sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

SX de Alder... Alder? Qual dos 23 tipos?

Digite "Alder" na Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Alder
Alder é o nome comum ao gênero ALNUS, que é subdividido em 23 subgêneros. Os subgêneros "Alnus Rubra (Vermelho/Red Alder)" e "Alnus Rhombifolia (Branco/White Alder)" são os  mais comuns e conhecidos nos EUA.
A China tem pelo menos 3 desses 23 subgêneros. Até na Argentina tem um tipo de Alder...

Aí é complicado. Uma guitarra feita com "alder argentino" pode ser vendida como "guitarra de alder", tecnicamente falando (pode realmente, digo, legalmente? Não sei). E é claro que o timbre dessas variedades são também distintos.
O timbre clássico das Fender é proveniente dos dois tipos citados de alder americano.  E acaba por aí. ALDER AMERICANO. Ponto final.

Por isso o esforço atual da SX de especificar "American" em suas novas guitarras de ash e/ou alder. Eles já sabem que nós já sabemos que existe o Alder chinês.
Minhas duas SX são provavelmente de alder chinês ou do oriente. Tentei identificá-lo através de fotos, mas é muito difícil.

Sempre mencionei que a SX sunburst soava melhor que a creme. Resolvi remover a pintura (e dessa vez juro que foi a última mesmo - tanto que nem finalizei a remoção) só por curiosidade:



Aqui, o solvente químico desprendendo o verniz:

A já famosa "tampa" pra esconder as emendas:

Emendas? 3 ou 4 - nem parei muito para olhar:


A madeira por baixo da tampa, essa aí da borda, é a mesma da maioria das SX de "alder": avermelhada e com esses "riscos" curtos e mais escuros. O mesmo padrão da SX sunburst.

Aparentemente, esse é o padrão de textura do ALDER CHINÊS: cor castanho avermelhada, com pequenos traços mais escuros. Esses riscos até aparecem no alder americano, mas em pequena quantidade. Compare a madeira que aparece na lateral da guitarra com essa, de alder chinês da  região de Guangdong




Nem pensar em lixar os restos não removidos pela química - entreguei a guitarra assim mesmo para o cara que pintou a minha Telecaster (essa sim de verdadeiro alder americano) e pedi pra lixá-la e pintá-la de preto. O creme tava legal, mas prefiro preta. :)


A camada de verniz PU agora tá bem fina (a original era grossa) mas a sonoridade é praticamente a mesma - não mudou quase nada. O timbre é basicamente "strato" porém com mais graves e menos médios. Ela tem uma chave para trocar entre os pots de volume de 250k (singles) e 500k (humbucker). Não tem controle de tonalidade.

O humbucker da ponte é um Hot Mojo Rosar, mas acho que o Supershred Rosar vai ficar na medida ali. É uma guitarra sem as sutilezas de uma strato clássica tipo Fender, com vocação pra sons pesados e cheios, ainda mais agora, toda "black" :)

Alder chinês. :)

O braço, antes que perguntem, é de uma Condor RX 20. Êta bracinho bom de pegada... :)

PS: Por falar em "Wikipedia",  já fiz a minha doação pra mantê-la livre das propagandas que inundam a internet. Quem usa Paypal ou tem cartão de crédito internacional pode e deve ajudar. 5 dólares, que seja. É menos que um X-Salada.
Dê uma passada e leia esse curto texto do fundador. Difícil não sensibilizar-se com essa causa
Garanto que a gente se sente muito bem depois.


87 comentários:

  1. Rapaz, adoro isso que você faz de mexer até a alma da guitarra!

    E olha como esse post veio a calhar!
    Um belo corpo de alder já espera por mim.

    Grande abraço e obrigado pelas dicas!

    ResponderExcluir
  2. Salve Dr.May!
    Ficou muito bela esta black strat heim!
    Minha duvida é os modelos sunburst tambem tem esse tampo de alder ?
    obrigado e abçs

    ResponderExcluir
  3. Bacana vc dar um espaço pra Wikipedia no seu blog, ... tbem concordo em ajudar... Grande abraço e tudo de bom no ano que vem.
    Folli

    ResponderExcluir
  4. Não tem como não lhe dar os parabéns pelo o que você faz, pois seus posts são muito informativos.
    Ah alder, espero que minha Tagima T736 seja de um alder meia boca e não basswood como vi em outro tópico referente a uma T735.

    Obrigado pelas informações e parabéns mais uma vez pelo belo trabalho que você presta por meio desse blog.

    ResponderExcluir
  5. Boa Paulo!

    Tenho uma creme bem parecida, só que ela esta com stellfners neodymium e kent armstrong...

    Queria umas dicas pras ferragens, isso levando em conta que prefiro a aparencia das tarraxas kluson e da ponte vintage


    Obrigado pela atenção


    Abs

    ResponderExcluir
  6. Pessoal, obrigado pelos comentários. Há tempos eu estava querendo tirar a tinta dessa SX. A sunburst, me parece, não tem tampo, já que as emendas (3 blocos visíveis) são aparentes e a madeira é do padrão da madeira por baixo do tampo da SX creme.

    As Tagimas T735 e T736 Special eram de Alder (embora a minha postada aqui com certeza não é alder) e há cerca de um ou dois anos, passaram p/ basswood.

    Anônimo, em relação às ferragens, se queres manter as tarraxas e o aspecto vintage da ponte, recomendo apenas a troca do bloco do tremolo, por um pesado - vai deixá-la um pouco mais ressonante e "viva". É relativamente sutil, mas perceptível e na minha opinião melhora o timbre geral.

