segunda-feira, 17 de outubro de 2011

As Crônicas do Cedro - (1º capítulo)

(obs: antes de fazer perguntas e ou postar comentários, leia aqui: CLIQUE)
     




        Acabei de ressuscitar uma Telecaster com corpo de Cedro, que cismava em soar mal. Mesmo depois de umas 5 tentativas de captadores, não tinha jeito. Semana passada resolvi colocar aquele braço da SX (postado aqui) que estava sobrando, e mais algumas peças, também "sobrantes". Dessa vez, tinha certeza que o captador do braço seria um P-90 e separei o meu humbucker mais agudo e rabugento pra colocar na ponte.
Tudo isso iria para um corpo de Telecaster de (suposto) Tauari, que acabou ficando muito pesado (quase 5 kg) e com timbre feio, abafado. Abafado por abafado, prefiro o Cedro! :)

Quando acabei de montá-la, liguei no amp sem muita esperança, mas me surpreendi com a sonoridade! Comparei com várias guitarras boas que tenho e o timbre dessa tele de cedro está praticamente à altura de todas elas. É um meio termo entre a Les Paul e a Telecaster padrão.
Como já apanhei muito do cedro, tomei o cuidado de colocar um pot de volume com 560k e capacitor de .022. Ajudou a abrir um pouco mais o timbre.

        No fórum da Guitar Player já fiquei conhecido como "o cara que não gosta de cedro" :). Tudo porque há uns 7 anos, quando era apenas um guitarrista sem nenhum conhecimento de luthieria, resolvi finalmente ter uma strato e conclui que uma de luthier seria ideal. Nem me lembro se a palavra "cedro" foi mencionada, mas na época não tinha a mínima noção da importância das madeiras.
Gastei quase o mesmo valor de uma Fender americana importada e o resultado foi terrível - uma strato SEM som de strato.
Depois de umas 20 tentativas frustradas para fazê-la soar bem, fui pesquisar... Santa cultura! Aos poucos, fui entendo porque ela não soava como strato: corpo de cedro, braço de marfim, captadores Seymour Duncan Quarter Pound/Blackmore, ponte Wilkinson VS50 (esse modelo nunca engoli - muito bem feito, mas...).
De início, pensei: "Ahá! É só trocar os captadores!". Troquei e nada, abafada, sem muito estalo... Até que troquei o corpo de cedro por um de alder e a mágica aconteceu.

Ainda fiz mais 2 tentativas com cedro, dessa vez com tops de outras madeiras para tentar jogar brilho no timbre: Cedro+Marfim (essa tele), Cedro+Imbuia. Nada. Com um EQ paramétrico, consegui identificar uma falta de força nos médio-agudos, entre 1600 e 2000 Hz, centrado em 1850 Hz. As 3 guitarras tinham essa característica. Todos os corpos de cedro foram para o "depósito"...

        Há uns 4 meses, peguei o corpo da minha strato de cedro e percebi que o cheiro característico (de sauna) do cedro havia diminuido muito. Coloquei um braço de maple/maple e ao tocá-la (captadores StewMac Golden Age) percebi uma boa melhora no timbre. Imediatamente pluguei a minha strato de alder e somente com as duas, lado a lado, é que consegui perceber que aquela deficiência de médio-agudos ainda estava lá, mas mais sutil. Se não estivesse ouvindo a de alder junto, juraria que o som era de uma strato perfeita... :)
Acredito que o maple tenha equilibrado o timbre do cedro.

Fiquei com uma pulga atrás da orelha e resolvi ressuscitar as outras duas. A Tele foi uma grata surpresa - tá com um timbre muito legal, principalmente por causa do braço de maple/maple. Ficou tão boa que vou investir numa troca de trastes (com luthier - não tenho capacidade técnica pra isso) - 3 deles estão levantados e se tem uma coisa que me irrita é traste mal colocado/nivelado. Coisa de guitarra (SX) chinesa barata.
Já uma custom HH, cedro rosa com top de imbuia (o timbre da imbuia não ajuda muito nos agudos), continuou abafada - mas nela coloquei uma braço de maple (fino) com rosewood.



