terça-feira, 27 de maio de 2014

Rapidinha: Amp PRS Dual Channel "C" + AFD VIntage e Sheptone Tribute Set

Oscar Isaka Jr

     Tenho o costume de aos sábados pela manhã fazer uma excursão pelas lojas que mais frequento e bater papo com meus amigos e lojistas. É uma ótima terapia, pois acabo sempre encontrando outros amigos e um bom papo sobre guitarras e assuntos aleatórios sempre se desenrola. Há cerca de duas semanas estava conversando com o Carlos da Loja do Músico aqui de Curitiba, quando olhei na sala de amps da loja um amplificador PRS. Como são amps de difícil aparição por essas bandas, resolvi dar uma olhada mais de perto e constatei que se tratava de um PRS Two Channel "C".


     Claro que fui pesquisar um pouco e descobri que esse amp faz parte de uma série que Paul Reed Smith idealizou para ser a versão Vintage da linha de 2 canais de seus amps, normalmente de canal único. Como tudo que a PRS solta a construção do AMP é incrível numa abordagem quase ponto a ponto, mas ainda assim hand-wired na planta de Maryland nos EUA, além de transformadores de boutique da Cinemag (famosa fabricante de trafos Hi-Fi nos EUA) entre outras coisinhas.



      Pluguei na loja um pouco e fiquei intrigado com os timbres que ele produzia pois não é um amp genérico dois canais. Ao invés disso, Paul idealizou-o para que cada canal trabalhe idividualmente como um amplificador, tendo sua própria linha de EQ, Ganho e volume. A diferença no caso é que um canal tem mais ganho que o outro mas ambos conseguer distorcer em níveis diferentes. Veja a demonstração do próprio Paul Reed Smith:



     Note como cada canal se comporta de maneira dinâmica como se fosse um amp Single Channel. O detalhe é que ele nunca fica 100% clean, é sempre semi-sujo bem ao estilo VOX com todo o chime e detalhe dinâmico.  O Canal Lead é pura cremosidade britânica com ganho de sobra pra solos a la Eric Johnson até ganhos mais Bluesy. Não fiquei tempo o suficiente com o AMP para fazer uma REVIEW completa, mas durante a tarde que o Carlos deixou ele comigo gravei um videozinho com a Vintage AFD equipada com Sheptone Tribute PAFs pra dividir com vc`s os timbres do amp. Normalmente nos atemos às marcas tradicionais e vem uma PRS e entrega um amp com essa qualdiade de timbre, sem ser um clone de nenhum modelo, mas sim imprimindo sua própria personalidade. Realmente muito legal! O teste foi feito numa caixa 1 x12 com falante Eminence GB128.

 

     Que timbrera que ficou essa Vintage AFD.... Fala sério... Os Sheptone também fazem jus à fama que possuem. Antes que perguntem, comparados aos Rolph 58 que tanto amamos, acho que os Sheptone tem um pentelho menos de dinâmica, complexidade e detalhe, mas os outros atributos como definição, ataque e beleza no timbre estão todos cravados no DNA PAF desse set, e o cap de ponte mais forte ajuda muito a dar maior versatilidade ao set. Seria tranquilamente um set que eu teria numa guitarra "workhorse" pau pra toda obra!

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PS: A Loja do Musico é talvez uma das mais antigas de Curitiba (se não a mais antiga). É onde trabalham o Carlos e o Zeco, que cuida dos amps valvulados da maioria dos guitarristas barulhentos da região. A loja se especializou em equipamento "hi-end" e sempre tem coisas diferentes em termos de amp e guitarras. Vale a pena conhecer a loja! :-)

Contato: www.lojadomusico.com.br


20 comentários:

  1. Timbre simplesmente de babar... dá vontade de ouvir em loop!!! O PRS é foda mesmo, e imagino sua GAS qdo tocou com esse bicho! Hehehehehe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rsrs é complicado Sid. É difícil manter o foco com amp bom. Eu nem deveria testar essas coisas pra não ficar me cocando depois! :-)

      Excluir
  2. Respostas
    1. Achei legal isso nele Marcos, não tenta copiar muito as sonoridades já existentes, mas sim diz qual o seu próprio DNA.