    ResponderExcluir
  7. Folli,
    Tudo de bom em 2012 pra ti também, meu caro! :)

    ResponderExcluir
  8. Meu caro Paulo May parabéns pelo seu excelente blog! pena que só descobri agora, bem estou comprando uma SX SST57
    Link http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-214371534-guitarra-shelter-sx-sst-57-strato-diversas-cores-_JM
    pois considero o melhor custo beneficio e com alguns upgrades dá pra melhorar bastante, é minha primeira guitarra e estou com medo de errar, nessa faixa de preço estou fazendo um bom negocio ou você recomendaria outra?

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. É realmente o melhor custo benefício em termos de strato. Das duas que eu comprei, a com acabamento Sunburst é nitidamente melhor que a Creme (cor sólida), inclusive o braço, pois o braço da creme tinha 4 trastes elevados e a escala não estava bem reta.
    Como já falei anteriormente, acho que as SX precisam ser testadas antes, pois tanto podemos pegar uma com tudo certinho ou uma com problemas, às vezes sérios, como a escala/trastes.

    Um luthier não cobra menos de 150-200 reais para retirar e recolocar trastes. Aí, o custo benefício já foi pro saco.

    Em tempo: teoricamente o pessoal da Barra Music checa a guitarra antes de enviá-la, mas comprei uma AXL lá que veio com a ponte torta. Pode ter sido uma distração do avaliador, mas quem pagou o pato fui eu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, parece ser uma regra das SX's essa sua observação sobre a escala delas. A minha tem problema grave apesar do braço ser muito bonito. Estou em negociação com um Mighty Mite lindíssimo com decalque Fender e tudo mas bate o receio por ser usado. Eu compro carro usado mas partes de guitarra me deixam muito inseguro.

      Excluir
  10. Bom dia Dr.May

    Gostaria de saber mais detalhes sobre essa Axl,qual raio da escala e se possivel postar algumas fotos da ponte e bloco (se possivel postar algumas do bloco da cort g260).

    Voce já testou ou tocou nas ibanez Grg 150 ? em caso afirmativo o que achou ? voce conhece a ponte que vem nesse modelo(ibanez fat 10) ?

    Estou em duvida sobre minha proxima guitarra...gostei muito da pegada da ibanez Grg tanto as que tem floyd como as com ponte flutuante,tambem gostei bastante da cort g260 é muito boa! mas a grana é curta rsrsrs e se gastar mais de 1000 a patroa me mata! ahahaha
    Obrigado.


    Abçs e Feliz Natal pra vc e toda sua familia.

    ResponderExcluir
  11. Paulo,

    Eu já tinha comentado aqui sobre minha Tagima T735 Special Natural ser ou não de Alder.

    Avaliando essa foto do google:
    http://www.tonesettings.com/wp-content/uploads/2011/05/alder.jpg
    sendo isso realmente Alder, os veios da madeira da minha tagima são bem parecidos...

    Até o som ficou melhor depois dessa constatação! rs

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Comecei a prestar mais atenção depois de ler alguns posts teus...
    Ontem estava dando uma olhada numa loja local e vi uma destas SX American (preencha com o nome da madeira aqui).
    Era uma Strato com acabamento Sunburst. Eles não tiveram o trabalho de esconder as emendas não. Dava para ver bem certinho que havia uma parte de madeira central, onde ficam presos os captadores, outra na parte inferior (de quem olha a guitarra de frente) e outra na parte superior. Chegava a ser feia a coisa.

    A unica coisa que conseguia pensar era poderia estar esperando por baixo daquelas guitarras com pinturas completas...

    Por outro lado, o baixista da minha banda tem um SX corzinha de madeira e ela aparenta ser uma peça só. Se é não sei, mas caso negativo fizeram um bom trabalho para esconder.

    Saudações!

    ResponderExcluir
  13. Juliano Backer,

    Guitarra com mais de uma peça no corpo é aceitável até pro padrão Fender.

    O Paulo mesmo, dono do blog, tem uma telecaster, se não me engano, feita por luthier que é em duas peças.

    O problema é haver um tipo de madeira por cima, e outro (ou outros) por baixo, tipo um sanduíche.

    Mesmo assim, já vi em revistas o luthier Tagima fabricando guitarra em três partes: marupá, ash, marupá...

    Por fim, o resultado sonoro satisfatório que deve ser almejado.

    Abraços

    ResponderExcluir
  14. O Pedro tá correto, Juliano. O problema mesmo é o uso de vários blocos (mais de 4) de madeira - algumas vezes de espécies diferentes, e em cima, uma fina "tampa" de madeira lisa é colada pra dar a impressão de que é um bloco só.
    A combinação de madeiras, coladas em forma de "torta", é muito comum (Les Paul, por exemplo) e várias combinações são possíveis, mas geralmente são usadas duas ou no máximo 3 "fatias" de madeiras distintas.

    Em relação às SX, eu suspeitaria mais de uma que aparentasse ter somente uma peça do que outra com 2 ou 3... :)
    As novas de ash da SX têm geralmente apenas duas peças.

    ResponderExcluir
  15. Pedro, pelo que tenho visto aqui, mesmo nas sunburst, se não aparecer nenhuma emenda, provavelmente é um tampo colado. Como as bordas das sunburst são escuras, não dá pra ver a maracutaia a não ser tirando todo o verniz...
    _____________________________

    Anônimo, o raio da AXL é 12" e o bloco é pequeno e vagabundo como todos os chineses genéricos e baratos. Na minha, troquei-o por um de aço da GFS.

    A ponte da G260 é a famosa Wilkinson VS50. O bloco é pesado e sólido porém um pouco mais curto que o padrão. Desse há fotos na internet.