O que será que aconteceu? O cedro envelheceu, secou mais ainda (mas já estavam bem secos, segundo os luthiers) ou foi o acréscimo do maple?
Não sei ao certo. Ainda acho o cedro deficiente nos médio-agudos (há quem goste dessa característica) e o Alder e Ash bem melhores, principalmente para guitarras estilo Fender, mas pra quem jurou que nunca mais tocaria numa guitarra de cedro, tô mordendo a língua, kkk...

56 comentários:

  1. Mano amigo meu, curto muito seus relatos, porém, eu sempre discordei da tua cisma com o cedro. Eu acredito que outro fator pode ser sua própria audição e tolerância às frequências do cedro. Com o tempo nós mudamos, junto com nossos equipamentos. Tenho uma Gibson SG Special com seus captadores originais, e esta eu já odiei e amei o timbre muitas vezes. Isso eh muito engraçado. Já uma Cort M600T que sempre gostei, ultimamente ando usando menos. Realmente, a gente muda pra caramba ao passar dos tempos. Agora eu queria te cobrar um áudio dessa Telecaster... tem como?

    ResponderExcluir
  2. Sim, o gosto muda e os ouvidos Às vezes nos enganam... :)
    Algumas guitarras entretanto, sempre soaram bem, independente da época, humor, lua... :)
    Acabei de entregar a guitarra para o luthier trocar os trastes (aproveito para colocar jumbo).
    Assim que voltar, coloco os samples. Mas o timbre da ponte tá muito parecido com o da LP Júnior postada anteriormente.

    ResponderExcluir
  3. Saudações Paulo May !
    Interessante este teu tópico. Estou a construir (handmade-primeira experiência) uma telecaster com corpo de cedro rosa, "top traseiro" de cerejeira e braço de marfim. Apesar das diferenças entre o cedro e a dupla ash/alder, acreditava que o marfim fosse similar ao maple para aplicações em stratos/teles com som clássico, inclusive achei que seria uma boa opção também em tops para corpos, com o intuito de equilibrar o som adicionando agudos. Não sou luthier, estas são apenas as minhas referências.
    No mais, fica uma dica de site, relacionado com o teu problema no bloco da ponte para o corpo 40mm:

    guitarraprofesional.com/Bloque/Bloque.htm

    E continuarei aguardando os próximos capítulos, sempre aprendo muito com o teu blog.
    Abraço,
    Anderson

    ResponderExcluir
  4. Anderson, já tentei tops de marfim com cedro e até mogno. Nas duas situações o marfim não acrescentou nada de bom no timbre, apenas mais peso na guitarra. Até onde conclui, marfim é legal apenas para braço, desde que a madeira da escala seja adequada.

    ResponderExcluir
  5. Paulo o cedro mesmo depois de seco continua cheirando a sauna, já cortei cedro com 20 anos de cortado e ele continuava cheirando, fico pensando que mistério seria esse da repentina melhora do timbre...rsrs.

    ResponderExcluir
  6. Luiz, das 3, duas delas eram não têm pintura - madeira praticamente exposta - imagine as 3 juntas, numa sala fechada... :) Sauna perde!! Parece incenso!kkkk
    Essa Strato, mesmo pintada, dava pra sentir o cheiro a 1 metro de distância. Agora, tem que colar o nariz.
    Mas ela ficou durante uns 6 meses, incluindo o verão, no sotão ultra quente do meu luthier. Talvez tenha sido isso, não sei.

    ResponderExcluir
  7. Como diria um grande locutor.....ISSO É UM MISTÉRIO......

    ResponderExcluir
  8. Hm, tenho uma antiga Giannini em cedro, e hoje fui trocar um parafuso do escudo, e aproveitei para dar uma boa "respirada" perto...Não senti o tal cheiro de sauna. Fiquei procurando, e o lugar que tem o cheiro mais forte, é perto do bloco da ponte, pois tem a madeira sem acabamento. O cheiro é de madeira mesmo, tipo aquele que se sente na seção de portas das lojas de materiais de construção.
    Será a idade (+ou- 20 anos)?

