontade de tocá-la).
Surpresa! O som dela é bom. Não tenho uma Les Paul com P-90 aqui para comparar, mas toquei-a numa simulação do Vox AC30 (do fabuloso Amplitube 3), comparando-a com uma original de 1954 de um vídeo da Fretted Americana (o Phil X também usa um AC30). Não tem a dinâmica extraordinária daqueles captadores vintage, mas definitivamente não é uma guitarra ruim. O da ponte principalmente, soou muito parecido. Vivendo e aprendendo... :)

PS3: 12/10/10: Como falei, não tenho muitas referências pessoais com P-90 (apenas o que ouço em músicas), mas a ARIA com P-90 (postada em 2/10/10) tem um som mais bonito e orgânico que essa. O captador do braço da ARIA inclusive, tem mais definição e graves mais firmes (se bem que o captador está mais próximo da ponte que o da Epiphone LP)

75 comentários:

  1. Caramba Jack! Reportagem investigativa de primeira e extremamente esclarecedora. Para a molecada do fórum que quer se convencer de que as Epiphones soarão um dia como uma Gibson e os simuladores como amps valvulados e tudo isso por 1/5 do preço... Quem faz mágica?
    Abração e keep up with the amazing work!

    ResponderExcluir
  2. ..ja nasceu como cópia.. sempre será uma !

    ResponderExcluir
  3. Parabéns gostei muito da matéria, é sempre bom ver alguém desvendar alguns mitos rolam por ai!

    ResponderExcluir
  4. Tenho uma LP. Não vejo muita diferença entre ela e uma Gibson. Essa guitarra em particular foi feita na Korea... talvez a melhor safra da marca depois de ter saído dos EUA (não conheço as outras de perto). Ela tem um incrível sustain e uma tonalidade sempre macia (smooth), com ótima estabilidade de afinação, ação baixa em todo o comprimento da escala, o que lhe confere uma ótima sensação ao tocar, ou seja, é rápida pra quem gosta de fritar a escala. Nunca fiz qualquer regulagem ou ajuste nessa guitarra e ela permanece boa, e parece que é um daqueles instrumentos que ficam melhores com o passar dos anos. Enfim, toco essa marca com muito orgulho.
    De qualquer forma gostei da matéria que ensina "com quantos paus se faz uma LP"
    Abraço a todos que curtem essa paixão.

    ResponderExcluir
  5. Folli, as Coreanas são realmente melhores. Aliás, desde que a Gibson resolveu fazer essas Epiphones na Ásia, diversas fábricas já as produziram. Algumas excelentes, outras boas, a maioria ruins. É questão de sorte... Acho que esse post ajuda a separar o "joio do trigo" na hora de comprar uma Epi nova e ppte usada...
    Gostei do trocadilho "Com quantos paus se faz uma LP Epiphone"... :)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Sou obrigado a concordar com o Mauro ali em cima. Não adianta achar que equipamento de segunda linha vai soar como algo de primeira por um terço do preço. Não vai. Sem mais.
    Nessas horas, o barato muitas vezes sai muito caro, afinal logo logo o caboclo vai querer outra guitarra/amp pra substituir o que ele comprou, sem falar na insatisfação...

    ResponderExcluir
  7. Ola Paulo May
    Bem, acho que não falei tudo sobre essa Epiphone Les Paul. Pra ser justo e esclarecedor aqui, talvez deva descrever melhor a guitarra. Trata-se de uma edição comemorativa de 50 anos do modelo. O nome inteira da peça é "Les Paul Custom 50th Anniversary Edition" 1952-2002. Na verdade foram fabricadas apenas 2002 unidades dessa raridade. Então acho que os caras da Epiphone capricharam na encomenda e a entrega saiu a contento dos mais exigentes. Daí sua notável qualidade. Quem quiser conferir vide meu perfil e siga para o You Tube. Tem um vídeo gravado sem efeitos. A guitarra e um ampli Peavey com reverb... mais nada!
    Um grande abraço a todos e parabéns pelos posts. Já li quase todo o conteudo do blog.. Muito bom!