    Particularmente, não gosto e não uso pontes do tipo Floyd Rose e detesto as guitarras Ibanez "clássicas" de braço fino e escala de 14" ou mais. Mas é só questão de gosto, pois geralmente são guitarras boas e muito bem construídas.

    ResponderExcluir
  16. Entendi!
    Obrigado Paulo e Pedro, pelas respostas e paciência rsrs.
    Saudações!

    ResponderExcluir
  17. Ehehe o que vocês acham disto então?

    http://www.youtube.com/watch?v=fp8rM3LvBc4

    http://www.youtube.com/watch?v=LmRfc73WCrQ&feature=related

    ResponderExcluir
  18. Juliano,
    A Yamaha tem umas teorias e processos meio "doidos", como o A.I.R, o A.R.E, o I.R.A..Sei lá até que ponto isto funciona, mesmo porque nunca testei uma destas A2, mas acredito que ela possa fazer bem mais do que faz nas mãos do Bittencourt...A guitarra foi projetada para soar bem assim, não é o caso de outras guitarras com vários pedaços de madeira suspeita, ou até tipos diferentes, que estão lá por acaso...

    ResponderExcluir
  19. Sim, eu entendo a diferença perfeitamente. Mas fiquei curioso a respeito da opinião a respeito desta guitarra, que acabei lendo a respeito, casualmente logo após ler as respostas anteriores.
    Abs

    ResponderExcluir
  20. Paulo.. Muito legal seu material, li quase tudo, e acabei encomendando 2 guitas com o Cavalheiro... Tenho usado Fender/Gibson/Musicman por muitos anos, e resolvi encarar 2 guitas handmade e com o Cavalheiro por conta do que li aqui. Depois te conto como ficou.... Obrigado

    ResponderExcluir
  21. Juliano, sempre vi propaganda dessas Yamaha AIR, mas nunca tive curiosidade pra testar uma... :)

    ResponderExcluir
  22. Obrigado, Brunetti.
    E que responsa p/ o Cavalheiro hein? :) Pelas guitarras que tens usado, o nível de exigência é alto. Por favor, não esqueça de me dizer o que achaste delas.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  23. Paulo, conhece a marca Vintage? Está sendo importada pela Habro. Tenho uma Les Paul V100 AFD (aka Paradise, clone da LP do Slash). A minha possui 2 peças de mogno, com tampo flamed maple (acho que é flamed). Muito bonita, bem acabada, pesada que cansa. Hardware é todo Wilkinson (pois é uma parceria com o próprio Wilkinson, alias ele assina as guitarras). Parece que esse modelo não está sendo mais vendido no Brasil, acredito por ser de qualidade maior que os demais. É uma linda guitarra, ainda mais pessoalmente.

    Existem também Stratos, Telecaster, SG, PRS, Flying V e outras, tanto relic como normal. Acho que valem muito a pena, só meio difícil de encontra-las. Comprei a minha por R$ 1400 na Playtech em abril. De lá pra cá, só sucesso.

    Aqui o site oficial lá fora: http://www.jhs.co.uk/vintageelectric.html

    ResponderExcluir
  24. Conheço sim. Foi uma das primeiras a especificar "American Alder/Ash" nas propagandas.
    Um dos melhores custo x benefício do mercado. Acredito que esteja no nível (senão superior, dependendo do modelo) das Epiphones.

    ResponderExcluir
  25. Olá Paulo,

    Estou de olho numa Condor RX 20 para pegar o braço e unir a um corpo (freijó ou marupá - escolher a madeira e mandar confecionar)...

    O que vc me diz? Apoia ou não?

    Abraços e Feliz Natal

    ResponderExcluir
  26. ah... mandar confecionar o corpo no formato de uma TELECASTER!!! esqueci o mais importante! rs

    Abraços

    ResponderExcluir
  27. Se os braços das RX 20 ainda estiverem tão bons quanto os 2 que comprei, é uma ótima idéia, Pedro. :)

    Mas lembro que o final do tróculo (e braço, portanto) da stratos é arredondado e os da tele são retos. Se fores fazer um corpo com luthier, o ideal mesmo é enviares o braço pra ele fazer nas medidas exatas.

    ResponderExcluir
  28. Paulo, por falar em Alder... estou ansioso para ver alguém virando do avesso um Seizi dessas novas (rss...) mas ponho fé sim.

    ResponderExcluir
  29. Paulo, parabéns pelo blog. Sou fã de carteirinha. Desde que descobri o blog, fiquei viciado nele...rs. Não sei se é o local adequado para perguntar isso, se não for me desculpe, mas gostaria de comprar uma guitarra para usar com o amplitube (hobby) e como não tenho conhecimento para fazer upgrades, vc poderia me indicar duas guitarras na faixa até R$ 750, uma delas que tenha o timbre mais proximo da fender stratocaster e outra strato também que seja mais versatil em sua timbragem. Terei que comprar pela net, pois na minha cidade não há disponibilidade de tantos modelos e marcas. Pode me ajudar nessa? Parabéns pelos coments também lá no forum da GP. Valeu Jack...abraço.

    ResponderExcluir
  30. Obrigado, Fernando. :)

    Não entendi direito: queres comprar 2 guitarras que custem até 750 no total ou duas de até 750 cada?

    Lá no próprio fórum da GP, eu criei o tópico "Guitarras baratas para iniciantes":
    http://www.guitarplayer.com.br/forum/index.php?/topic/964-guitarra-e-amp-baratos-para-iniciantes/

    Na questão custo/benefício, as Condor RX20 são quase imbatíveis. O problema é que a Condor fechou. Talvez aches algumas ainda por aí. Custam por volta de 300-350 reais. Um upgrade interessante, de imediato, seriam os captadores, mas dá pra tocar com qualidade mínima mesmo com os de fábrica.
    A RX10 custa menos de 300 reais e a que eu testei na loja estava com ótima tocabilidade.