    ResponderExcluir
  9. Lucas o cheiro da camada superficial enfraquece mesmo com o tempo, mas basta uma pequena raspagem ou corte na madeira para o cheiro vir a tona, por isso digo o cheiro da madeira não some, o que some é apenas o cheiro da superfície exposta da madeira.

    ResponderExcluir
  10. Amigos, como vcs veem o cedro utilizado para contrabaixo de 4 cordas ? Pesquisando na net,acabei caindo aqui neste otimo blog. Em foruns o pessoal diz ser quase a mesma coisa, o Cedro e ASH. O que varia é o como comentaram ai em cima, o ouvido do musico. Alguem se habilita a comentar o cedro para contra-baixo. Estava quase comprando um Zaganin Jazz Bass com corpo em cedro

    ResponderExcluir
  11. Caro Paulo,
    Descobri seu blog essa semana e gostei muito.
    Gostaria de saber se você faz guitarras por encomenda?
    Se sim, é porque estou queria encomendar uma..
    Atenciosamente,
    João

    ResponderExcluir
  12. Queria saber que tipo de alcool usou com a anilinia quando pintou a Telecaster que montou. Tenho um baixo Cort GB 75, primo da guita G 260, estou pensando em tingir ele de verde ou azul usando anilina (será que vai funcionar?)

    ResponderExcluir
  13. Anônimo do baixo de cedro: nunca toquei num desses, então não arrisco comentários, mas o blog tá aberto pra quem já experimentou.

    João:Não conseguiria fazer uma guitarra sozinho e nem é o meu objetivo. Consigo montar, regular e tunar guitarras apenas, e por hobby.
    Vou postar em breve 3 guitarras feitas pelo luthier Cavalheiro e finalizadas por mim. Tenho certeza que vais querer fazer uma guitarra com ele... :)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Luiz, o recomendado é álcool puro, para imediata evaporação, mas eu tenho usado o Coperalcool com 92,8º, sem problemas. Use luvas porque anilina na pele só sai depois de uma semana!kkk
    Obs: a anilina deve ser aplicada direto na madeira - caso exista, tens que retirar qualquer material da superfície antes. Após a aplicação, vai faltar brilho pra "acender" a cor. É onde podemos aplicar cera (menos brilho) ou verniz incolor (bem brilhante). Pra aplicar verniz tem que ter uma certa experiência.

    ResponderExcluir
  15. Então, vc tem uma G 260 (ou teve), tu viu se ali na madeira tinha alguma camada que vá deixar ruim quando for aplicar a anilina?

    ResponderExcluir
  16. Jack, como sempre divertidos e instrutivos os seus posts. Parabéns. Valeu. Ruy.

    ResponderExcluir
  17. Luiz, a minha G260 preta parece "natural", mas tem verniz sim, e o baixo deve ter também. Eles mencionam no site o acabamento "open pore"/natural, mas é verniz em pequena quantidade, que deve ser fácil de retirar com lixa.
    Podes tentar tingir assim mesmo, mas creio que não vai pegar.

    Ruy: Valeu! :)

    ResponderExcluir
  18. Paulo,

    Muito obrigado pela atenção.
    Vou procurar saber mais sobre o luthier.
    Grato!
    João

    ResponderExcluir
  19. Paulo,

    Vc comentou sobre o P90 na ponte... isso teria alguma coisa a ver com as características do captador que poderiam amenizar a baixa resposta médio-aguda do cedro?

    Abraços

    PS: Aqui é Pedro Dias do blog Os velvetes. Desde semana passada que não estou conseguindo "logar" no blogger.

    ResponderExcluir
  20. Corrigindo...

    P90 no braço!!!!