    ResponderExcluir
  8. Folli, não duvido que eventualmente uma Epiphone dessas séries especiais seja até melhor que uma Gibson padrão. Pela tua descrição, parece uma custom muito boa. Ela tem top de maple, afinal? Ou é baseada no modelo original da década de 50, só mogno? Chegastes a mudar os captadores?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Olá Paulo May. Prazer em falar com vc! Estive viajando por isso a demora em responder. O corpo e o braço são feitos em mahogany. Escala de rosewood. Block inlays de madrepérola e aqueles frisados brancos que adornam o contorno de todas as Customs. O head stock traz o logo da Epiphone e aqueles triângulos característicos entre as tarraxas, tudo feito em abalone num belo trabalho artesanal. Todas as LP dessa série são pretas (ebony) com hardware dourado. Não troquei os captadores. São originais dos modelos HOT na ponte e 57 no braço (epiphone). A parte de traz do corpo vem com várias gravuras mostrando fotos do Les Paul e sua "log", uma foto do modelo original com P-90s, alem de um texto contando a historia do modelo. Traz também uma foto com um anúncio da época. As tarraxas são da marca Grover, do modelo Imperial.
    Maiores detalhes do instrumento podem ser encontrados no site da Harmony, em: http://reviews.harmony-central.com/reviews/Guitar/product/Epiphone/50th+Anniversary+Les+Paul+Custom
    O site traz alguns reviews.
    Um grande abraço a todos os "loucos por guitarra".

    ResponderExcluir
  10. Com certeza essa é daquelas epiphones que os caras capricham de verdade, Folli, e elas pratiamente não se distinguem das Gibson. Só o fato de colocarem as Grover Imperial já mostra o nível de compromisso com a qualidade.
    Parabéns! :)

    ResponderExcluir
  11. Já tive 2 Gibsons e toquei em várias Epiphones, inclusive uma das serie especial de aniversário citada aqui. Na moral, a Epi's são boas guitarras mas nem essa chegou ao nível das Gib's. Usei Epi's Japonesas, Koreanas e Chinesas, nenhuma delas chegaram perto. A que mais agradou foi a da edição de aniversário, porém repito aqui não chega nem de longe perto da Classic 2003 muito menos da Custom Black Beauty 1957.

    ResponderExcluir
  12. Anônimo, :)
    Na real mesmo, é isso! Sou obrigado a concordar.

    ResponderExcluir
  13. Maravilha! Valeu pelo post. Estava pensando em pegar uma epiphone. O que acha da Shelter SX e da Nashville modelo Les Paul? Uma boa opção? Poderia escrever algo sobre? Obrigado!

    ResponderExcluir
  14. Oi Fábio, a Shelter SX SST57 já foi avaliada aqui, num post anterior:
    http://guitarra99.blogspot.com/2010/07/strato-sx-modificada.html

    A Nashville Les Paul tem corpo de basswood, uma madeira de baixa ressonância com sonoridade muito diferente da combinação original mogno/maple. De "Les Paul" mesmo, ela só tem o visual.
    Pessoalmente não gosto do Basswood, mas é uma boa madeira (principalmente se associada a um top de maple) para usar com captadores de alto ganho e estilos pesados/shreding, já que ressoa menos e gera menos harmônicos naturais.
    A guitarra do EVH (com top de maple), algumas do Steve Vai e acho que a maioria das do Joe Satriani são de basswood.

    ResponderExcluir
  15. Alguma boa alma que entenda mais que eu pode me dar uma opiniao sobre essa les paul epiphone..vale na pena o preço??agradeço
    abraço

    http://cidadesaopaulo.olx.com.br/gibson-les-paul-epiphone-otima-oportunidade-baixou-o-preco-iid-122634596

    ResponderExcluir
  16. ola, alguma boa alma que entenda de guitarra pode dar uma opiniao sobre essa les paul epiphoene..vale a pena!?
    valeu
    http://cidadesaopaulo.olx.com.br/gibson-les-paul-epiphone-otima-oportunidade-baixou-o-preco-iid-122634596

    ResponderExcluir
  17. Paulo May, sinceramente... depois de ler todos esses posts que fez, eu acredito que comprar um instrumento daqui para frente e ele ser bom é uma questão de sorte rss...

    Gostaria de ver um post sobre Fender/American Standard/Road Worn/´60 Classic Player Strat, e braço com acabamento em satin e verniz... se não for pedir muito rss...

    ResponderExcluir
  18. Sorte? Sim, mas principalmente "dinheiro"... :)
    As melhores madeiras, o melhor acabamento, hardware... Depois de anos tentando achar uma guitarra "fantástica" barata, cheguei à conclusão que toda guitarra barata é, via de regra, "barata"... :)
    Qto à Road Worn, se eu tivesse uma, com certeza faria um post sobre ela. Mas aqui eu só comento guitarras que possuo ou avalio pessoalmente. De outra forma, não seria muito honesto, não? :)
    Mas todos os testes que li foram positivos.