    Outra excelente é a Yamaha Pacifica 112J. Ela tem um humbucker na ponte e por isso, mais "versátil" que a com 3 singles. Muito bem construída. Custa por volta de 700 reais.

    Outra strato que é impecável (já tive uma) é a Condor GX40 - não precisa de upgrades de imediato nos captadores (são de alnico). Paguei 750 reais.
    Novamente, talvez seja difícil de encontrar por causa da situação atual da Condor. Mas ainda tem por aí. Recomendo o modelo com acabamento "sunburst".

    Abraço e boa sorte! :)

    ResponderExcluir
  31. Me esqueci de recomendar as SX. OS modelos "SST", mais antigos são iguais às que postei aqui e custam menos de 500 reais.
    Mas é uma guitarra que tem que trocar ponte, tarraxas e captadores. Além disso, as duas que comprei apresentaram problemas de trastes mal colocados. Ainda acho que a Yamaha ou a Condor GX40 teriam um melhor custo/benefício.

    ResponderExcluir
  32. Paulo, muito obrigado pelas respostas. Coincidentemente, e lendo reviews e tambem conteudos dos foruns, suas informacoes finais bateram mais ou menos com as conclusoes que havia chegado, ou seja, CONDOR GX40 E YAMAHA 112J. Alem dessas duas, achei interessante tambem a YAMAHA PACIFICA 012. Pode me dar alguma informacao sobre ela. E se fosse pra escolher uma unica guitarra, boa, barata que mais lembrasse o timbre fender, e que fosse bem versatil, se eh que isso existe neh...rs, qual seria essa guitarra dentre estas todas citadas, inclusive a pacifica 012, pensando no fato de nao se fazer upgrades, e que tenham bom acabamento, sonoridade, timbre e tocabilidade. Acho que to pedindo demais neh nao!!??...rs Abraco e obrigado Paulo.

    ResponderExcluir
  33. Paulo, so pra complementar. Como nao tenho grandes opcoes aqui em minha cidade pra testar as guitarras, terei que comprar pela net. Por isso penso em algo que tenha um bom controle de qualidade na producao das guitarras, para que nao venha a ter surpresas muito desagradaveis pela compra as cegas, sem testa-las, ok!? Abraco de novo, e um 2012 com muito GAS pra vc e pro pessoal que acompanha seu blog...rs.

    ResponderExcluir
  34. Oi Paulo, tudo beleza? Em primeiro lugar, parabéns pelo conteúdo e também pela maneira clara e objetiva com que vc se expressa nas questões pertinentes às guitarras e a todo o universo que as envolve. Show de bola!
    Eu sou irmão do Fernando LP, sou músico há algum tempo, e estamos pesquisando sobre uma guitarra pra ele comprar. Como ele disse, suas colocações bateram com tudo o que havíamos pesquisado. Apenas uma marca vc não mencionou e eu gostaria de saber se as Cort são boas? Ele quer algo parecido com os modelos Strato, tanto no visual, quanto à tocabilidade e timbre.
    Ah... recentemente comprei uma Vintage, modelo V100, que assemelha às Les Paul 59. Pelo preço, são sensacionais qto à acabamento e qualidade. Ela está com um luthier no momento sendo revisada, mas acho que é uma guitarra muito boa e fará a alegria da vizinhança!!! hehehehe...
    Abraço cara e valeu por tudo!!!

    ResponderExcluir
  35. Fernando/Márcio,
    Eu tenho vários posts sobre as Cort aqui no blog. O da G260 tá aqui: http://guitarra99.blogspot.com/2010/07/cort-g260.html
    As Cort via de regra são excelentes guitarras, com materiais de qualidade. Alguns guitarristas reclamam que falta um pouco de "tradição" e maior cuidado com os timbres. Eu concordo, em parte :)
    As Vintage são guitarras muito legais também. Como falei antes, periga terem mais qualidade que algumas Epiphones :)

    O corpo da YAMAHA PACIFICA 012 é de Agathis, que tem sonoridade diferente do Alder (112J). Mas, ninguém garante que o alder - mesmo o da Yamaha - seja americano. Provavelmente oriental.
    A qualidade de construção acho que deve ser semelhante entre as duas.

    ResponderExcluir
  36. amigon parabens pelo blog !!!

    mas afinal, qual sera q é a madeira por baixo da "tampa" ?

    ResponderExcluir
  37. Obrigado! :)
    Não dá pra afirmar, mas supostamente, a madeira é Alder oriental :)

    ResponderExcluir
  38. Olá amigo. Tenho uma Les Paul Giannini da década de 80 tipo exportação. É uma guitarra excelente, apesar de estar um pouco desregulada. Tenho algumas dúvidas e acho que você poderia me ajudar.

    O braço da minha Les Paul está arqueado (angulado), com um curvatura bem acentuada pra dentro. Isso está fazendo trastejar e desafinar demais. Dá pra mim resolver esse problema sozinho ou preciso de um luthier? Entendo pouco de madeira, trabalho mais na elétrica.

    Quero remover totalmente a pintura dela. O corpo é de mogno com um tampo de marfim, já vi guitarras semelhantes com a pintura removida e fica linda. Qual tipo (marca, nome) de solvente uso para retirar a tinta? Como proceder com o processo de remoção.