    Pedro

    ResponderExcluir
  21. O P90 tem geralmente mais médios e definição que o humbucker, Pedro, por isso acredito que a tua conjectura esteja correta. Mesmo assim, ele ficou legal na tele de cedro mas mais macio que nas outras com P90. :)

    ResponderExcluir
  22. Paulo,

    Quem teria uma resposta melhor de médios pra "salvar" o Cedro:

    P90 ou single de Telecaster?

    Pedro

    ResponderExcluir
  23. Pedro, já tô numa fase de não reclamar mais do Cedro... :)
    Independente do captador que uses, sempre faltará um pouco de "claridade" nos médios. Mas nesse caso - e acho que continuas te referindo à posição do braço - o P-90 Kent Armstrong soa mais forte e "rouco" nessa região. O single clássico, com capinha, é meio abafado por natureza, imagine com o cedro... :)

    ResponderExcluir
  24. Paulo,

    Insisti no Cedro - P90 né!

    Aquele projeto meu da Telecaster de Marupá ou Freijó acabou sendo de cedro mesmo (visto que consegui uma peça inteira de tamanho adequado e seca).

    já estava de olho nesse P90 KA, daí fiquei preocupado com o som dele no cedro.

    Seja o que Deus quiser!!!

    Abraços e muito obrigado.

    Pedro

    ResponderExcluir
  25. Ninguém sabe com certeza como será a sonoridade de uma guitarra exceto depois dela pronta, Pedro. :)
    Dá pra ter uma idéia, mas nunca certeza. Lembro-te que essa tele tem um top de 5mm de marfim (embora eu não ache que acrescente grande coisa)

    Use potenciômetros de 500k e capacitor de no máximo .033uF.

    ResponderExcluir
  26. Esse seu cedro é estranho, pois o que tem cheiro de sauna é o eucalipto! O Cedro tem um cheiro e gosto extremamente amargo que fica no nariz e na garganta depois que você trabalha a madeira! Além disso existem o Cedro(australiano) e o Cedro-Rosa(nativo).

    ResponderExcluir
  27. Alguém aqui sabe uma madeira boa pra deixar uma guitarra com o timbre parecido com a guitarra do brian may?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A madeira mais usada na Red Special é o "Carvalho", retirado de uma lareira muito antiga (portanto, a madeira estava extremamente seca). Mas existem inúmeros outros fatores que caracterizam a sonoridade dela, ppte os captadores.

      Excluir
    2. Muito obrigado pela resposta

      Excluir
  28. Fala Paulo! Beleza? Então, pouco antes de montar minha fender, ganhei uma Giannini stratosonic (aquela dos anos 90, que antecedeu a fender southcross).. corpo em cedro, braço em marfim, escala em pau ferro e uma ponte legal com bloco de ferro, bem pesado por sinal. A parte elétrica dela já tava bem velha e falhando, hoje resolvi refazer a parte eletrica, mas antes dei uma regulada no braço e senti uma boa melhora no timbre dela, meio abafado ainda talvez por causa da captação ruim. Mas enfim, to achando que um up nela o timbre ficaria bem legal, se aproximando da fender. Vou refazer a parte elétrica e tudo mais, você tem alguma dica pra esse upgrade? To querendo colocar uns caps Rosar e capacitores de 0.22

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda tô pra ouvir uma strato de cedro soar realmente bem com 3 singles, Víctor. :)
      Os Rosar Fullerton soam bem com a maioria das madeiras, inclusive cedro.
      Se ela tá mais fechada, capacitores de .022 são ideais.

      Excluir
  29. amigo,primeiramente ,gostei muito do seu relato,estou muito esteressado no assunto,inclusive estou iniciando um "projeto" ,irei tentar fazer uma les paul com algumas madeiras de um armario , que meu pai ganhou no seu casamento,a mais de 40 anos atrás.Ainda não tenho certeza ,mas acho que é cedro.queria ter certeza,será que vc pode me da uma dica a mais de como identificar essa madeira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cedro tem um cheiro extremamente característico. Basta ires numa madeireira ou em alguma loja de móveis artesanais e cheirá-lo (discretamente, é claro :) ) - nunca mais esquecerás e ficará fácil identificá-lo, depois.
      O aspecto varia um pouco e depende da região, mas para o visual é só checares as imagens na internet;

      Excluir
    2. ...Obviamente o armário do teu pai deve estar envernizado, né... Tens que cheirar alguma parte exposta dele. Se necessário, raspe um pouco do verniz e exponha a madeira.

