segunda-feira, 2 de maio de 2016

Pedrone Overdone Special

Oscar Isaka Jr



(obs: antes de fazer perguntas e ou postar comentários, leia aqui: CLIQUE)



        Confesso que devo desculpas ao Pedrone e a vocês que seguem o Blog pela demora em postar uma devida Review do Overdone, mas antes tarde do que nunca (rs) então aqui está. Ainda não 100% completa (então aguardem a parte 2) mas como meu tempo para acabar esta muito escasso eu vou postar mesmo assim :-)!




         Comprei o amp logo que conheci o Pedrone. Quando fui a SP (Post da Entrevista LPG) para a entrevista que publicamos aqui no blog, aproveitei pra conhecer alguns amps da linha e ele tinha um modelo do Overdone pronto para testar e nem deixei ele anunciar. Tentei gravar em casa algumas vezes essa demo e nada ficava bom o suficiente. Eu precisava entender o AMP e TODAS as suas nuances. Precisava esperar o falantes amaciarem, pois havia encomendado um par novo de Celestion G12-65 com caixa nova e tudo mais. Queria que o amp tivesse um período de BREAK-IN para falar 100% o que podia.

         Desde então, muito se tem comentado nos foruns e grupos do Facebook, mas ninguém melhor que o mestre Augusto Pedrone em pessoa para explicar os controles e funcionamento do amp. Oportunamente o Kleber Kashima fez uma excelente entrevista com o Pedrone para o site Guitar Experience  (Excelente Revista Digital) onde, além de outras coisas, ele explica todos os controles do amplificador que passou a ser um amp de linha da marca.




         A versão que eu tenho (e que foi usada nessa demo) é levemente diferente do novo modelo (do vídeo acima). Afim de incorporar o sucesso do Overdone à linha de produtos, o Pedrone não mais o faz utilizando a técnica de ponto-a-ponto dos antigos.
Com isso conseguiu baratear os custos de fabricação, agiliza a entrega e consegue incorporar algumas funcionalidades extras (ex. circuito de redução de potência). Isso sem comprometer a sonoridade original.
A versão nova também perdeu o switch de seleção de "feedback" que se encontrava na parte de trás do Overdone antigo e que altera levemente a resposta do pre-amp mas que não chega a fazer falta. Eu acabo sempre deixando ele desligado mesmo.

O meu Overdone :-)
         Pois bem, usei e abusei dele todo esse tempo. Usei em casa, com pedais, com a minha banda  ao e em ensaios e acho que não tive uma situação que o amp não se comportou muito bem. Podemos pensar que o timbre básico do Overdone é um Fender Clean, porém "transgênico", digamos.

        Os graves são extensos e profundos e com a chave "Deep" a coisa fica ainda mais extensa e versátil. Os médios são cirurgicamente tunados na região eficiente das frequencias de guitarra e soam absolutamente macios e a chave de "Mid" dá um leve boost no volume perceptivo e joga a guitarra lá na frente da banda para situações em que o corte na mix é necessário. Os agudos, assim como os graves, tem um linda extensão e adicionam o brilho necessário sem nunca serem estridentes demais. O "Bright" adiciona um brilho na medida e útil para guitarras que soam mais fechadas por natureza ou então quando se toca com o amp em volumes mais baixos por exemplo, onde a extensão da EQ não abriu tanto ainda.

         O comportamento da EQ do Overdone é um tanto diferente dos amps tradicionais que estamos acostumados. Sem nem mencionar a chave EQ1/EQ2 (Jazz/Rock) onde você tem 2 amps completamente distintos, você pode girar qualquer um deles nos extremos e não vai ter excessos. Por exemplo, com Strato eu gosto muito de usar o "Mid" Switch ligado e com o grave quase no ultimo . O bump de médios do Switch faz com que a maior extensão de graves do Knob case perfeitamente e nada soa abafado, mas um timbre imponente e bonito. Com Les Paul, retiro o Mid, giro o Contour para perto de 1 hora e "voilà".

Tentando mostrar um pouco disso,  eu convoquei o Francisco Ferreira, meu amigo do excelente blog Guitarras e Gambiarras (Clique Aqui) para me ajudar a gravar esse vídeo onde tentamos mostrar como o amp soa e responde. Além de um baita guitarrista, o Chico é radialista e pudemos usar o estúdio para realmente gravar o amp num volume bom. O resultado final está registrado no vídeo abaixo, onde eu passei por todos os controles do AMP enquanto o Chico tocava na minha Strato Castelli (Post da Strato). :-)



         Bom, como nenhum amp faz TUDO por mais versátil que seja, o Overdone tem seus contras. Definitivamente não é um amplificador pra METAL ou gêneros mais extremos. A característica mais macia dos médios, excelentes para um Blues e Rock Clássico, não deixa ele ficar agressivo como uma moto serra MESA não importando o quanto de ganho você jogue no pré. A extensão dos graves, lindos para um jazz, nunca ficam "tight"o suficiente para palhetadas rápidas e bases Drop por exemplo.