    ResponderExcluir
  19. Cara boa tarde,
    To em comprar uma LP na faixa dos 1.800, qual tu indicaria? Toco numa banda que faz um hard.
    Kêlabrás!

    ResponderExcluir
  20. Tiburcius, a escolha de uma guitarra é tão pessoal que evito indicar qualquer coisa... :)
    E também não posso indicar as que não conheço ou toco.
    Gosto muito da minha PRS SE, é uma guitarra muito boa, com construção, madeiras e sonoridade que se aproximam das LP (principalmente as singlecut: http://www.mensageiromusical.com.br/produto/g-24331.html) e por volta de 2.300 reais.
    Achei fantásticas as Ibanez ART 300 - preço, madeiras e qualidade de construção, só que os captadores são ativos - bem, ok para hard rock - tenho EMGs aqui e gosto muito.
    Na mesma loja, custam 1.700 reais: http://www.mensageiromusical.com.br/produto/g-24221.html
    Se conseguires uma LTD/ESP modelo EC 256 (ou melhor), também terás uma excelente guitarra:
    http://www.espguitars.com/guitars_ec.html
    O ideal entretanto é ires nas lojas e tocar, tocar e tocar... Podes até achar uma Epiphone legal :)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Tem como tirar uma radiografia do corpo da guitarra e ver se tem várias peças coladas?

    ResponderExcluir
  22. A radiografia provavelmente não mostrará a colagem. Seria útil para averiguar a presença de cavidades - vide o post sobre as câmaras e furos nas LP: http://guitarra99.blogspot.com/2010/04/vai-comprar-uma-lp-com-furos-ou-camaras.html
    Acredito que podes radiografar a guitarra em qualquer clínica radiológica - deve custar o mesmo que um RX de Tórax - talvez até mais barato, pois não haverá necessidade de laudo médico... :)

    Nas guitarras com cor sólida, acredito que somente retirando a tinta/verniz para visualizar as emendas...

    ResponderExcluir
  23. Muito bom!
    Mas gostaria de saber se tem alguma diferença entre essa 1956 e a 1957, onde muda o design dos captadores.
    Obrigado! (:

    ResponderExcluir
  24. Olá Paulo, muito bom blog!!!
    Minha primeira guitarra foi um Epiphone LP, comprada na Reference da Teodoro (SP). Não sei reconhecer o tipo de madeira, Ele tem aquela finalização lembrando a cor "madeira natural" mas seu corpo, pelo que percebi tem 5 partes. No headstock tem um simbolo da Custom Shop e fiquei curioso... posso ter comprado algo bom por um preço meia boca?

    ResponderExcluir
  25. Leonardo, até onde eu sei, não existem Epiphones "Custom Shop" reais. O selo "Custom Shop" (normalmente redondo e na parte de trás do headstock) é indevidamente usado em séries que apresentam apenas cores/pinturas especiais. Em suma, é uma guitarra comum de produção (isso explica as 5 emendas) com pintura especial.
    Infelizmente. Mas as Les Paul Epiphones definitivamente não são guitarras ruins (com exceção das mais baratas: Special, etc.).
    Atualmente, acho que a única Epiphone Les Paul que é feita com mais qualidade é a "Joe Bonamassa" e as signature em geral.

    ResponderExcluir
  26. Tudo bem, Paulo?
    depois de ler seu excelente post, fiquei com a ideia de que TODAS as Gibson eram feitas com uma só peça de mogno. Tenho uma Studio ("melhorada", com top de maple AAA e ferragens douradas - se bem me recordo é a Premium Plus) que tem o corpo montado em 3 peças de mogno coladas, o que é notado facilmente pelas costas do instrumento. As 3 peças tem granulação bem parecida e o sentido da fibra da madeira é uniforme (longitudinal) em todas as peças. Mesmo assim: 3 peças de madeira numa Gibson? Abraço!

    ResponderExcluir
  27. As únicas Gibson que têm peças únicas - e sólidas - de mogno são as Custom Shop, Cesar. As Standard têm geralmente duas + câmaras. As "Traditional", duas + furos.
    Já as "Studio" podem ter mais de duas e todas têm câmaras.
    Dê uma olhada nesse post do blog:
    http://guitarra99.blogspot.com/2010/04/vai-comprar-uma-lp-com-furos-ou-camaras.html
    Abraço!

