domingo, 22 de dezembro de 2013

Alto Falante: ele pode mudar tudo!

      Paulo May




      Como ainda não acabei o post com a demo da Tele de Freijó e o Oscar estava viajando, resgatei um interessante post que fiz no fórum da GP em 2011.


Eu havia acabado de comprar um cabeçote Orange Tiny Terror e quando cheguei em casa ele soou muito mal com 3 alto falantes (alto falante não tem mais hífen, pelas novas regras ortográficas) que eu tinha aqui: Eminence Private Jack (baseado no Celestion Green Back), Fender/Eminence comum e um Jensen Vintage de Alnico, todos de 12 polegadas. Fui obrigado a voltar na loja (Mensageiro Musical) e comprar a versão "combo" simplesmente porque o amp foi "tunado" pra soar melhor com o Celestion G12H (Heritage 30 watts). 




Os médios desse Celestion, um alto falante super clássico, são muito característicos. É o par perfeito para o Orange Tiny Terror

O combo mostrou-se muito prático e o "casal" fica sempre junto :)

         O alto falante é o último elemento físico da geração de um timbre antes que ele chegue aos nossos ouvidos, mas é DETERMINANTE para a sonoridade final. Alto falantes para guitarra enquadram-se na categoria de "woofers", ou seja, não têm os graves profundos e sub-graves (abaixo de 100 hertz já perdem muito da resposta) e geralmente não reproduzem quase nada acima de 6 ou 7 Khz (o alcance do ouvido humano vai de 20 hertz a 20.000 hertz/20kHz). Mas dependendo da construção, bobina, materiais, imãs, etc., a personalidade sonora deles varia muito.

Para um ponto de partida, existe uma distinção primária entre alto falantes com timbre "britânico/british", que possuem uma certa ênfase nos médios (pense em Marshal e Orange) e timbre "americano/american" - nesse caso, o foco é o som "Fender", mais cristalino e com graves redondos.

A fábrica americana "Eminence" produz alto falantes que seguem esse princípio: a linha Patriot tem timbragem americana e a Red Coat, inglesa. Antes que alguém pergunte, a linha Legend é padrão americano também, estilo Fender.

Cada falante tem uma personalidade e cada amp idem. Só temos que combinar muito bem os dois, senão dá briga! :)

Para vocês terem uma ideia de quanto um falante pode mudar o timbre do amp, assistam esse vídeo (amp Rivera Venus 6, com válvulas de saída 6V6):



O falante original do Rivera Venus 6 é o Celestion G12H 30 (um pouco menos médios e mais graves que o V30). Impressionante como alguns "famosos" soaram mal (nesse amp), como os Tone Tubby.
É importantíssimo para nós guitarristas, termos conhecimento, pelo menos básico, das sonoridades clássicas de amps (Fender/Marshall/Vox/Mesa) e de alto falantes. Tão importante quanto madeiras, captadores e pedais. O alcance de frequência da guitarra está predominantemente nos médios, e é aí que temos que trabalhar um timbre...

25 comentários:

  1. Pois é, muita gente nem imagina quanta diferença um bom falante pode fazer! E que, mesmo entre os bons falantes, há aqueles que combinarão melhor ou pior com determinado amp e ajustes. Apesar de ter um Vintage 30 e mais alguns da Celestion, sou fã de carteirinha dos Ted Weber! Parabéns novamente!

    ResponderExcluir
  2. Já fiz uma experiência plugando a guitarra num Gradiente Model 80 (80 watts rms) caixas com duto sintonizado, de 3 vias, falantes de 15 pol. Ficou animal. Isso me leva a perguntar: porque a amplificação de instrumentos tem sempre uma configuração "pobre" ? Se alguém tem a resposta, dever ser você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sérgio, amplificadores de guitarra são historicamente Lo-Fi, desdo os primeiros modelos desenvolvidos por Leo Fender. Os amps eram "simples" e tinham o único propósito de tornar o som da guitarra mais alto, até por que não existia nenhuma outra referência para o som de guitarra elétrica. Essa sonoridade "pobre" a que vc se referiu foi a que absorvemos como sendo a referência do som de guitarra. Isso não quer dizer que ligar uma guitarra num amp hi-fi seja proíbido, mas que vai soar diferente do que estamos acostumados a associar com som de guitarra elétrica.