    Seu Blog é super-fantástico. Muito bom. Fiquei viciado em ler.
    Muito obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir
  39. Wagner, me parece uma questão de ajuste do tensor. Se nunca mexeste nisso, deves levar a um luthier e se possível assista o processo - é bem simples e depois dá pra fazeres sozinho.
    Um vídeo em português do youtube:
    http://www.youtube.com/watch?v=fGjqCNkDpCM

    Os 3 processos mais comuns pra retirar o verniz/tinta da guitarra são:
    1 - Removedor Químico. ex: http://www.montana.com.br/Produtos/Consumidores/Linha-Decorativa-Imobiliaria/Removedores-e-Restauradores/Striptizi-Gel
    2 - Soprador Térmico
    3 - Lixa

    Eu recomendo o primeiro, mas é legal pesquisares o método antes e não esqueça de usá-lo em local bem arejado.

    ResponderExcluir
  40. Eu tenho outra forma de resolver o problema do potenciômetro, eu apenas coloco um resistor de 510k entre o condutor e a malha de cada captador single, desta forma, quando seleciono um single o resistor automaticamente fica em paralelo com o potenciômetro, ajustando resistencia do pot p/ +- 250k

    ResponderExcluir
  41. Perfeito, Eddie! :)
    É o macete que o John Suhr usa em sua stratos HSS.
    O Oscar Isaka Jr. havia me passado essa dica mas não sei por que a ignorei.
    Chequei com o Sérgio Rosar e ele acha que esse esquema funciona 100% no volume 10, mas pode haver variação de resposta quando o pot é acionado. Ex: no "5" de um pot linear de 250k o valor teórico seria 125, mas nessa situação será de aprox. 190k - confere?
    Vou testá-la e postar aqui.
    Valeu o toque - obrigado!

    ResponderExcluir
  42. Bom Dia Paulo!
    Primeiro venho te parabenizar pelo blog!Estou a horas na net procurando características e informações sobre guitarras e realmente as suas informações e detalhes são completos e ajudam muito!
    Estou precisando de uma ajuda sua!Estou prestes a comprar uma guitar sx sst 57 na cor creme por gostar desta cor e penso tuna-la + para frente( tenho em trio de caps tex mex e tarrachas com trava fender e roller nut ) porém vi nos seus posts a diferença de sonoridade entre a sumburst e a creme!qual você me indicaria pois se a sonoridade da sumburst for muito melhor da creme mudo de idéia na hora! desde ja obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Hugo.
      Olha, no meu caso a SX sunburst soa mais ressonante e "aberta" que a creme. Pode ser pelo fato das madeiras terem (talvez) menos emendas nas sunburst ou até questão de sorte ou do lote específico de madeiras.
      Entretanto, jamais saberia disso se não tivesse as duas lado a lado para comparar :)
      Já sabemos que o alder das "SST" é chinês. Não é necessariamente ruim, mas até onde ouvi, inferior ao americano.
      O alder da recente Telecaster SX que comprei (postada) foi uma surpresa - é muito bom e o padrão é americano mesmo.
      Pena que não estejam fazendo as stratos de alder (só ash e com corpo 4-5mm mais fino até o momento).
      Realmente, uma SX boa é questão de sorte, por isso é difícil te dar um conselho mais exato.
      Abraço e boa sorte na compra :)

      Excluir
  43. Bom dia brother!
    Achei seu blog, sem querer procurando artigos sobre stratocaster!
    Estou a procura de uma strato barata, para modificar, e gostei muito sobre o que lí aqui, pois estava atrás de uma Shelter.]
    Minha dúvida é a seguinte, acha que a Shelter é o melhor custo benefício, nessas guitarras de valor médio R$500,00? Ou com sua experiência, indicaria outra?

    Aguardo resposta anciosamente!
    Grato, Diego!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego, no próprio texto tem um link para a avaliação de uma Shelter SST: http://guitarra99.blogspot.com.br/2010/07/strato-sx-modificada.html
      Aqui também:
      http://guitarra99.blogspot.com.br/2011/10/guia-para-tunar-guitarras-baratas.html

      E no blog, essa pergunta já foi feita (e respondida) inúmeras vezes. Use o "Search".

      Excluir
  44. Paulo como sou canhoto e tenho dificuldades em encontrar uma guitarra legal, qual voce me aconselha: vintage lv6 canhoto ou uma sx sst57 canhoto? no site da vintage diz que a lv6 é de american alder será mesmo? eu to achando que é alder chines também...flw

    ResponderExcluir
  45. Olá Paulo,Seu Blog esta fazendo ganhar muitas horas de conhecimento de um assunto que adoro como guitarras,parabéns pela qualidade do conteudo! Em relação as SX SST62 é a mesma contrução que as SST57 só muda a cor da escala?

    Abraço

    ResponderExcluir
  46. Farlley, obrigado! :)
    Sim, a SX SST62 tem a mesma contrução que as SST57 - só muda a escala - é de rosewood e não de maple.

    ResponderExcluir
  47. paulo. eu comecei a lixar minha strato sx aki e me deparei com uma coloração muito diferente da sua, a minha tem algumas manchas em formato de pequenos veios e não é lisa como as fotos q vc postou da sua. Eu já estava com medo pois essa guitarra é toda preta e dos modelos antigos ela tem gravado sx custom handmade no headstock formato fender, corre o risco de não ser alder?

    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já sabemos que, se for realmente alder, é chinês, um bocado diferente do americano.
      Quando a guitarra vai receber uma cor sólida (não transparente), aí é terra de ninguém - eles não se preocupam se a madeira é diferente, se os pedaços não batem, se tem manchas ou coisas assim. Acho até que eles aproveitam pra colocar outras madeiras misturadas. Não dá pra saber mesmo. É uma das razões dessas guitarras serem tão baratas.