    ResponderExcluir
  28. Olá, excelente post...
    agora pra vcs que sao entendedores melhores que eu:

    tenho uma epiphone koreana signature model do Slash, a snake pit model, feita em 97 ou 98... eu quero troca-la,
    ela tem o corpo da classic, que pelo que sei, é a mais simples das LPs....

    enfim, me ofereceram uma epiphone custom branca de 2009, chinesa...

    será que vale a pena pra mim?
    levando em conta que a minha está com trastes beeemmm gastos, tarrachas diferentes entre si enfim,
    gosto dela, do som do braço, mas quero troca-la,
    eu gosto mto do braço das stds...

    mas definitivamente NAO QUERO SAIR PERDENDO...

    que conselho vcs me dao?

    Obrigado a força meu amigos!

    ResponderExcluir
  29. Primeiro, Rafael, via de regra, guitarras coreanas costumam ser melhores que chinesas, ppte as madeiras. O ideal é colocares as duas juntas e comparares. Esqueça o resto - a que te sentires melhor e mais satisfeito será a TUA guitarra.
    Boa decisão! :)

    ResponderExcluir
  30. e ae Jack, blz?
    agora não sei se chamo e Jack ou de Paulo...:)

    eu sou o feijão perdido do forum da guitar player...

    como são as cavidades dos caps?
    os P-90´s são singles coils certo?
    será que é possível trocar por hambs??

    abraços

    ResponderExcluir
  31. Feijão, para colocar um humbucker no lugar de um P90, precisarás do auxílio de um luthier, pois o humbucker precisará de maior profundidade e largura (considerando o eixo central da guitarra). Por outro lado, vai sobrar um pouco no comprimento transversal, que pode ou não ser encoberto/escondido pela moldura do humbucker.
    Sim, o P-90 é um single coil, com timbre mais complexo e cheio que um single coil tipo Fender.
    Aqui tem um vídeo de uma Epiphone modificada:
    http://www.youtube.com/watch?v=i2knH7IuhwE
    Abraço!

    ResponderExcluir
  32. Dai velinho blz!!!!
    cara tenho uma Epiphone LP Standard 1998, porem ela não tem nenhuma indicação de origem a não ser número de serie e um adesivo escrito que foi inspecionada; bem vi que você fez uma lista com letras que indicariam a origem, então onde estaria esta letra? Na nota fiscal e em uns papeis que acompanhavam a guita (garantia, certificado..etc..que qualquer guri bota fora) em meados de 98 junto com o case, falava alguma coisa sobre Gibson Guitars Co. Made in USA...sabes me dizer algo sobre isto....valu abçs

    ResponderExcluir
  33. Referindo-me ainda ao comentário anterior, a guita pesa quase 6kg...abçs valeu!!!

    ResponderExcluir
  34. Villa,
    Estranho...Deveria ter as letras + a numeração.
    Existe um site onde tu digitas o número serial da Epiphone e um programa passa as infomações. Siga o link:
    http://guitardaterproject.org/epiphone.aspx

    Pelo menos, se pesa 6 kg, não deve ter câmaras ou furos! :)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  35. Paulo...decobri a letra e a numerção atras da mão grifado na guita mesmo, nunca havia notado isto até por que eu via a letra (I)como se fosse o nº 1...entao segue I 99050188...abçs se tiveres orkut me encontra em Gustavo Villa Real..PS apague este!

    ResponderExcluir
  36. Era só colocar o serial lá no site que indiquei. Segue a informação da tua Epi:

    "Guitar Info
    Your guitar was made at the
    Saein Plant, Korea
    May 1999
    Production Number: 0188"

    ResponderExcluir
  37. Depois desta excelente matéria resolvi dar mais uma olhada de perto na minha Les Paul Epiphone Standard. (Saein Plant, Korea
    October 1999
    Production Number: 3979 )

    Eu sempre gostei muito dela, gosto muito do seu timbre e sinceramente aos meus ouvidos (talvez destreinados) percebo pouca diferença a uma "original". Isso me deixa feliz, porque acho que mais do que o nome acho que importa a satisfação ao tocar e sentir o som de sua guita. Enfim, pelo que percebi na minha, aparentemente foram usados 2 partes de mogno. Eu sei que o tampo é normal ser em duas partes, mas o corpo aparenta ter emenda somente nesta mesma parte, bem no meio da guitarra. Acho que isso é bom, e que tive sorte de comprar uma boa Epi.