      Excluir
    2. Exatamente! Usando distorção, por exemplo, sem um simulador de "cabinet" você terá um timbre muito distante do mais tradicional, um enxame de abelhas mesmo com as distorções mais "limpas". Isso por que a resposta de agudos foi bem estendida por usar caixas com duas ou três vias, as quais terão TWEETERs nessa configuração. Como disse o Oscar, no começo da história da amplificação de guitarra usava-se un falantes ditos full-range de Alnico, e não eram exatamente "full-range". Com o tempo os amplificadores hi-fi foram se tornando mais sofisticados e uma dessas sofisticações foi a implementação de falantes específicos para determinadas faixas de frequência. Nada impede de se usar um amplificador hi-fi (desde que as impedâncias da guitarra e da entrada dele se casem) e buscar sonoridades inusitadas.
      Um exemplo interessante de uso de amp hi-fi com guitarra para obter um som tradicional é ligar a guitarra em linha no P.A. de um show, mas usando um dos tantos simuladores de amplificador e gabinete que existem por aí. Ou mesmo gravando em linha em casa com um simulador desses. Você obtém um timbre próximo do tradicional sem a necessidade de um amp e do falante.
      O negócio é que o amplificador deixou de ser um aparelho apenas para amplificar o sinal da guitarra, mas além disso colorir o timbre da mesma e se chegar ao TONE tão sonhado. Eu costumo dizer que amp+falante representam a outra metade do instrumento guitarra...rs.

      Excluir
    3. Valeu, grato pela resposta precisa e pela atenção. Agora deu vontade de colocar uns pedais malucos só para ver o que acontece. huha!! Feliz Natal a todos.

      Excluir
  3. Obrigado por termos esse espaço para tirar nossas duvidas. Tenho um line 6 spider IV 15w de estudo, e ele chia demais, em todas as guitarras q testei. Sem o noise gate do próprio amp, o chiado some um pouco quando as cordas estao vibrando em um toque. Conforme a nota vai sumindo, o chiado aumenta. Com o noise gate ligado, ele chia quando eu toco a nota (exatamente o contrario), porém, o chiado é mais baixo. Agora, se eu tocar uma nota solta e tirar a mao da guitarra, é um absurdo. Outra coisa: quando toco duas notas juntas, principalmente nas casas mais agudas, sai uma terceira nota fantasma BEM mais grave junto, e conforme eu subo um tom nessas cordas fazendo um bend, essa nota fantasma faz o contrario: abaixa tons. Que raios pode estar acontecendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Genesis, o chiado pode vir da sua rede elétrica (bem provavel) e nesse caso não tem muito jeito mesmo, pode ainda vir da sua guitarra se ela usar singles por exemplo que estão sujeitos a isso, ou ainda algum problema no AMP mesmo. Normalmente quanto mais ganho mais compressão e mais chiado.

      Excluir
    2. Valeu Oscar! Quanto ao chiado parece mesmo ser a rede elétrica então pq na loja não tinha nada disso, e minha guitarra tem 2 humbuckers. Agora o q incomoda mesmo é o fato de que nao dá para tocar duas cordas juntas. (acordes então nem se fala). Sai uma nota grave no meio e quanto mais alto o tom mais grave esse som é. Eu uso o modo overdrive, nem coloco muito ganho, mas mesmo assim... Só no clean nao tem isso

      Excluir
    3. Muito boa a matéria, parabéns ao autor. Genesis, tenho este mesmo problema que você, não idêntico ao seu mas relacionado a rede elétrica de minha casa. Levei meu AMP e Guitarra na casa de meu irmão e de alguns amigos e não houve problemas. Com certeza temos problemas de aterramento em nossa rede elétrica/casa causando interferêcia em nossos amps. Solução: Aterrar ! Mas e agora ? eu moro em prédio !!! Abraços