No entanto, com uma LesPaul e um pouco mais de ganho do pré obtemos timbres na linha do Bonamassa tranquilamente e um pedalzinho "Marshall like" como o CrunchBox clássico, por exemplo, já joga seu timbre no Hard Rock convincente. Um OCD consegue fazer muito aspirante a JoePerry tocar Mamma Kin sem problemas. Eu queria ter gravado algo para mostrar essas características, mas vai ficar pra um segundo post.

Como sempre, se alguém tiver dúvidas sobre o Amp, preços e etc, basta acessar a página do Pedrone (www.pedroneshop.com) ou entrar em contato diretamente através do e-mail/telefone abaixo. O atendimento é sempre muito solicito e cordial. Eu ainda vou twer todos os amps da marca, dada a qualidade e cuidado e por isso tem nosso Selo de Qualidade LPG a muito tempo! Ponto para o Pedrone, para nós, e para o mercado nacional! 


Pedrone Amplificadores Valvulados Ltda ME
Endereço: Rua Tagipuru 79, São Paulo, Brasil
Telefone: (11) 3672-3783
contato@pedrone.com.br


12 comentários:

  1. Parece ser um bom amp, me lembra o FUCHS...
    Será que consigo chegar próximo a isso: https://youtu.be/QsoBKjOG-f4

    Quando vi esse vídeo que agora indico, tive a ideia de sugerir um review das Guitarras tipo explorer(hamer(sou um apaixonado pela marca...), ibanez, gibsons e afins)

    Mais uma vez, parabéns pelo excelente conteúdo do portal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os sons do video sao Orange e Vox rsrs dois sons bem classicos! O drive do Overdone eh diferente desses! :)

      Obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Prezados Oscar e Paulo, venho acompanhando o blog a algum tempo e sei que questões off-topic não são bem vindas... mas não tem como ser diferente, de vez que gostaria de pedir que tratassem de dois assuntos que poderiam ser úteis aos demais leitores. Bem, revendo o blog, deparei com uma solicitação para que o Paulo falasse a respeito de seu "guitarmário". Ele ficou de fazê-lo e o tempo passou. O outro assunto refere-se às guitarras Les Paul: vejo muitos anúncios em que as guitarras são descritas como 50´s, Tribute, de Luxe, Custom, etc. E me intriga saber a respeito do perfil dos braços, se são mais ou menos espessos, conforme o modelo... Se puderem anotar minha sugestão fico feliz. De qualquer modo, parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tom :)
      Há um ano estou planejando uma reforma no apto e pretendo montar um "guitarmário definitivo", unindo a minha experiência com o conhecimento de um bom marceneiro. Meu guitarmário antigo inclusive não existe mais - foi desmontado em abril. Claro que anotei as medidas e fotografei tudo. Quando o novo ficar pronto, posso fazer um post legal e útil

      Excluir
    2. Quanto à comparação das Les Pauls, temos como regra só postar tópicos de experiência pessoal e concreta, então não faria muito sentido um post comparando guitarras que de fato não possuímos/tocamos. E se o foco for o perfil dos braços, pior ainda, porque só houve padronização após o advento do CNC e mesmo assim a Gibson ainda varia de modelo para modelo e entre modelos iguais, dependendo do período.

      Excluir
  3. Olá! Visitem meu blog. Obrigado! http://musicaguitarraselembrancas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ótimo review!

    Dúvida: Qual falante foi utilizado neste vídeo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim! A caixa é baseada no 2x12 two rock?

      Excluir
    2. Oi Marcelo. Sim, a Cx é um clone da 2x12 TwoRock com falantes Celestion G12-65 :-)

      Excluir
  5. Ótimo review, foi fundamental para eu poder bater o martelo e pedir o meu. Oscar, eu vi que você vendeu o seu, algum problema com o ampli, ou o timbre dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Douglas. Cara vendi o meu por precisar de $$ somente! Rs estou casando, mobiliando casa, entre muitos outros gastos. Como vendi pra um amigo e um cara que sei que vai curtir muito, então ta beleza! :)

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta! Estou morrendo de ansiedade para o meu chegar!
      Grande abraço, e sucesso aí!

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".