    Hoje queria muito comprar uma segunda guitarra, pensei muito em uma SG também da Epiphone, já que meu orçamento não pode passar muito destes 1500, mas as guitarras da Cort tem me chamado a atenção, gostei bastante da Zenox Z 44. Captação EMG e bom acamento... será que vale mais do que as Epis atuais?
    Grande abraço e obrigado pela reportagem.

    ResponderExcluir
  38. Parabéns pela boa Epi, Juliano. As CORT são definitivamente muito boas. Tenho 3 CORTS (2 estão postadas nesse blog) com materiais e acabamento excelentes, mas por incrível que pareça tive (e ainda tenho) dificuldade pra timbrá-las. Não sei se pelas escalas de 24 trastes das KX-5 e Custom e pela consiguração HSS da G260. O acabamento e construção da G260 é primoroso.
    O lance de comprares uma Zenox Z44 é que ela teria uma sonoridade semelhante à tua Epi

    ResponderExcluir
  39. Paulo

    Em termos de madeira e captação, as CORT são superiores às Fenders mexicanas e Epiphones Les Paul? Parabéns pelo excelente blog.

    ResponderExcluir
  40. É difícil fazer uma afirmação dessas, José. Mas se formos considerar as Epiphones e Fender MIM "Standard", eu diria que as Corts da mesma faixa de preço têm madeiras geralmente melhores sim. Ou, no mínimo, menos emendas...

    ResponderExcluir
  41. Captação? As Fender MIM standard têm captadores ruins de imã cerâmico e as Epiphones "Standard" pra baixo, humbuckers chineses de alnico mas de qualidade apenas razoável.
    A minha Cort KX Custom veio com Seymour Duncans americanos (JB e 59)

    ResponderExcluir
  42. Obrigado Paulo pelos esclarescimentos. E sobre a marca Vintage, tem a Les Paul V100, na mesma faixa de preço, saberias me dizer a respeito?

    ResponderExcluir
  43. A fabricação é chinesa mas controlada pela Wilkinson, que sempre teve um ótimo conceito de qualidade associada a um bom preço.
    No nível - senão melhores - que algumas Epi. No post mais recente, sobre as SX de alder (comentários) acabamos de discuti-las.

    ResponderExcluir
  44. José,
    As Cort são boas guitarras e os preços excelentes.
    As Walczak idem. Por uma questão puramente pessoal, não gosto do timbre do cedro e a maioria das Walczak são de cedro.

    ResponderExcluir
  45. Obrigado Paulo por estas informações. Agora vou experimentá-las nas lojas para tomar uma decisão. Valeu pela paciência, eheheh.

    ResponderExcluir
  46. Paulo, fui às lojas e não consegui testar a Cort CR280, as Walczak ficaram muito caras para mim. Mas aí experimentei uma Washburn acho que Idols Series, uma les paul um pouco diferente, com captadores S. Duncan, achei ótima a guitarra nesta faixa de preço de 1.400,00. Tu terias como me dizer se elas são de madeiras de boa qualidade e bom processo de fabricação? Ainda assim as Cort são superiores? Obrigado

    ResponderExcluir
  47. Não conheço a linha Idol pessoalmente, José, e existem vários modelos.
    Veja qual é e pesquise as especificações na internet.
    Mas o mais importante é que gosteste dela. É meio caminho andado :)

    ResponderExcluir
  48. Valeu Paulo, realmente gostei muito do timbre dela, mas vou pesquisar mais sobre ela. Abraço

    ResponderExcluir
  49. Olá Paulo.
    Queria uma opinião sobre a EPI Black Beauty, sei que as novas são chinesas e tal, mas no final do ano testei uma e achei muito boa mesmo, muito melhor que a PRS que também testei no mesmo dia. Estava até decidido em comprar uma mas lendo seu post fiquei na dúvida se vale a pena.
    Outra pergunta, entre a Black Beauty e a Joe Bonamassa qual você prefere e porque?
    Abraço

    ResponderExcluir
  50. Leandro, nunca avaliei/toquei uma dessas. As Epi são guitarras muito boas e com controle de qualidade Gibson. Se o som dessa tava legal, cara, manda bala! :)

    A Joe Bonamassa tem - a pedido dele - tendão longo (long tenon) de contato entre braço e corpo (vide um dos posts iniciais desse blog), típico das Les Paul clássicas. Esse detalhe melhora muito o sustain e o timbre em geral. Não acredito que os outros modelos tenham isso. A junção de contato é mais curta. Além disso, é feita nas medidas da (excepcional) guitarra dele.