      Excluir
  4. Interessante post! Já havia visto no FGP, mas este é, inclusive, o universo que mais está me interessando no momento... abraço e parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Esse assunto é muito bom e muito importante. Tambem já havia visto no FGP. Porem gostaria de dizer que um outro assunto que estaria no mesmo nível de importância deste é a combinação amplificador X tipo de guitarra. Nunca falei sobre isso com vcs, mas estou convencido que cada tipo de guitarra timbra melhor com um tipo de amplificador ou ao contrario. Hoje considero isso importantíssimo.... Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. COM CERTEZA! E é assunto pra outro post :)

      Excluir
  6. Feliz Natal, Paulo, Oscar e tudo mundo que contribui para este blog tão útil! Muito obrigado por compartilhar o conhecimento (às vezes, caro e trabalhoso de obter) com o público em geral!

    Grande abraço!

    Marcos Sousa

    ResponderExcluir
  7. Eu costumava usar a seguinte analogia para hi-fi: "Não adianta investir num caríssimo sistema de som e economizar (tem gente que ainda pensa assim) nos alto falantes. O resultado será ruim. Agora se Vc ligar seu radinho CCE numa caixa JBL Vc vai duvidar que é o MESMO radinho!".
    Para guitarra a coisa é semelhante porém diferente: Vc tem que usar um falante PARA GUITARRA !!! Se usar um falante hi-fi, a guita soará magra e pobre: Vc vai ouvir "fidedignamente as vibrações das cordas de aço sendo captadas por bobinas eletromagnéticas" o que não é "SOM DE GUITARRA"!!!! Faça a experiência em casa!!! FELIZ NATAL A TODOS !!!!

    ResponderExcluir
  8. Paulo, muito bom trazer esse post pra cá! Antes de vc postar esse vídeo no Fórum, eu nunca imaginei o quanto um falante pode mudar o som de um amp! Pena q, como sempre, falantes bons são tão extorsivamente caros nas Terras Brasilis... senão, seria uma fonte de GAS quuase inesgotável!!!

    Desejo a vc e ao Oscar um feliz natal!!! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Já tinha visto esse mesmo vídeo há uns dois meses e é muito evidente a diferença entre alto falantes, sabia que existia mas não que era tão escancarada assim. Ótimo post, Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rommel. E o assunto continua no próximo post :)

      Excluir
  10. Só vi/ouvi agora o vídeo.
    Achei o Celestion Vintage V30 melhor que o H30 original do amp. Até gostei de alguns Eminence e Jensen mas o amp parece sim ajustado para os V30/H30.

    PS: No Celestion Greenback o som já saiu mais abafado e abelhudo, na minha opinião.

    ResponderExcluir
  11. boa noite, Oscar. gostaria de uma orientação: estou pretendendo trocar os falantes do meu cubo vc-30 2x12. gostaria de um som vintage. quais tu indica? de preferência custo/benefício. dese já, muito obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro,

      Depende do seu gosto. Os GB128 como falei no post são uma ótima relação custo benefício pra quem gosta de sons "woody" vintage. É um bom falante por um bom preço!

      Excluir
  12. Muito boa explanação...estou querendo montar uma caixa para meu amp, um Vox Cambridge 15,. Originalmente, o alto falante dele é de 8", Celestion Bulldog. Apesar de timbrar legal em casa, para estudar, queria montar uma caixa com um de 12". Vi um Eminence Red Coat de 50w, olhando as caracteristicas dele como posso saber que vai casar sem testar? tem alguma caracteristica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um falante de 12 vai dar mais amplitude sonora, mais graves e extenção que um de 8" Krek. Sem testar é difícil ter certeza se "vai casar", até pq tem um boa dose de gosto pessoal nessa equação. Eu sugiro que você busque referencias sonoras dos falantes no YouTube ou mesmo em Forums de gte que já teve experiência com o modelo específico. Note que Red Coat é o nome dado a uma linha toda de falantes com som "britânico" da Eminence, e que possue vários modelos como Wizard, Governor e etc. Eu faço assim pelo menos! :-)

      Boa Sorte!!

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".