      Nem sei por que essa minha SX creme recebeu as tampas (usadas pra esconder as emendas nas guitarras transparentes/sunburst). Talvez tenham mudado pra cor sólida no último momento.

      Acho que terás que repintá-la com cor sólida.

      Excluir
  48. Não existe ALDER CHINES , são picaretas mesmo , bando de salafra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe sim, meu caro. Não só um, mas 3 espécies de Alder só na China. Na Ásia mais umas 10 espécies. A questão aqui é se o Alder usado pela SX tem ressonância parecida do Red Alder americano clássico da Fender.

      Excluir
  49. Amigo sabe me dizer se essa é uma sx sst 62 e se ela cabe mesmo um humbucker na ponte ou vc mandou cortar. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma SST57 com braço de uma Condor RX 20, mas o corpo de ambos, 56 e 62, são iguais.
      Não precisa mexer - ela tem cavidades HSS, conforme mostram as fotos do próprio post.

      Excluir
  50. Olá Paulo, lendo esse post, bateu uma curiosidade, e fui espiar minha strato, tentando visualizar as emendas do corpo. É uma fender mexicana, sunburst, muito parecida com uma strato sua de outro post - verniz transparente, deixa ver bem a madeira. A dúvida é: a Fender também apronta essa malandragem de esconder as emendas com um revestimento? Consegui detectar uma possível emenda, bem no meio da guitarra (nas cavidades dos captadores), mas na parte de trás não aparece nada. A impressão é de bloco único (sei lá se é possível isso, também, já que não é uma guitarra top).
    A guita foi comprada nos EUA, de um vendedor com ótimas qualificações, o qual garantiu se tratar de uma Fender MIM autêntica, em alder, standard, mas nunca se sabe. Infelizmente, tenho mais medo de ser passado pra trás pelos vendedores daqui do Brasil :)

    ResponderExcluir
  51. P.S.: Minha guita é semelhante à sua American Standard 1997 (http://guitarra99.blogspot.com.br/2010/07/fender-american-standard-1997.html), só que a borda preta é bem mais estreita, olhando de cima tem apenas 1 cm adentrando o verniz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro, dê uma olhada nesse post:
      http://guitarra99.blogspot.com.br/2011/11/telecastermania-epilogo.html

      Se ainda tiveres alguma dúvida, dê um toque.

      Excluir
  52. Madrecita de Diós!! Se tivesse conhecido esse blog há alguns anos, teria escapado dessa. Ainda bem que, ao menos, o neck não é mexicano... Estou de olho num corpo strato american sienaburst, no dia que der uma folgada, compro ele. O problema é que, nem assim, dá pra saber a maracutaia. Quem sabe uma japan, mais antiga...
    Por outro lado, ano passado retirei a tinta do meu baixo, um Tagima ano 91, e dei de cara com duas emendas. Pensei que, pela época da fabricação, isso não acontecia,:)
    Excelente essa sua iniciativa de informar aos amantes a guitarra acerca da pilantragem que permeia a indústria, até mesmo uma fábrica de renome como a Fender. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madrecita de Diós! KKKK!
      Qto às Japan, só se forem realmente muito antigas (até 1983-84), porque a maioria tem corpo de basswood: http://guitarra99.blogspot.com.br/2010/10/fender-made-in-japan-historia.html
      As american, mesmo a linha mais barata, a Special, não têm mais do que 3 partes - geralmente duas.

      E isso que falas é o objetivo primordial desse blog, meu amigo :)

      Abraço!

      Excluir
  53. Vou aproveitar que a guitarra tá desmontada e mostrá-la a um marceneiro amigo meu, pra ver se ele consegue detectar alguma coisa. Essa colagem está tão bem-feita que, com certeza, passa despercebida à maioria dos observadores, :)
    Por outro lado, meu ouvido não está treinado para captar diferenças, por vezes sutis, entre os timbres dessa ou daquela guitarra, até porque não tenho parâmetros (faz uns 10 anos que não toco mais em banda - trabalho/casamento/faculdade). Apenas em 95/96, o guitarrista com quem tocava tinha uma strato USA, das antigas, só lembro que soava super bem. Mas eu era baixista, só pegava a guitarra pra brincar.
    Por tudo isso que vi no blog, dei um chá de sumiço nos captadores cerâmicos, para a instalação dum set HSS gringo, com um 54' custom no braço - pelo menos quero que a guita tente parecer mais fidedigna :)

    Abração.

    ResponderExcluir
  54. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  55. GUILHERME CRISTIANO10 de setembro de 2012 05:47

    Paulo, qual removedor você utilizou, vou começar o processo de restauração de uma les paul antiga que tenho, sempre gostei de "fazer com as próprias mãos" e irei reforma-la sozinho, só vou passar pro luthier no final, para troca de trastes, binding do braço e regulagem.
    é uma kaman Gtx 36 de 1986 se não me engano, vou deixa-la camaleão, vou pintar com fundo preto e o spray camaleão por cima, e depois verniz pu colorgin por cima, caso eu cague na guitarra, mando para o luthier hehehe, mais vale a pena tentar.... pensei tbm em fazer o top com 3m de fibra de carbono, apliquei nas colunas do meu carro (focus) ficou lindo imagino que no top da guitarra com um verniz por cima ficaria animal, ja vi uma que tem segue o link http://www.jwrestoration.com/featured/cflp1.htm

    Um abraço! Adorei seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme, faça um search no blog - já discutimos isso em algum lugar...
      Usei o Striptizi gel.

      Excluir
    2. Guilherme, voce ainda tem essa guitarra?