    ResponderExcluir
  51. Olá Paulo, estou procurando uma guitarra Epiphone Les Paul para comprar. Porem, na loja vi 3 modelos que me interessaram, mas o numero de serie delas não encontrei em nenhum lugar como saber de onde é e qual o ano de fabricação. Não sei nem mesmo se são reais ou fakes. Os numeros de serie são 10101512981, 10121510926 e 11031506691. Como vê, elas não tem letras no inicio. Você pode me ajudar? No aguardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O site: http://guitardaterproject.org/epiphone.aspx
      não reconhece esses números. E até onde eu sei, sempre há uma ou duas letras de prefixo.

      São modelos Les Paul Standard ou Custom? A loja "deveria" ter mais informações da procedência. De qualquer jeito, se foram feitas nos últimos 5 anos pelo menos, são da fábrica chinesa da Gibson/Epiphone.

      Podes também entrar em contato com o revendedor/representante da Epiphone no Brasil.

      Excluir
  52. Paulo, precisaria de uma ajuda para identificar uma LP a venda. Busquei referencia de S/N e detalhes, mas estou em duvida sobre o valor e autenticidade. Nao poderei ir ver pessoalmente a guitarra e terei que comprar a distancia. obrigado, floncke@uol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou especialista em identificação de guitarras, meu caro - ainda mais por fotos.
      Além disso, infelizmente, não tenho tempo para contatos pessoais via e-mail.
      Poste a tua pergunta e os repectivos links no fórum da GP, por favor.

      Excluir
  53. Prezado Paulo,

    Primeiro, parabéns pelo excelente blog. As análises feitas aqui são realmente esclarecedoras.

    Estou olhando uma Epi amber (aquela amarela) pra comprar, no valor de R$ 2.500,00. Consta que foi fabricada na Indonésia. As tarraxas são da marca grover.
    Vi que o corpo da guitarra possui cinco pedaços, observando as emendas.

    Gostaria de saber sua opinião sobre a qualidade e o preço da guitarra.

    Abraço

    FAbiano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, a minha resposta tá no próprio text do post:
      "Pois é... A pergunta que não quer se calar é: "Será que essa guitarra vale realmente mais de 2.000 reais?"
      Eu não pagaria..."

      2.500 por uma guitarra feita com cinco pedaços de mogno é f... :)

      Excluir
  54. ola eu gostaria de saber aonde sao feitas as epiphones joe bonamassa ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá no post: Numa fábrica própria na China, em Qingdao.