      Excluir
  3. isso é tortura do Jr pra aumentar minha ansiedade... só pode... kkkk... abraço!

    ResponderExcluir
  4. Que bacana.... docinho, docinho!!! Clean muito bonito mas o terceiro momento do vídeo, com drive, tá show, dá p/ sentir a "textura do som", quase que palpável!!!

    Qualidade é outra coisa!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doce é uma boa definição pra ele Rommel. Não tem nada de sobras nesse timbre, nem de agudos nem médios nem nada. É muito polidinho mesmo! :-)

      Excluir
  5. Também vi este amp lá na Loja do Musico, excelente loja c uma grande variedade e ótimo atendimento(sempre rola umas conversas legais), e c raridades como esta. Também tenho vintage AFD, dei uma turbinada nela e o som ficou muito foda. Troquei NUT e ponte por Resomax, capacitores óleo Jensen & Captadores PAF da BareKnuckle edição especial de 10 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma excelente guitarra mesmo Lramos. Essa do vídeo esta com caps Sheptone e ponte/cordal da Gotoh. Sempre disse que já vi muita Gibson Std falar menos que essa guitarra do jeito que estava. Ótimo custo benefício sem dúvidas.

      Excluir
  6. Falando em amps q não são especificamente clones, comprei um G40Head e uma caixa c Celestion V30 da Bruschi Amps de Blumenau/SC. Excelente atendimento, ótimo acabamento/ peças, c personalidade própria, e bem aqui pertinho de CWB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lramos, muito bom saber. Não tive oportunidade de tocar em nenhum Bruschi ainda mas sempre ouvi falar mto bem. Sempre achei que o G40 era meio baseado no Fender Hot Rod Deluxe! :-)

      Excluir
    2. Hj por td que já foi feito pelas marcas tradicionais(fender, marshall, vox, mesa boogie, ...) fica difícil sair um amp valvulado novo e este não ser comparado de alguma forma a um clássico. Mais tem aqueles que desejam apenas ser um clone(com um diferencialzinho pra dar aquele ar de inovação) e outros que tentam colocar uma personalidade própria. Não tenho familiaridade suficiente c o Hot Rod Deluxe pra fazer uma comparação, mais por suas características creio q sejam da mesma praia, o G40 deve ter uma melhor adequação pra sons modernos sem deixar o vintage de lado graças a sua função de SAG. Aproveitando a oportunidade deixo meus parabéns ao excelente blog e sou um fã do mesmo.

      Excluir
    3. Vc tem razão Lramos. A topologia básica é sempre parecida! :-)
      Obrigado pela colaboração e volte sempre!

      Excluir
  7. Jr, ótimo amp esse PRS. Amps com timbragem britânica não são os meus preferidos, mas esse eu gostei da dinâmica dos dois canais, não soam cópias de Vox.
    Também mostra que o som de uma boa PRS está mais para uma strato "gorda" do que para LP. Aprecio elas.
    A Vintage com esses Sheptone ficou do jeito que eu gosto, uma LP quente e definida, não soando "entubada", abafada como muitos preferem.
    Abraço.

    Marçal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Marçal. Na minha opinião, esse som "entubado" de LesPaul só é legal no alto ganho. PONTO!! rsrs :-) De resto, uma LesPaul clássica e rockeira deve soar assim como vc descreveu, quente e definida!

      Excluir
  8. Belo amp! Pau pra toda obra, assisti a vários vídeos na net e gostei mt da dinâmica, vai do crunch quase clean até o hi-gain só no volume(da guitarra), acho isso lindo.
    E qual o valor da criança?
    Meu primeiro posta aqui e aproveito para parabenizar o blog, tem muito post interessante e é ponto de partida para muita informação útil :D .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Eric. O amp é EXTREMAMENTE dinâmico mesmo! Realmente muito legal. Sugiro entrar em contato la com a Loja e falar com o Carlos. Ele te passa mais informações sobre ele. Blza? Abraço

      Excluir
  9. Olá amigos. Vocês tem uma Fan Page?

    Abraços

    ResponderExcluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".