      Excluir
  56. Paulo, me parece que a madeira desta SX creme que você pelou é diferente do tampo. Eu reliquei uma SX SST62 a minha não tem o tampo e a madeira é idêntica a do meio da do sanduíche da sua SX creme, ou idêntica a desta foto do web do "alder chinês":

    http://www.manufacturer.com/cimages/product/www.alibaba.com/0909/c/Sell_Chinese_Alder_crown_veneer.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que são todas "alder chinês" Rogério. Até o ano passado era difícil achar fotos dessa madeira, mas agora tá bem claro que a característica mais marcante são esses pequenos traços vermelhos/marrons.
      No caso dessa creme, tenho quase certeza que ela originalmente seria uma sunburst e quando as colagens ficam muito heterogêneas, os caras colocam uma folha/veneer por cima e por baixo. A minha outra SX não tem as tampas e a madeira é igual à dos blocos dessa daí.
      Alder Chinês, sem dúvida. A sonoridade não é ruim, mas é inferiopr ao alder americano. Mais próxima do basswood eu diria.

      Excluir
  57. Paulo, veja só o que encontrei por baixo da tinta preta da minha SX SST62. A emenda superior tenho certeza que é o alder chinês. Já a emenda do meio (justo a mais importante) tenho sérias dúvidas que se trata de basswood (!!!).

    http://imageshack.us/a/img687/295/sxbody.jpg

    ResponderExcluir
  58. Olá Paulo,
    Percebi que vc instalou pontes Wilkinson em suas stratos SX, já tem um tempo que eu queria colocar uma dessa em uma strato Washburn x-14 que tenho aqui, mas, pelo que eu tinha pesquisado, achei que não daria certo devido ao espaçamento menor (10.5mm) dessas guitarras asiáticas, vi que vc instalou nas suas, que tem o mesmo espaçamento, e ficou legal, vc poderia me explicar como foi a instalação da ponte? se teve que furar mais alguma coisa, se encaixou direito, se usou uma ponte com o esquema 5+1 da Wilkinson.

    Agradeço desde já.

    Wellington

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wellington, em todas tive que mudar/adaptar alguma coisa - geralmente os furos dos parafusos não batem. Numa das SX tive que alargar 1 ou 2 mm da cavidade do bloco, mas na outra não foi necessário.
      A ponte que eu uso da Wilkinson é a WVPC de seis furos ou WVP de dois pivôs - já postei sobre elas aqui.

      Excluir
  59. Paulo parabéns meu caro!
    Seu blog é uma verdadeira faculdade sobre guitarras. Muito bom!
    Há alguns anos pensei em comprar um SX para posteriormente customizá-la. Quando então acabei comprando um Yamaha EG 303. Comprei com essa mesma intensão: Customizá-la! Mas agora penso em fazer isso somente na parte estética ela, sem mudança de captadores ou parte elétrica. O timbre dela apesar de simples me agradou muito. Braço super confortável, enfim, ela tinha ( tem ) toda uma particularidade sonora que me agrada. Contudo estou a refazer a pintura dela novamente. Estou buscando algumas informações de como aplicar a técnica de "craquele", a partir dai começar a por a mão na massa.
    Curti muito a customização que você fez na SX principalmente na vesão black. Nessa ocasião você pintou o escudo ou essa cor é original dele?

    Bom Paulo, se você puder me sanar algumas questões ficaria muito agradecido. Vamos lá:
    Tem alguma tinta em spray q vc considera boa para a pintura do corpo da guitarra ?

    Curti demais a ponte wilkinson que você colocou na SX, porém li no comentário acima q é provável que precise adáptá-la em alguns modelos. Sabe me dizer se ela é compatível ( sem necessitar de adaptação ) com a yamaha eg 303 ? Caso não, poderia me indicar alguma modelo/ marca de ponte para essa guitarra ?

    E por último: Essa remoção da tinha pode ser feita com solvente que vende em depósitos de materiais de construção ? Isso não interfere na madeira e consequentemente no timbre da guitarra ?

    Bom, no mais é só!
    Muito obrigado.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ailton, obrigado!
      Não conheço a Yamaha EG 303, então fica difícil dizer, mas geralmente a Wilkinson precisa de uma pequena adaptação, ppte nos furos dos parafusos de fixação da ponte. Porém, pode encaixar de primeira...
      O escudo é original preto. Comprei no ML, mas não lembro de quem.
      A remoção da tinta/verniz é feita com Striptizi Gel. Digite "Striptizi Gel" na campo "pesquisar nesse blog" - há várias menções.
      Abraço e boa sorte!

      Excluir
  60. Vou pesquisar sim Paulo!

    Muito obrigado pela ajuda meu caro.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  61. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  62. Olá Paulo,
    Estou entrando nesse mundo de customização agora e tenho bastante dúvida e receio.
    Ainda sou um um bebê no blog, mas ja estou estudando-o , lol... tenho muito coisa pra ler ainda ;-)
    Enfim, encontrei uma SX sst 62 black numa loja aqui da minha cidade, dei uma pesquisada pra saber se eles são os revendedores dela, e não muito surpreso vi que não são.
    Voltei a loja e peguei na guitarra, comparada a uma fender mexicana que vi na mesma loja o peso me chamou muita atenção. A SX exposta é muito leve, totalmente desregulada (como sempre), mas as tem as tarrachas com logotipo, logotipo impresso no head, tudo no lugar como vejo sempre. Olhando pra ela parece ser feita pela SX, mas deu medo de levar de cara! Não tenho muita condição $$, tenho uma Memphis (Tagima :-|) fraquinha que toco com o meu grupo em casamentos, formaturas etc. E hoje vejo que preciso melhorar o timbre dos meus sons. Tenho uma Boss ME 70, da pra fazer um som bacana, mas sinto que preciso de uma guitarra de nível bom pra razoável e a customização de uma SX cabe no meu bolso.
    Fora lixar, existem outras formas de identificar se é mesmo uma SX de alder (mesmo que seja chinês)?