      Excluir
  55. Olá Paulo, costumo ler o blog, mas este post eu nunca tinha visto.
    Minha paixão por guitarras começou cedo, e a admiração pelo modelo Les Paul veio naturalmente, mas na época que ganhei minha primeira guitarra, dada pelo meu pai (há 18 anos), ele obviamente não ia gastar 1200 dólares em uma guitarra para um iniciante, busquei opções no mercado, foi quando eu descobri a Epiphone.
    Ganhei a Les Paul Special, e como todos sabem ela tinha o corpo laminado, sendo assim, aquele blá blá blá...
    Eu pesquisei mais, e comecei a desenvolver um interesse muito grande pela marca.
    Minha segunda Epiphone foi uma SG, special tb. Ela tem o corpo laminado, mas não tira meu carinho por ela, afinal foi a primeira guitarra que eu comprei com o suor do meu estágio. rs.
    Vou dar a minha visão, e detalhes técnicos, sobre as MINHAS guitarras, assim fica mais fácil do que ficar julgando a guitarra de Fulano ou Ciclano.
    Minha Epiphone Les Paul Custom não tem emendas no corpo, tem o som encorpado que uma Les Paul tem que ter, porem é perceptível a união do headstock com o braço, por conta desse tipo de colagem que a Epiphone usa, é até comum vermos braços com pequenas fissuras ou até o rompimento total do headstock com o braço se não tomado o devido cuidado no transporte.
    Detalhe, tanto a SG Special, quanto a Les Paul Special tem o mesmo tipo de união (headstock + braço colado).
    Outra Epiphone muito interessante que eu tenho é uma Wilshire, ela também tem o corpo de mogno sem emendas. Tenho também uma Epiphone Casino 50th Anniversary, a guitarra é simplesmente fantástica, os P-90 Dog Ear da Gibson no corpo totalmente vazado, é uma experiência única. E a união do braço? Sim é a mesma união colada... mas não diminui o tesão da guitarra.
    Eu particularmente, nunca tinha vista uma Epiphone, com tantas emendas no corpo (tirando os modelos Special), parece uma Frankstein, porem algo que ninguém costuma comentar, é que existem alguns sites na internet que vendem além de Gibson, também Epiphone falsas, sim Epiphone falsas!
    Elas são feitas na China, na mesma fabriqueta que a Gibson falsa, e tem o preço só um pouco mais em conta do que as Epiphone na loja, e o mais curioso é que o modelo da Epiphone que eles mais divulgam nesses sites adivinha só: é a Gold Top.
    Inclusive eu acho que a minha SG Special também deve ter vindo de alguma fabriqueta dessas, é a única Epiphone que não consigo rastrear o ano e o local de fabricação, e sim, ela tem a qualidade inferior do que as outras.
    Não estou querendo dizer aqui que as minhas, ou outras Epiphones são melhores ou iguais as Gibson, isso dificilmente vai acontecer, a coisa só não é tão discrepante como dizem, isso depende do modelo e procedência da Epiphone adquirida.
    A Epiphone não nasceu copiando, como dito em um comentário deste post, eu sei que quem vive de história é museu, mas na época em que as archtop reinavam, a única marca que fazia frente para a Gibson era a Epiphone.
    E outro fato importante a ser dito é que a Epiphone, nunca foi, nem é hoje propriedade da Gibson, e sim do mesmo grupo que é dono da Gibson.
    Tornei-me um grande fã da marca, e as únicas guitarras que me satisfazem tanto quanto as minhas Epi´s é quando estou tocando as minhas Fender Tele deluxe e tele american standard.
    Um grande abraço.


    Bruno.

    ResponderExcluir
  56. "E outro fato importante a ser dito é que a Epiphone, nunca foi, nem é hoje propriedade da Gibson, e sim do mesmo grupo que é dono da Gibson..."

    Sim, Bruno, assim como a Squire não é da Fender e sim do grupo que é dono da Fender (Weston Presidio/Yamano Music).

    Obrigado pelos comentário precisos e interessantes - isso só valoriza o blog!

    ResponderExcluir
  57. Por favor pessoal comprei Uma less paul standart no ebay de um americano tentei descobrir qual o pais que ela foi feita mas o serial que esta no braço é esse 0905121203 Não tem letras so numeros alguem tem uma idea?

    ResponderExcluir
  58. Cara, eu ja peguei uma Shelter Nashville Les Paul e fiquei muito decepcionado, pois o corpo era basswood com 6 emendas, mas o pior de tudo.. O top da guitarra em MDF !!!! Parecendo um tipo de papelão grosso prensado, horrivel !!! Foi só tirar o cap que ja deu p ver o MDF... Guitarra em MDF só serve para fazer fogueira em festa junina rsrsrs. Pensei que era azar unico e exclusivamente meu em ter um exemplar Shelter (com um escrito hand made in USA no headstock,da para acreditar ?? rsrs ela com ctza é fabricada na china) com o top em MDF, mas quando fui vender ela no OLX uma outra pessoa me disse que tinha adquirido o mesmo modelo "Shelter Nashville Les Paul" e tinha constatado a mesma "desgraça" de top em MDF. Falam tão bem das Shelters , mas que fique a dica para quem eventualmente ler esse comentário.. CUIDADO COM A SHELTER LP COM TOP DE MDF.. Fiquem de olho . Parabéns ao blog, muito melhor que aquele FCC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei que todo mundo já sabia que a linha Nashville da Shelter é ruim. Nem deveriam chamar essa guitarra de "modelo Les Paul".
      É sempre bom ler as especificações antes de comprar.

      Excluir
  59. Amigo. tenho uma Les Paul Standart 12 cordas que gostaria de saber o ano e nacionaldiade dela. Pelo numero de série não identificou no link que colocou no post. Pode me dar uma ajuda? Estou colocando ela a venda e gostaria de me basear para formar o preço. seu número de série é U98111629. Se puder me ajudar pode me responder no e-mail vitorcastilheiro@hotmail.com?