      Excluir
  30. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  32. De que marca é esse P-90? Vou fazer uma tele handmade de cedro e acho que usar o braço da minha strato da SX que é de maple. Tava pesquisando captadores, mas tem P-90s de muitas marcas. Quero um que seja decente. Mas não muito caro. Não quero padrão fender também. eawuheauws Tem alguma dica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P-90 Kent Armstrong - imãs de alnico V, bom e barato,

      Excluir
  33. Olá Paulo!
    Fui obrigado cortar uma arvore de cedro rosa aqui em casa que deve ter uns 30 anos, e depois de "picar" para lenha a maior parte dela, me ocorreu que o tal cedro é muito usado para instrumentos, e apesar de eu não ser e nem entender nada de luthieria, sou guitarrista, e adoro fuçar nas minhas guitas, o caso é que tenho o tronco do tal cedro que dá pra tirar ao menos umas 50 pçs maciça para corpo.
    Tava pensando em guardar esse tronco para quem sabe um dia fazer umas guitas dele, gostaria de saber se tem alguma dica de qual a melhor forma de cortá-lo, armazená-lo, e quanto tempo leva pra secar ao ponto pra construir instrumentos dele?
    Obrigado, Parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) ... Nunca tive que estudar essa parte, já que dificilmente me depararia com uma árvore só pra mim :)
      Mas é uma informação que deve ser fácil de achar na internet. Hoje em dia a maior parte das madeiras é seca em auto claves especiais. Em último caso, qualquer madeireira resolve a tua dúvida.

      Excluir
  34. Boa noite amigos, vc menciona potenciômetro de 560K andei procurando e não encontrei nem cheiro rsrs.... Poderia indicar site ou loja onde eu possa comprar???
    Desde já agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 560k porque veio errado de fábrica. Teoricamente, são todos de 500k +/- 15%. Qto maior o valor, mais agudo deixa passar.

      Excluir
  35. Respostas
    1. Não avaliamos instrumentos que não possuímos/tocamos, Maurício. Ainda mais avaliação de custos - que não é objetivo desse blog. Desculpe.

      Excluir
  36. Paulo, acompanho seu Blog há alguns anos mas é a primeira vez que comento. tenho uma tagima antes da era marutec de cedro com marfim tarraxas com trava e nut de latão. os caps são ceramicos com assinatura do seizi tagima. Uma maneira de equilibrar esse abafamento é colocar os graves e medios no talo e os agudos pouco mais da metade no amp... Estou em dúvida quanto a fazer um upgrade nela ou vender para ter uma fender...decisão difícil. Parabéns pelo Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodney, se desejas uma sonoridade clássica de strato, é (muito) provável que jamais vais consegui-la com essa strato. Corpo de cedro com braço de marfim é uma combinação terrível, infelizmente é dominante nesse país.
      Se lês o blog então sabes que a tua guitarra tem 3 coisas que eu definitivamente não gosto para teles e stratos - cedro, marfim e captadores cerâmicos... :)
      Mas gosto é gosto...

      Excluir
  37. Paulo, muito bacana este post.

    Cheguei a estranhar ao ler seu comentário positivo, por mínimo que seja, ao timbre de um guitarra com corpo em cedro.
    De certa forma me incentivou a tentar investir em uma aguitarra, a qual estava pensando em me desfazer, apesar de gostar muito da sua pegada e de seu timbre com um drive, seu clean me incomoda bastante, muito abafado e praticamente sem brilho.
    Eu sei que de certa forma é característica do modelo les paul, mas queria abrir um pouco mais seu timbre, adicionando um pouco mais de agudo, brilho.

    Trata-se de um Les Paul da ASW, corpo e braço em cedro rosa.
    Acredito que minha única alternativa para este objetivo é trocar a captação e a partir daí, se possível, gostaria que você me indicasse algum captador com essa característica.