    Parabéns pelo blog, vi que é um sucesso

    Desde já agradeço (Desculpe por desenterrar o post. rs). Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Sheol.
      Por favor faça uma pesquisa no blog - há um tópico só sobre isso:
      http://guitarra99.blogspot.com.br/2013/08/guitarras-sx-identificando-as-madeiras.html

      Excluir
  63. Grande Paulo,
    Sou mais um admirador seu pelo belo trabalho que faz em esclarecer as questões mais polêmicas sobre guitarras e os "upgrades" mais incríveis que se possa imaginar, sempre com muita precocupação com a qualidade.
    Bem, agora que já "ensaboei" você bastante (rs) faço a minha pergunta.
    Tenho uma Fender MIM, 2009. Segundo as informações que solicitei da Fender em Scotsdale, Arizona, USA (não achei endereço da fábrica em Ensenada, Mexico) ela foi fabricada em setembro e esse lote (de acordo com o meu serial number) saiu todo com peça única de alder. (vai ver alguém derubou café o lote...). Posso acreditar nisso?
    Comprei uma Shelter FST62 usada (não é a SX, é Shelter) sunburst, impecável. Chega hoje.
    Na sua opinião o que precisaria ser feito nas duas guitarras para deixá-las melhor. Nada de custo muito alto. (digamos, médio).
    Também comprei duas Giannini GI 300, de 2003, aqueles com o headstock padrão Fender. Na verdade o objetivo é de customizar sem muito gasto. Só pelo prazer. Segundo a Giannini, o corpo destas guitarras é de Poplar. Que diabos de madeira é essa?
    E por último comprei um Eagle Strato das antigas, também com headstock padrão fender. Ela é verde translúcido mas vou pintá-la de azul geladeira anos 50.
    Se puder enviar alguma resposta para omeu e-mail, agradeço de coração.
    claudiofanaya@gmail.com
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Lee, primeiro, obrigado pelos elogios :)
      Se o que a Fender falou de tua MIM for verdade (e já tive contatos com eles - são prestativos e sinceros), Claro que o fornecimento de madeiras não é sempre linear e podes ter tido a sorte de conseguir uma MIM realmente especial.

      A Shelter FST62 é a antiga, certo? Aquela com headstock Fender. Essa é superior às SST e na época um teste da finada Cover Guitar a considerou o melhor custo benefício entre as strato baratas no Brasil. Se ela tá legal e funcional, merece um bloco Manara e captadores de alnico.
      A Giannini tem corpo de Poplar, que é bem leve e tem sonoridade parecida com o Basswood e o Marupá. Pra strato, é uma madeira um pouco anêmica e sem a ressonância do alder ou ash.
      A piorzinha deve ser a Eagle, de Basswood (que na China pode ser QUALQUER madeira mais lisa e leve).
      Aí depende do que tens pra investir nelas, mas a prioridade deveria ser:
      1 - Fender MIM bloco da ponte de aço (o Manara é excelente e barato) e captadores Rosar (Fullerton ou CBS 64) ou Malagoli Custom Shop (54).
      2 - Shelter FST62 - idem. Se os captadores da Fender forem de alnico, podes colocá-los nessa.
      3 - Coloque o bloco de Zinco da MIM na Giannini (terás que provavelmente adaptar/alargar/furar a placa da ponte).

      Aí sobra a Eagle - não acho que valha a pena investir nela, considerando as outras, Ou transformá-la numa "superstrato", com humbucker de alto ganho na ponte. :)

      PS: como o blog e a lida com guitarras não é a minha profissão e disponho de pouco tempo para isso, não disponibilizo e-mail para contatos pessoais. Se o fizer, acaba tudo! :) A gente tá com média de 1.700 acessos por dia aqui...
      Porém, fico à tua disposição aqui no blog, ok?

      Abraço!

      Excluir
    2. PS2: Cláudio, vi que és gaúcho - aí em Porto tem os excelentes captadores feitos à mão pelo mestre Solon Fishbone - gosto muito do set Two Tone. O Solon é um dos caras que mais entende de strato (e de blues) no Brasil :)
      http://www.guitargarage.com.br/novo/portal/php/pickups.php

      Excluir
  64. Todas sx sst57 cabe um humbucker?
    Tenho uma branca também e queria colocar humbucker na ponte...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim - a cavidade de todas é igual à da foto.

      Excluir
  65. Olá Paulo, poderia dar uma olhada na guitarra que eu queria montar para ser a minha primeira?

    Sx sst 57 com um hambucker HH 777 na ponte 2 Custom Alnico Blues ponte e braço com um Kit Manara com bloco, molas e alavanca mais tarraxas gotoh ou planet waves.


    E cara queria lhe desejar muita sorte e sucesso nesse caminho, ler seu blog abriu minha mente pra uma porrada de coisas e me fez pensar novos caminhos pro futuro. Muito sucesso, saúde e conhecimento e que esse blog tenha muitos anos na ativa... Abraços e boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!
      Excelente upgrade pra ficar com uma strato moderna e versátil. Não se esqueça de checar os posts sobre o problema de agregar singles e humbucker em stratos.
      Atenção também para os trastes das SX - geralmente tem desnivelamento e nesse caso recomendo um bom luthier pra deixar tudo 100% :)
      Parabéns pela guitarra!

      Excluir
  66. Qual as especificações dessa guitarra? Gostei tanto da creme que quero fazer uma igual a da imagem.

    ResponderExcluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".