    ResponderExcluir
  60. e pelo que verifiquei ela tem somente uma emenda logitudinal da base até o braço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara já posso te confirmar que ela é da korea pois, a minha começa também com U.
      Abraço!

      Excluir
    2. Your guitar was made at the
      Unsung Plant, Korea
      November 1998
      Production Number: 1629

      Abraço!

      Excluir
    3. Obrigado pela ajuda, Maurício! :)

      Excluir
  61. Jovem! Comprei usada esse mês uma Epiphone Stratocaster (sim, strato) usada, por 400 reais. Comprei porque gostei do som que ela fez, e tinha consciência do que ela era. E essa foi a parte interessante.
    O antigo dono não sabia nada sobre ela, eu que descobri tudo. Ela é uma Epiphone Stratocaster FAT-210 fabricada em 1999 em Jakarta. Corpo em Alder Laminado, vermelha, porém foram feitas duas listras (uma amarela e outra azul/verde) com tinta esmalte e um acabamento extremamente porco. Pelo menos o Humbucker dela tem um timbre que eu gostei muito, e no braço veio um captador Cabrera que eu ainda não identifiquei modelo.
    Considerando a pintura, pretendo removê-la e farei fotos do processo.
    Te pergunto: o que tu sabe sobre estas guitarras? Já teve contato? Estou querendo investir nela e já achei muitas orientações no teu blog. Se te interessares, mando fotos, vídeos, o que tu quiser se tu achar que é um caso interessante. Abraço e continue com o bom trabalho aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma Epi feita pela Samick na fábrica da Indonésia, Zed. O headstock é aquele tipo "asa de morcego", não?
      Pena que o corpo é laminado, então tem muita cola ali.
      Mas, se o braço tá legal, acho que vale a pena colocares um bloco pesado de aço nela - vai melhorar bastante a sonoridade.

      Excluir
  62. opa, tudo bom?! meu nome eh Felipe e estava com uma duvida, precisava de uma opinião de alguém mais experiente. possuo uma Epiphone Les Paul (já tem mais de 10 anos) creio que seja o modelo classic; gosto muito dessa guitarra mas ultimamente tenho pensado em trocar os captadores dela. Busco um som mais agressivo com bons harmônicos no cap da ponte, e no do braço um som clean um pouco mais cristalino, não tao gordo, com uma distocao talvez mais cremosa. Pensei em coloca um Gibson 500t na ponte e estava entre um Seymour Duncan Alnico pro 2, um jazz ou talvez um Gibson 498. O que você acha dessas opções? tem alguma outra? Espero gastar no máximo 250 dólares nos dois.

    Grato, atenciosamente, Felipe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, seu julagemtno está correto! O Alnico II Pro realmente vai te dar um som com um pouco mais de detalhe nos agudos e no som limpo sem comprometer o som com mais ganho. Na ponte o 500T seria uma opção, mas eu acho que recomendaria o Duncan Distortion (SH-6) no seu lugar pois acho que o 500T soa um pouco "gripado" demais nos médios pro meu gosto. Acho o que o Duncan Distortion soa maior sem perder a agressividade! :-)

      Excluir
  63. Tudo bem, concordo que as Epiphones não são Gibson mas são excelentes guitarras e não tem nenhuma nacional ou importada que não seja gibson para chegar perto delas!!!!
    Abs.

    ResponderExcluir
  64. tudo bem..bla bla bla! Este lance de madeira existe. mas isso é para depois de tocar muito..conheço poucos que a madeira vai fazer muita diferença. Compre um ampli bom e uns caps bons e aprenda a tocar..daí comece a pensar em madeira. . a 3 meses atrás tive a oportunidade que fazer uma jam com o nelson aquirre e ele tocou na minha vintage les paul com SD 59 set..ele tocou dai me disse..espera um minuto e pegou uma Gibson de primeira..Ele disse ..está sua guitarra é melhor que está minha...mas aposto que ele toca em qualquer guitarra media e detona,,pois continua tocando no seu. Muita frescura. E outra coisa regulem suas guitarras sozinhos..qualquer pessoa com vontade aprende..profissionais são para troca de frets..coisas pesadas...e pratiquem..depois pensem na madeira!

    ResponderExcluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".