    Estou bastante tentado ao Malagoli HH777. Pelas informações que vi no site e vídeos no youtube ele possui tais características. No mais se você puder me recomendar algo ficarei muito grato.

    Quanto a mudança do valor do capacitor seria uma boa alternativa para adicionar um pouco mais de agudo e brilho ?

    Desde já, muito obrigado Paulo.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ailton, acho que a conclusão principal de todo o blog é que "não dá pra ter certeza do timbre final" de nada. O objetivo aqui é fornecer uma experiência pessoal que ajude os leitores a minimizar os erros - ou potencializar os acertos...
      Por exemplo, sei que o HH777 tem uma certa semelhança com o Seymour JB e não tem agudos sobrando, portanto apostaria que ele não é a solução para o teu problema.
      Atualmente, tenho a convicção de que não dá pra transformar uma guitarra ruim numa boa. Mas dá pra melhorar, se valer a pena ao interessado. Quanto melhora? Não sei...
      O blog tem essa "falha" inerente - a informação nunca é absoluta :)

      PS: atualmente também não tenho mais nenhuma guitarra de cedro montada - desisti de vez!

      Excluir
  38. Boa tarde a todos!
    Achei o blog muito interessante, ainda mais porque pretendo construir uma guitarra com corpo em Cedro Rosa!
    Pelo o que percebi as guitarras de Cedro de vocês tem uma certa ausência de agudos e médio-agudos.
    Andei estudando muito sobre o assunto e percebi que talvez vocês estejam usando Cedro com escala em Rosewood por isso o timbre médio-grave do Cedro fique ainda mais ressaltado já que a frequência do Rosewood e "Parecida" mais médio-graves.
    Eu pensei em colocar uma escala de Ébano para dar mais agudos!
    Em relação a falta dos médio-agudos eu ainda não encontrei na minha pesquisa nenhuma madeira com essa característica!
    Alguém ai já testo guitarra com corpo em Cedro e escala em Ébano?
    Não digo que resolveria tudo mas acredito que melhoraria!
    Oque vocês acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse post é de 2011... Estamos em 2016 e ainda acho que cedro é uma madeira ruim para guitarras de sonoridade telecaster e stratocaster. Já testei o cedro com quase tudo - não interessa o material e/ou tipo do braço, ele sempre vai soar ruim (se comparado ao alder e ash) de médios aos meus ouvidos.

      Excluir
    2. Entendo seu ponto de vista e concordo com ele!
      As stratos e teles tradicionais usam madeiras mais equilibradas como Alder e Ahs que um poco mais aguda!
      A resposta de frequencia do cedro e diferente, então realmente para esses dois modelos de guitarra ele não ira dar akele som tradicional!

      Excluir
  39. Eu gostaria de saber se você só não acha o cedro bom para Stratos e Telecastes ou se vocês acha o cedro ruim para qualquer outro tipo de guitarra!

    E desculpa o incomodo e porque eu me interessei por luthieria e estol pesquisando a opinião de músicos experientes e de pessoas que sabem muito mais do que eu em relação ao universo musical!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que para guitarras com captadores de alto ganho e músicas mais pesadas o cedro é viável. Mas evitaria usá-lo em modelos Les Paul e especialmente "Fender".

      Excluir
    2. Eu pretendia usar num modelo tipo a N4!
      E valew pelas respostas, vão me ser uteis d+!

      Excluir
  40. Boa noite. Gostaria de saber de alguém com experiência, se o cedro rosa é mais apropriado para o corpo de uma strato, com braço de maple, ou de uma les paul? No caso de uma les paul, poderia usar o cedro também no braço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Willian. O timbre do cedro rosa tende mais para os médios graves do que agudos, comumente indicado como melhor substituto do mogno (padrão Gibson de madeiramentos). Quanto ao braço é possível faze-lo de cedro, entretanto vai depender de uma escala muito dura e tensor de ação dupla.

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".